A Igreja católica e as pessoas homossexuais. O teólogo alemão Goertz: “o que nos diz hoje a mensagem cristã”

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Setembro 2015

“Se uma pessoa é gay e procura o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?” Assim o Papa Francisco se pronunciou há dois anos durante a conferência de imprensa no voo de retorno de sua primeira viagem à América Latina. Nisto se inspira “Quem sou eu para julgá-lo?”, título de uma nova coletânea de ensaios sobre o tema “A homossexualidade e a Igreja católica”. Stephan Goertz, teólogo moral de Mainz, explica nesta entrevista a razão da publicação do volume completo de aproximadamente 400 páginas...

A entrevista é de Joachim Heinz, publicada por Katholisch e reproduzida por Gionata, 07-09-2015. A tradução é de Benno Dischinger. O título original da entrevista, em alemão, é: “Nicht den Stab über andere brechen” [Não quebrar o bastão sobre os outros].

Stephan Goertz é, desde 2010, professor de teologia moral junto à Universidade de Mainz. O seu último livro “‘Wer bin ich, ihn zu verurteilen?’ – Homosexualitât und katholische Kirche“ (Quem sou eu para julgá-lo? – A homossexualidade e a Igreja católica) é o terceiro volume da série” Catolicismo em transição” publicado pela casa editora Herder de Friburgo.

Eis a entrevista.

Sr. Goertz, por que tantas religiões têm dificuldade em compreender a homossexualidade?

As religiões como o hebraísmo, o islã e o cristianismo tiveram origem numa época na qual não se possuíam os conhecimentos científicos sobre a sexualidade humana de que dispomos hoje. O que naquele tempo valia sem discussão foi identificado com a ordem divina: a Terra era o centro do universo, os homens e as mulheres eram iguais, todos os homens desejavam as mulheres, todas as mulheres desejavam os homens. E isto condicionou a moral sexual.

Quais foram as consequências?

A reprodução foi considerada o primeiro objetivo natural que Deus deu à sexualidade. E o comportamento sexual não devia por em perigo a ordem social. Neste sentido, não eram toleráveis as relações sexuais entre homens ou entre mulheres.

No Seu livro Você trata em particular do tema “A homossexualidade e a Igreja católica”. Não existiriam na Igreja de hoje temas mais importantes e mais urgentes com os quais ocupar-se?

Seria precisamente necessário perguntar à Igreja por que ainda coloca problemas sobre a homossexualidade. Seria inadmissível se a teologia não desse um parecer seu. Em primeiro lugar, a sexualidade é algo que diz respeito a todas as pessoas. E, em segundo lugar, em muitas partes do mundo ainda precisamos enfrentar em nível político a discriminação, a perseguição, a marginalização dos homossexuais. Seria um importante testemunho cristão, se a Igreja católica se pronunciasse abertamente contra esta discriminação.

Já há mais tempo a Igreja sustenta que os homossexuais não devem ser discriminados. Mas depois também há situações, tanto na Bíblia como na história, em que se condena a homossexualidade... Na nossa interpretação devemos sempre ter em conta a situação histórica particular dos autores dos textos bíblicos.

No livro do Levítico resulta de maneira evidente que os atos sexuais entre pessoas do mesmo sexo são definidos como “atrocidade” e mesmo “puníveis com a morte”. Neste contexto a sexualidade devia satisfazer o escopo primário de garantir a sobrevivência da espécie.

Obviamente, esta não é mais a nossa situação e após o Concílio esta não é mais a nossa moral sexual. Portanto, para responder a uma questão moral contemporânea não se podem utilizar certas citações extrapolando-as do contexto. Caso contrário, se faria uso integralista dos textos bíblicos.

Uma objeção: Você não faz a mesma coisa, quando escolhe aqueles pontos que correspondem à Sua visão das coisas?

Eu faço referência a uma posição teológica baseada na Bíblia: que Deus prometeu absolutamente a todos o seu amor, que no povo de Deus se devem superar as diferenças naturais e sociais; que não devemos condenar os outros. Penso que isso seja teologicamente mais importante do que as regras sobre a “natureza” de cada ato sexual. O problema é que hoje quem queira falar de homossexualidade e da Igreja, sem andar em escandescência ou cólera, se envolve imediatamente no fogo cruzado dos blogs filiados à direita ou dos críticos de esquerda contra a Igreja...

Através de certos ambientes, tem-se a impressão que não se possa fazer brecha com certos argumentos. A tarefa da teologia é aquela de examinar os argumentos e de perguntar o que requer hoje de nós a mensagem cristã. Devemos discernir com cuidado e enfrenta as questões com franqueza e naturalidade. E depois, esperamos que tal teologia seja, consequentemente, tomada em consideração também pelos bispos. No outono, o Sínodo dos Bispos tratará do tema do matrimônio e da Família.

Em seu ponto de vista, o que podemos esperar sobre a relação com os homossexuais na Igreja? E o que seria desejável? 

É antes provável que será uma vez mais sublinhado que os homossexuais não devem ser discriminados e criminalizados e quem têm o seu lugar natural na Igreja. Em nível mundial isto é uma mensagem importante. Talvez, no final, se chegará também a deixar de condenar os atos homossexuais.

A meu ver, seria desejável que no interior da Igreja católica se procurasse um diálogo direto, ainda mais forte, com os homossexuais e não se discutisse por cima de suas cabeças, lançando juízos morais. Isto seria um sinal positivo. Poderia surgir a questão, que agora já está em fase de discussão em política: até que ponto se deve igualar o matrimônio de um casal gay ou lésbico. O que é diverso também pode ser definido “diverso”, mas merece receber atenção e respeito em igual medida.

Poder-se-ia perguntar se, do ponto de vista teológico, uma relação empenhada de amor homossexual, entendido como casa que crê no Deus de Israel e em Jesus, não possuiria um caráter sacramental. Os casais homossexuais poderiam, então, receber um reconhecimento da parte da Igreja.

Isso poderia ocorrer um dia, também com sinais exteriores, como a bênção dos casais homossexuais?

Embora eu não espere que isto constitua um tema do Sínodo, não vejo nenhum problema do ponto de vista teológico.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja católica e as pessoas homossexuais. O teólogo alemão Goertz: “o que nos diz hoje a mensagem cristã” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV