Nova invasão de madeireiros em Terra Indígena gera vítima no MA

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Outubro 2015

Um conflito entre os índios Ka’apor e madeireiros gerou uma vítima fatal nessa última quinta-feira, dia 25 de outubro, segundo relatos vindos da região.

A reportagem foi publicada por Greenpeace, 19-10-2015.

Alguns homens invadiram ilegalmente a terra indígena Alto Turiaçu, dos Ka’apor, quando encontraram um grupo de indígenas que fazem a vigilância autônoma e independente de seu território. Em meio ao conflito, um madeireiro conhecido como Raimundinho foi morto.

Há anos os Ka’apor vêm denunciando o roubo de madeira e a invasão de seu território, mas têm sido sistematicamente ignorados pelas autoridades. Recentemente, os conflitos se agravaram e os Ka’apor continuaram expondo a situação e as ameaças as quais estavam submetidos, com relatos de pistoleiros rondando a região e ameaçando as lideranças. No entanto, nada foi feito.

É responsabilidade do Estado garantir a integridade e a proteção das terras indígenas. Porém, a omissão e a incapacidade do governo federal em coibir as invasões feitas por não-índios e madeireiros acabam agravando os conflitos e perpetuando a violência na região.

Frente à invisibilidade que lhes é imposta pelo Estado, que não age para impedir as invasões e ameaças, desde 2013 os Ka’apor iniciaram o monitoramento autônomo e independente da TI Alto Turiaçu. No início de setembro, o Greenpeace esteve com os Ka’apor para apoiar esse monitoramento agregando o uso de tecnologia às atividades de proteção do seu território tradicional, ajudando a gerar provas e criando a oportunidade de que as autoridades pudessem dar um basta na violência instaurada pelos madeireiros na região. A superação definitiva da violência passa necessariamente pela demarcação e implementação efetiva das terras indígenas. O governo também precisa ordenar de uma vez por todas o sistema de controle de madeira, começando pela revisão de todos os Planos de Manejo Florestal aprovados na Amazônia desde 2006.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nova invasão de madeireiros em Terra Indígena gera vítima no MA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV