“A religião e uma economia a serviço de 1%”

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Os 5 principais países, além dos EUA, que mais tecem críticas ao Papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Janeiro 2016

“Não denuncio a perversão moral dos mais ricos e seus colaboradores. Denuncio a perversão do sistema. E denuncio, portanto, todos que desejam que este sistema funcione melhor. Porque isso é o mesmo que desejar que se aumente a desigualdade, o sofrimento e a devastação” escreve José María Castillo, teólogo espanhol, em artigo publicado por Religión Digital, 19-01-2016. A tradução é de Evlyn Louise Zilch.

Eis o artigo.

Em 18 de janeiro, 2016, tornou-se conhecido em todo o mundo o relatório da Oxfam, que leva o titulo: “Uma economia a serviço de 1%”. Isto significa que a economia mundial está sendo gerida de maneira que se tornou o sistema econômico, político e jurídico mais violento e desonesto que a história já conheceu.

Nunca houve no mundo tantos tiranos, nem ditadores, dotados com um poder semelhante e de cuja conduta seguiram-se consequências tão mundialmente destrutivas e causadoras de tanta devastação, tanta humilhação, tanta desigualdade, tanto sofrimento e tanta morte. Nós não estamos falando sobre os campos de extermínio da Segunda Guerra Mundial. O que temos diante de todos, e aos olhos de todos, são as nações e continentes de extermínio, dos quais as 62 pessoas mais ricas do mundo (e seus mais próximos colaboradores) sabem que poderão seguir concentrando riqueza com base de que mais de 3 bilhões de seres humanos se vêem a cada ano mais limitados em suas possibilidades de seguir vivendo.

Com um agravante estremecedor. Não se trata somente de reduzir a população mundial pela metade. O que estamos vendo é que um genocídio, que ninguém poderia imaginar, está sendo levado adiante, aceitando inclusive que o planeta terra está irremediavelmente dilacerado e sem remédio para sempre.

Não denuncio a perversão moral dos mais ricos e seus colaboradores. Denuncio a perversão do sistema. E denuncio, portanto, todos que desejam que este sistema funcione melhor. Porque isso é o mesmo que desejar que se aumente a desigualdade, o sofrimento e a devastação.

Por outro lado – e isto é o mais importante que quero destacar aqui –, eu me pergunto se neste desastre as religiões têm responsabilidade. É claro que a têm. Por causa da responsabilidade que temos neste espantoso desastre, por sermos pessoas que nos consideramos cristãos. Por nosso silêncio ante as autoridades civis e autoridades religiosas. Porque, com frequência, “legitimamos” ao sistema colaborando com ele. Porque utilizamos a religião, com seus rituais e cerimônias para tranquilizar as nossas consciências. E se a tudo isto acrescentarmos a consciência de submissão e subordinação, que implica a experiência religiosa, entende-se que as hierarquias dominantes, em cada religião, veem-se legitimadas a viver na contradição de muitos líderes que, em muitos casos, vivem exatamente ao contrário do que representam e praticam.

A consequência, que se segue do que foi dito, torna-se cada dia mais preocupante. As religiões têm derivado de sistemas de poder que, na situação atual, se quiserem se manter tal como sobrevivem agora, não têm mais remédio a não ser viverem integradas na contradição canalha do sistema dominante. E isto continuará sendo assim, por mais que as religiões preguem o contrário ou publiquem documentos de protesto ou denúncia. Enquanto os crentes não entrarem em contradição com este sistema devastador, inevitavelmente nos faremos cúmplices de suas consequências de destruição e morte.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A religião e uma economia a serviço de 1%” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV