Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Argentina. “Há um autoritarismo grave”, diz grupo de padres

O grupo de padres católicos qualifica o Governo como “legal, mas de gestos perversos”. Falou do esvaziamento de áreas vinculadas aos direitos humanos, da repressão policial, das demissões, do acerto com os abutres e da prisão de Milagro Sala.

A reportagem é de Washington Uranga e publicada por Página/12, 27-02-2016. A tradução é de André Langer.

Em uma carta dirigida “ao Povo de Deus e ao povo em geral”, que “pretende ser uma contribuição para a leitura da realidade a partir do Evangelho e dos pobres nestes tempos de neoliberalismo”, o Grupo de Padres na Opção pelos Pobres faz uma longa análise crítica dos primeiros dias da gestão do presidente Mauricio Macri no plano internacional, direitos humanos, social, no terreno judicial e da política.

Os padres católicos advertem sobre o “grave autoritarismo”, o retrocesso em matéria de direitos humanos, denunciam “a grande número de demissões”, a baixa efetiva dos salários, as demissões “indiscriminadas” que calculam em 50 mil, “o injusto encarceramento da presa política Milagro Sala”, as ameaças à liberdade de expressão e ao direito à informação e a “abundância e abuso dos DNU (Decreto de Necessidade e Urgência)”.

Após “transcorridos pouco mais de dois meses deste governo legal, mas de gestos perversos”, o pedido dos padres é: “em nome de Deus e deste sofrido povo, cujos lamentos sobem ao céu, modifiquem o modelo!” E “com o Papa Francisco gritamos: este modelo mata!”

O documento assinala expressamente que “parece-nos preocupante o esvaziamento dos temas dos direitos humanos” e resenham alguns fatos que o demonstram, incluindo “os numerosos e muito graves casos de repressão, a começar por Cresta Roja, na rodovia Riccheri, os municipais em La Plata e Villa Sauze (La Pampa) e até o absurdo ataque a uma banda de crianças na favela 1-11-14, de Bajo Flores, e os mais recentes de Coronel Suárez”.

O Grupo de Padres, um de cujos coordenadores é o padre Eduardo de la Serna, critica também o “lamentável protocolo de segurança” e “a posta em dúvida do número de desaparecidos por parte de Darío Lopérfido (...) em sintonia com a inicial ‘falta de tempo’ do presidente da Nação para receber as organizações de direitos humanos (tempo que preferiu usar para juntar-se com os donos do poder, os empresários Magnetto e Rocca, entre outros)”.

Denunciam como “autoritarismo grave” o fato de que se aumentem “as balas de borracha (e também de chumbo), os caminhões hidrantes, os franco-atiradores e fotógrafos, os reténs policiais, o autoritarismo das forças de segurança (pedindo documentos e fazendo descer dos ônibus pessoas sem razões evidentes e até as consultas a casas para saber quem nelas mora)”.

Em matéria social os padres ressaltam “a gravíssima quantidade de demissões realizadas de maneira compulsiva e indiscriminada, sem auditorias públicas nem explicações convincentes”, denunciando também que “o próprio governo que promove as demissões nomeia para um alto cargo estatal a própria esposa do ministro da Modernização, Andrés Ibarra, responsável pelos cortes do Estado, a irmã da rainha da Holanda ou uma parenta da vice-presidenta, por exemplo”.

Destacam, pelo contrário, a “massiva participação na marcha convocada pela ATE (Associação de Trabalhadores do Estado) contra as demissões” e denunciam que tal mobilização, apesar da sua importância, “seja totalmente silenciada pela imprensa hegemônica”.

A metodologia do texto ressalta em cada capítulo aqueles fatos que, na opinião dos padres, são relevantes e merecem ser atendidos. Assim, no parágrafo referido à questão internacional, menciona-se a presença de Macri no Fórum de Davos “convocado pelos poderes de fato da economia mundial” e, entre outros acontecimentos, o fato de que a chanceler Susana Malcorra insista na integração à Aliança do Transpacífico.

Esta parte do documento termina denunciando “a iminente submissão do nosso povo a uma nova, vultosa e imoral dívida externa com os projetos de derrogação da 'lei do ferrolho e da ‘lei de pagamento soberano’ a pedido do juiz municipal de Nova York, Thomas Griesa, com a desculpa de ‘nos inserirmos no mundo’”.

Em outra parte da longa declaração se diz que “o achatamento dos salários é notável a partir do aumento dos preços, da retirada de subsídios para a energia e combustíveis”, advertindo que tudo isso cria uma “mistura explosiva” a partir de trabalhadores tratados como “mão de obra barata” e da “lei da selva que já vivemos”. Há um alerta também sobre o “preocupante silêncio de muitos sindicatos que deveriam defender os trabalhadores e em mais de uma ocasião parecem defender sua própria ‘caixa’ aproveitando as ‘obras sociais’”.

Sobre a situação de Milagro Sala, os padres argumentam que “o recente presente de um rosário que o Papa deu a ela é um evidente indício da preocupação do Pontífice que o governo se nega a ver em nome da suposta independência do Poder Judiciário”, ao passo que “os reiterados gestos de aproximação do presidente Macri e do governador Morales nas últimas semanas dizem exatamente o contrário”.

Há também apreciações críticas sobre o uso “aberrante” dos DNU como “expressão autoritária”, considerando que a derrogação da Lei de Serviços de Comunicação Audiovisual constitui um “silenciamento das vozes necessárias para que a população forme seu próprio critério independente e livre”.

Finalmente, os padres católicos denunciam “a falsidade do discurso que propõe ‘pobreza zero’, algo que é um bom refrão com boa imprensa, mas que não existe em nenhum país do mundo”. Acrescentam que “o que sem dúvida vemos é que com todas as políticas sociais e econômicas que estão sendo aplicadas a pobreza aumenta num ritmo vertiginoso, ao contrário de diminuir”.

A carta se anuncia como a primeira de uma série que os padres continuarão publicando periodicamente para analisar a realidade do país “a partir do Evangelho e dos pobres”.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium