Alguns pensamentos sobre o discurso do papa ao Congresso dos EUA

Revista ihu on-line

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

1968, um ano múltiplo – Meio século de um tempo que desafiou diversas formas de poder

Edição: 521

Leia mais

Fake news – Ambiência digital e os novos modos de ser

Edição: 520

Leia mais

Mais Lidos

  • A greve dos caminhoneiros e o Brasil 100% renovável e sem combustíveis fósseis

    LER MAIS
  • A irresponsabilidade de análises abstratas e tentações autoritárias nos extremos do espectro político

    LER MAIS
  • A reinvenção política no Brasil contemporâneo à luz das experiências latino-americanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Setembro 2015

Segundo uma estimativa, houve cerca de 1,8 bilhão de cidadãos norte-americanos desde a fundação da República, em 1776. Escolher apenas quatro grandes de todos os tempos, assim, é bastante audacioso, mas isso não impediu que o Papa Francisco o fizesse nesta quinta-feira no seu discurso profundamente antecipado ao Congresso dos EUA.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada no sítio Crux, 24-09-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No discurso, Francisco levantou quatro norte-americanos a uma menção especial. Eles incluíram dois não católicos, Abraham Lincoln e Martin Luther King Jr., e dois católicos, Dorothy Day e Thomas Merton. Em cada caso, o pontífice notou que 2015 marca um aniversário – 150 anos desde o assassinato de Lincoln, por exemplo, e 100 anos desde o nascimento de Merton.

Vamos chamá-los de o "Quarteto Fantástico" do papa.

Nesse espírito, aqui estão quatro considerações rápidas sobre quem são esses quatro norte-americanos que Francisco escolheu. Vamos nos concentrar principalmente em Day e em Merton, já que Lincoln e M. L. K. são seleções razoavelmente naturais sobre os quais qualquer não americano provavelmente está consciente.

1. Pobreza e guerra

A ênfase em Day e em Merton confirma que, na galáxia das questões de interesse desse papa – mudanças climáticas, tráfico de seres humanos, imigração e crise dos refugiados na Europa, família e assim por diante –, a pobreza e a guerra têm um lugar de destaque.

Tanto Day quanto Merton foram figuras complexas que abraçaram uma grande variedade de preocupações, mas, no imaginário católico norte-americano, cada um está associado, sobretudo, a uma única causa determinante.

Para Day, era a dignidade dos pobres, expressada de forma mais famosa na fundação do Catholic Worker Movement [Movimento Operário Católico], junto com Peter Maurin. Para Merton, era a paz, com as suas cartas e diários que narravam a sua profunda preocupação com a violência, incluindo a Guerra do Vietnã e a proliferação de armas nucleares.

No seu discurso ao Congresso, Francisco identificou Day com a paixão pelos pobres e Merton, com o diálogo e a paz.

Ao destacar esses norte-americanos, Francisco estava chamando os Estados Unidos e, especialmente, os seus líderes eleitos, a redescobrirem os seus legados e a agir como eles. Além de qualquer outra coisa, isso implica um compromisso mais profundo com a defesa dos pobres e a promoção da paz.

2. Instintos políticos

As escolhas não mostram apenas que Francisco fez o seu tema de casa sobre os Estados Unidos, mas também refletem os seus experientes instintos políticos em ação.

No período que antecedeu a sua visita aos Estados Unidos, houve muita conversa sobre se Francisco é ou não, em certo sentido, "antiamericano", ou se a sua visão é incompatível com os valores norte-americanos.

O colunista George Will concluiu recentemente uma coluna detonando Francisco pelas suas posições econômicas e ambientais com a frase: "Os norte-americanos não podem, simultaneamente, honrá-lo e celebrar as premissas da sua nação".

É fácil entender de onde essas percepções vêm – a crítica ocasionalmente afiada do pontífice aos excessos do capitalismo, as suas afirmações ácidas contra o "consumismo extremo e seletivo", o fato de ele nunca ter posto os pés no país antes e a sua óbvia preferência pelas periferias do mundo sobre os seus supostos centros.

Nessa manhã, Francisco respondeu indiretamente à pergunta sobre se ele é antiamericano, dizendo, em essência: "Bem, se eu o sou, então estes quatro heróis norte-americanos também o são".

Na verdade, a crítica de Francisco ao capitalismo e ao consumismo podem parecer terrivelmente leves em comparação com a maior parte dos textos de Day sobre o assunto. Merton tinha a mesma paixão profunda pelas periferias como Francisco, expressada tanto na sua vida quanto na sua visão de mundo.

Poderíamos fazer pontos semelhantes sobre Lincoln e King, já que ambos compartilhavam a mesma vontade de desafiar práticas e atitudes norte-americanas entrincheiradas em nome das suas convicções morais.

A decisão de destacar essas figuras provavelmente deve ser tomada em conjunto com a repetida ênfase de Francisco de que ele vem como um companheiro "americano", no sentido do único continente chamado "América", e também da sua afirmação de que ele pode se conectar com a experiência desse país porque ele também é filho de imigrantes.

Em geral, existem duas formas para criticar qualquer coisa, quer se trate de um país, de uma Igreja ou de qualquer outra coisa. Uma forma de fazer isso é como alguém de fora, expressando hostilidade ou desdém; a outra é como alguém de dentro, incitando uma cultura ou uma instituição que se admira e se respeita a perceber a melhor versão de si mesma.

Francisco, nesta manhã, parecia estar tentando dizer que, na medida em que ele tem críticas para oferecer aos Estados Unidos, elas são do segundo tipo.

3. Outra santa?

O discurso desta manhã, provavelmente, foi uma boa notícia para a causa de canonização de Dorothy Day.

O falecido cardeal John O'Connor, de Nova York, abriu a causa no ano 2000 e recebeu o apoio unânime dos bispos dos EUA em 2012. O cardeal Timothy Dolan manifestou seu total apoio, e, recentemente, a Arquidiocese de Nova York contratou um "coordenador diocesano" para preparar os materiais que devem ser submetidos a Roma.

Atualmente, o movimento Catholic Worker está ajudando esse coordenador na tentativa de identificar testemunhas que conheceram Day, que morreu em 1980.

Embora não haja nenhuma indicação de que Francisco planeja apressar a causa, certamente não é exagero dizer que ele usou o primeiro discurso de todos os tempos de um papa ao Congresso dos EUA para lhe dar um incentivo.

Talvez Thomas Merton poderia ser o próximo?

4. Aprendendo sobre os EUA

Essas quatro escolham mostram um papa que está tentando aprender com os Estados Unidos, e não simplesmente pregar a ele.

Ao longo desta viagem, Francisco tentou exibir uma familiaridade com os padrões da cultura e do pensamento norte-americano. Até mesmo as referências geográficas do seu discurso aos bispos dos EUA na quarta-feira – "Das suas grandes metrópoles da costa oriental às planícies do meio-oeste, do sul profundo ao infindável oeste" – ressoaram com a forma como os próprios norte-americanos pensam sobre o formato da sua terra.

Da mesma forma, a sua citação de Edgar Lee Mestres no mesmo discurso foi uma forma de ir ao encontro. É óbvio, alguém provavelmente sinalizou essa citação para ele, mas o fato de que ele a manteve no discurso diz algo.

Francisco poderia ter dirigido o olhar do Congresso para grandes figuras da sua própria experiência cultural, como Simón Bolívar ou quaisquer outros papas. Ao contrário, ele escolheu norte-americanos, uma maneira de dizer que ele se dá conta de que não só tem algo a ensinar aos Estados Unidos, mas també mque ele e o resto do mundo também podem aprender com o país.

Se os membros do Congresso apreciaram tudo isso enquanto o papa estava falando ainda é uma incógnita. Baseados na experiência, no entanto, deve-se tornar cada vez mais claro que esse "Quarteto Fantástico" realmente diz muito sobre esse pontífice fraternalmente "norte-americano".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alguns pensamentos sobre o discurso do papa ao Congresso dos EUA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV