Campanha Não Fracking Brasil alerta para mais um leilão da ANP

Revista ihu on-line

Biomas brasileiros e a teia da vida

Edição: 500

Leia mais

Hospitalidade - Desafio e Paradoxo. Por uma cidadania ativa e universal

Edição: 499

Leia mais

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Mais Lidos

  • Richard Allen - 26 de março

    LER MAIS
  • O golpe de classe jurídico-parlamentar como farsa e tragédia.

    LER MAIS
  • Brasil lança campanha internacional pelo empoderamento das mulheres rurais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

12 Fevereiro 2016

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) mantém em seu portfólio a exploração e explotação de novos blocos para extração de petróleo e gás natural através do FRACKING, seja esta on-shore ou off-shore.

A reportagem foi publicada por Envolverde, 05-02-2016

Sem transparência, sem promover um amplo debate com os moradores das cidades impactadas pelo fraturamento hidráulico e de forma obscura e açodada, a ANP insiste em abrir as fronteiras do Brasil para a indústria do hidrocarboneto, ignorando os perigos e risco que esta tecnologia minerária provoca no meio ambiente, na economia e junto às comunidades – provoca câncer e terremotos – localizadas próximas aos poços de fracking.

“Vamos intensificar a campanha contra o fraturamento hidráulico, mobilizando todos os segmentos internos e organizações internacionais que apoiam a nossa luta para barrar a entrada do fracking no Brasil”, garantiu o coordenador da COESUS – Campanha Não Fracking Brasil – Eng. Dr. Juliano Bueno de Araujo, também fundador da Fundação Arayara e parceiroda 350.org Brasil na luta contra o fracking na América Latina.

De novo, falta transparência por parte do governo brasileiro. A ANP realiza as rodadas de licitações sem discutir com a sociedade. Em Dezembro de 2013 (12ª Rodada) e Outubro (13ª Rodada) e Dezembro (Acumulações Marginais) de 2015 foram ofertados lotes em 15 Estados, em regiões de grande performance agrícola, áreas de florestas na Amazônia Ocidental e, pior, sobre os principais aquíferos brasileiros.

“A rodada de 2013 pegou a todos de surpresa, feita de forma quase clandestina. Nos organizamos, conquistamos apoio internacional e na 13ª Rodada conseguimos mostrar ao governo brasileiro e aos empresários que não vamos admitir que aqui aconteça o que vemos em outros países: Fim das reservas de água, contaminação dos aquíferos, solo e ar, terremotos e doenças crônicas como câncer e má formação congênita”, disse Juliano.

O protesto da Campanha Não Fracking Brasil durante a 13ª Rodada de licitações ganhou repercussão na mídia nacional e internacional, mostrando ao mundo que os brasileiros não querem correr o risco de terfracking em nossa terra. Os integrantes da campanha protestaram também na Rodada de Licitações – Acumulações Marginais – realizada em 10 de Dezembro de 2015.

De acordo com Nicole Figueiredo de Oliveira, diretora da 350.org Brasile coordenadora da Campanha Não Fracking Brasil, mais uma vez o governo brasileiro vai na contramão da tendência mundial ao incentivar a indústria do hidrocarboneto em detrimento das energias renováveis.

Além dos impactos socioambientais, o fracking é responsável pela emissão de uma quantidade significativa de metano, gás que agrava as mudanças climáticas, que já vem provocando consequências catastróficas para a humanidade. “Um bom exemplo do que o futuro nos resguarda se seguirmos com esta linha de investimento e incentivos foi a violenta tempestade que varreu as ruas de Porto Alegre no último final da semana”, disse.

Durante a Conferência do Clima organizada pela ONU na França se reconheceu que estas mudanças estão sendo causadas por nossos modelos de desenvolvimento, e que precisamos tomar medidas urgentes para reverter as gravíssimas consequências que nos aguardam.

Enquanto representantes do Brasil participavam da COP 21 e assumiam o compromisso de reduzir as emissões em 43% até 2030, subscrevendo o Acordo de Paris, fazia-se um leilão de blocos residuais de petróleo e gás (inclusive de fraturamento hidráulico), caminhando na direção oposta às soluções sugeridas na mesma conferência.

Junto com as maiores nações do mundo, o Brasil fez coro à tese de que o desinvestimento em combustíveis fósseis é o único caminho para conter as mudanças climáticas. “Precisamos de coerência e coragem para investir e apoiar o crescimento das energias renováveis, e não seguir apostando em energias do século passado para diminuir as nossas emissões de CO². É uma questão de vida ou morte, e o fracking seguramente não é a saída”, alerta Nicole.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Campanha Não Fracking Brasil alerta para mais um leilão da ANP