Papa Francisco aborda a “erosão” do catolicismo na Alemanha

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Alvim e Goebbels: Foi traçado um limite para o absurdo

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Novembro 2015

Numa reunião com os bispos alemães na sexta-feira (20 de nov.), o Papa Francisco advertiu sobre uma “erosão” da fé católica no país, destacando as tendências que mostram que a Igreja aí está perdendo membros a uma taxa crescente.

A reportagem é de Inés San Martín Crux, publicada por Crux, 20-11-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

“Os sacramentos são incentivados cada vez menos e de forma constante”, disse Francisco, acrescentando que menos pessoas estão indo ao confessionário, recebendo o sacramento da Confirmação ou se casando na igreja, além de que as vocações ao sacerdócio e à vida consagrada vêm diminuindo também.

“Vistos estes fatos, pode-se verdadeiramente falar de uma erosão da fé católica na país”, disse ele, dirigindo-se aos bispos alemães durante a visita ad limina, viagem que todos os bispos precisam fazer a cada cinco anos a Roma.

Segundo as suas próprias estatísticas, a Igreja Católica na Alemanha perdeu um número maior de fiéis em 2014 do que em qualquer outro ano de sua história recente: 218 mil pessoas, representando 39 mil deserções a mais do que o ano anterior.

Este número também excede o total de 2010, ano em que os escândalos em torno de abusos sexuais infantis chocaram o país.

Encarando este declínio, Francisco contou aos prelados alemães que o primeiro passo para reverter a situação é “superar a resignação paralisante” e evitar crer que “possam reconstruir a partir dos destroços dos ‘bons velhos tempos’”, convidando-os a uma “conversão pastoral”.

Francisco disse ser importante que a Igreja alemã combata a tendência em direção a uma crescente institucionalização.

“Nós sempre inauguramos novas instalações, das quais, no final, os fiéis estão ausentes”, disse ele, pedindo que não ponham a sua confiança nas estruturas administrativas.

Alguns críticos conservadores têm culpado a hierarquia alemã, relativamente progressista, por esta tendência decrescente.

Por exemplo, o escritor católico americano George Weigel recentemente acusou a Igreja alemã de ser “um desastre catequético e um fracasso pastoral”, dizendo que a única resposta dos bispos do país parecia ser “exortar os demais para que sigam o caminho que levou o catolicismo da Alemanha a uma profunda incoerência”.

Weigel referia-se à abordagem dos bispos à vida familiar, tais como as propostas para flexibilizar as regras para a Comunhão aos fiéis divorciados e recasados, assunto que mereceu um debate voraz no último Sínodo dos Bispos.

O papa, que não atribuiu culpa a ninguém em sua fala na sexta-feira, disse para os bispos usarem o Ano Santo da Misericórdia, a começar no dia 8 de dezembro, para convidar as pessoas ao sacramento da Confissão, chamando a iniciativa de “o início da transformação de cada cristão individual e da reforma da Igreja”.

Em meio ao que tem sido considerado como a pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, Francisco também pediu que os bispos “continuem a enfrentar o desafio deste grande número de pessoas necessitadas”, isto é, “as centenas de milhares de refugiados que vêm para a Europa ou que se colocaram em busca de refúgio da guerra e perseguição”.

“As igrejas cristãs e inúmeros cidadãos em vosso país estão dando uma quantidade grande de assistência na recepção destas pessoas, oferecendo-lhes apoio e fazendo-lhes se sentirem em casa”, disse o papa, acrescentando que o apoio a todas as iniciativas humanitárias que visam melhorar as condições de vida nos países de origem é, igualmente, importante.

O pontífice concluiu as suas observações dizendo que “a Igreja jamais deve se cansar de ser a defensora da vida e não deve dar um passo atrás no chamado a proteger, incondicionalmente, a vida humana, desde o momento da concepção até a sua morte natural”.

No começo do mês, o parlamento alemão aprovou um projeto de lei que autoriza o suicídio assistido se ele for conduzido com “motivos altruístas”, apesar da forte oposição dos bispos católicos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco aborda a “erosão” do catolicismo na Alemanha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV