Vamos fazer história no dia 22 de abril

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Abril 2016

"O calor está se tornando normal. O ano de 2015 bateu 2014 como 'o mais quente registrado da história' e organizações meteorológicas já estão prevendo que 2016 será o novo 'ano mais quente da história.' Janeiro e fevereiro deste ano quebraram o recorde de 'mês mais quente'”, escreve Samantha Smith, líder da Iniciativa Global de Clima e Energia do WWF, publicada por WWF Brasil, 20-04-2016.

Eis o artigo.

Conseguir o Acordo de Paris foi uma grande conquista dentro de uma luta maior. Agora, os países precisam garantir que o acordo se torne uma realidade, primeiro, assinando-o e, em seguida, tomando medidas nacionais para transformá-lo em leis, regulamentações e políticas.

A assinatura é importante porque o acordo não pode entrar em vigor até que pelo menos 55% dos países membros o tenham assinado e ratificado, sendo que esses países precisam representar pelo menos 55% de todas as emissões globais de gases de efeito estufa. Assim, já que os países têm um ano para assinar o acordo, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, está colocando todos os seus esforços para assegurar que mais de 192 países assinem o acordo em uma reunião de alto nível das Nações Unidas esta semana, em Nova Iorque.

Aqui no WWF, esperamos que todos os países façam história com a assinatura do acordo em 22 de abril. Esta seria uma indicação política poderosa. No entanto, precisamos ainda mais. Assim como fizeram em Paris, os governos devem aproveitar esta oportunidade para ir mais longe, anunciando novas ações em escala crescente para sair de combustíveis fósseis rumo às energias renováveis, proteger as florestas ou mudar de investimentos sujos para limpos. Eles também devem anunciar seus planos para tornar suas promessas existentes mais ambiciosas.

Eis o porquê disso:

• O mundo já está 1º Celsius mais quente em relação ao período Pré-Industrial, então ficar abaixo de 1,5º C é um enorme desafio. Se os países não fizerem mais do que prometeram em seus planos nacionais para o clima com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa, estaremos no caminho certo para mais de 3º C de aquecimento. Os cientistas afirmam que 1,5º C é um limite máximo crítico, que determinaria o curso da elevação do nível do mar e o destino dos países de baixa altitude, recifes de coral, florestas tropicais e ecossistemas do Ártico. Os governos estão ouvindo e é por isso que vimos o 1,5º C consagrado no Acordo de Paris.

• O calor está se tornando normal. O ano de 2015 bateu 2014 como “o mais quente registrado da história” e organizações meteorológicas já estão prevendo que 2016 será o novo “ano mais quente da história.” Janeiro e fevereiro deste ano quebraram o recorde de “mês mais quente” e os meteorologistas classificaram os recordes de fevereiro como “esmagador”, ” “sem precedentes” e “explosivo”. Fevereiro de 2016 também marcou o 10º mês consecutivo em que o recorde mensal da temperatura global foi batido. No geral, os seis maiores recordes mensais de temperatura ocorreram todos nos últimos seis meses. Os nove maiores registros mensais de temperatura global dos oceanos ocorreram todos nos últimos nove meses (desde julho de 2015). O Ártico experimentou condições excepcionalmente quentes em janeiro e fevereiro, sendo responsável por outro recorde: o de menor extensão de gelo marinho que já houve.

• Os impactos de um mundo mais quente já estão sendo sentidos, e os cientistas nos dizem que a adaptação vai ajudar-nos apenas até certo ponto. Dr. Jeff Masters e Bob Henson observaram que “fevereiro de 2016 trouxe uma série de eventos climáticos extremos que se eram mais prováveis em um clima mais quente. E, como advertimos repetidamente que provavelmente aconteceria, estes impactos vieram principalmente em países menos desenvolvidos – aqueles com menos recursos disponíveis para lidar com as perigosas mudanças climáticas”. Eles disseram que, de acordo com o documento February 2016 Catastrophe Report, da seguradora Aon Benfield, “três nações – Vietnã, Zimbábue e Fiji – sofreram desastres climáticos extremos em fevereiro de 2016, o que custou pelo menos 4% do seu PIB”. Eles ainda observaram que, segundo o Banco de Dados de Desastres Internacional, “estes desastres bateram recordes como os mais caros desastres relacionados com o clima de toda história em suas nações. Para ter uma ideia, nove nações tiveram os seus mais caros desastres naturais de toda a história relacionados ao clima em 2015. ”

• Os níveis de CO2 na atmosfera tiveram o maior aumento ano-a-ano em 56 anos (desde que estes números começaram a ser registrados pelo Observatório Mauna Loa, no Havaí). E 2015 foi o quarto ano consecutivo em que as emissões de CO2 cresceram mais de duas partes por milhão. Pieter Tans, cientista-chefe da estufa global Rede de Referência em Gases de Efeito Estufa de NOAA, chama esses registros de “explosivos em comparação aos processos naturais” e observou que “os níveis de CO2 estão aumentando mais rápido do que em centenas de milhares de anos”.

Sejamos claros: Nós estamos vendo um mundo de rápido aquecimento, com um clima de desestabilização. A ação decisiva pode nos tirar deste caminho, mas não há tempo a perder. Os países devem aumentar os compromissos assumidos em Paris e transformá-los em ações concretas e rápidas de volta a um passado que produza menos poluição climática e uma transição justa para pessoas e comunidades. Isso começa com a assinatura do Acordo de Paris em 22 de abril, mas não termina aí.

Pessoas de todo o mundo estão mais preocupadas com as alterações climáticas do que nunca. E deveriam estar. Mas a boa notícia é que nossos líderes políticos estão preocupados também. Vimos isso em Paris e esperamos que vamos que se repita em 22 de abril. Vamos fazer história pela assinatura do Acordo e mostrar como os governos vão transformar suas grandes ambições em ação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vamos fazer história no dia 22 de abril - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV