Austrália. Cardeal Pell admite erros face a denúncias de pedofilia

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Fevereiro 2016

O cardeal australiano George Pell, responsável pela Secretaria de Economia do Vaticano, admitiu esta segunda-feira os "enormes erros" da Igreja na forma como lidou com denúncias de pedofilia na Austrália.

"A Igreja, em muitos locais, e certamente na Austrália, estragou as coisas e decepcionou muita gente", disse Pell, que falava, por videoconferência, a partir de Roma, para uma comissão australiana que investiga casos de pedofilia no país entre as décadas de 1960 e 1980, envolvendo a Igreja e instituições de proteção e cuidado de menores.

A reportagem é da Agência Lusa, publicada por Correio da Manhã, 29-02-2016.

O cardeal nasceu em Ballarat, onde trabalhou, como religioso, entre 1973 e 1983, tendo depois ido para Melbourne. As denúncias de pedofilia que a comissão analisa referem-se a casos ocorridos nestas cidades. O cardeal afirmou não ter os números relativos às denúncias de abusos sexuais de menores relativos a membros da Igreja Católica de Ballarat, onde pelo menos 14 religiosos foram acusados em dezenas de casos de pedofilia desde os anos de 1960.

Pell admitiu que muitas dessas denúncias foram descartadas apenas com base no desmentido dos acusados. Por outro lado, Pell negou ter conhecimento de que o antigo bispo de Ballarat, Ronald Mulkearns, enviava para o estrangeiro os padres que tinham cometido abusos para os submeter a tratamentos psicológicos. O cardeal viveu na década de 1970 num seminário com o sacerdote pedófilo Gerald Ridscale, que abusou de dezenas de menores quando era capelão num colégio de Ballarat, entre as décadas de 1960 e 1980.

Uma das vítimas do sacerdote foi o seu próprio sobrinho, David Ridscale, que assegura que quando pediu a Pell para o receber, em 1993, para lhe contar os abusos do tio, o agora cardeal tentou silenciá-lo.

Pell reconheceu que a transferência de Gerald Ridscale de paróquia em paróquia foi "uma catástrofe", tanto para as vítimas como para a Igreja. Familiares das vítimas pediram no domingo, em Roma, ao cardeal Pell, ao papa e à Igreja Católica "ações reais" que evitem que se repitam casos similares. Não há denúncias de pedofilia em relação a Pell, que não viajou até à Austrália para prestar declarações presencialmente por motivos de saúde.

A comissão foi criada em 2012 para investigar denúncias de pedofilia na Austrália e já ouviu relatos de abusos de crianças envolvendo lugares de culto, orfanatos, grupos comunitários e escolas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Austrália. Cardeal Pell admite erros face a denúncias de pedofilia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV