Papa Francisco arquiva o velho Keynes. Artigo de Flavio Felice

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • Reitor da Unisinos rejeita medalha oferecida pelo Itamaraty

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Julho 2015

Se a economia abrisse mão do ser humano, não estaríamos mais diante de uma ciência, mas sim da prática de um culto extravagante qualquer, cuja liturgia se manifestaria na solução de sofisticados exercícios matemáticos; e esse é o foco do "paradigma tecnocrático".

A opinião é do economista italiano Flavio Felice, professor da Pontifícia Universidade Lateranense, diretor da Área Internacional de Pesquisa “Caritas in Veritate” para o Estudo da Doutrina Social da Igreja e presidente do Centro de Estudos Tocqueville-Acton. O artigo foi publicado no jornal Avvenire, 23-07-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A encíclica do Papa Francisco Laudato si', como afirmado por Stefano Zamagni justamente nas colunas deste jornal, se coloca em continuidade com o magistério social e, ao mesmo tempo, representa um desafio muito interessante: repensar algumas categorias econômicas e políticas à luz do primado da pessoa e promover a implementação de uma economia de mercado dinâmica e inclusiva, contra a lógica predatória-extrativa da renda e do monopólio. Dada a vastidão do documento, vou me deter por referência a duas categorias: o ambiente como "bem comum" e o "paradigma tecnocrático".

A referência ao "clima" como "bem comum" (n. 23) parece ser extremamente interessante. Se por "bem público" se entende um bem que apresenta as características de não rivalidade e de não exclusividade, com o adjetivo "comum", identifica-se um particular regime proprietário (sociedade civil) para a sua alocação.

Desse modo, o Papa Francisco parece cruzar uma interpretação muito significativa na literatura das ciências sociais, que tenta superar a dicotomia "Estado-mercado", também no campo das políticas ambientais.

Considere-se, por exemplo, a teoria não convencional dos Commons, desenvolvida nas últimas décadas pelo prêmio Nobel de Economia Elinor Ostrom, dirigida à busca de uma solução alternativa para essa dicotomia para o governo dos recursos comuns, em realidades sociais complexas.

Trata-se de dar origem a instituições da sociedade civil próximas territorialmente aos problemas que esperam ser resolvidos. Tal abordagem também iria ao encontro da noção de "via institucional da caridade", apresentada por Bento XVI na Caritas in veritate, n. 7, e nos protegeria de uma ideia de "bem comum" que se resolve na pretensão monopolista da política e vê no "Estado" a cúpula sintética para a qual toda atividade humana deveria tender. Visão que se opõe à poliárquica do "bem comum", que, ao contrário, surge desde a Gaudium et spes e da Dignitatis humanae.

Em segundo lugar, a referência ao "paradigma tecnocrático" (n. 106 e ss.) é de grande interesse, porque nos diz que a economia, naturaliter, é para a pessoa, porque, no âmbito do que diz respeito aos assuntos sociais, não existe senão a pessoa. Só a pessoa age, só a pessoa pensa, sofre, espera, alegra-se, em última instância, só a pessoa escolhe.

Se a economia abrisse mão do ser humano, não estaríamos mais diante de uma ciência, mas sim da prática de um culto extravagante qualquer, cuja liturgia se manifestaria na solução de sofisticados exercícios matemáticos; e esse é o foco do "paradigma tecnocrático".

Os economistas se transformam em improváveis Dr. Frankenstein, que, em nome de poucas, aproximativas e supostas leis econômicas, pretendem dominar o mundo. Seria interessante comparar a crítica que o Papa Francisco move ao "paradigma tecnocrático" com a mesma crítica movida pelo economista alemão Wilhelm Röpke, quando estigmatizava os ensinamentos de Keynes e dos seus seguidores, que haviam levado a ignorar a realidade em contínuo movimento do mercado na sua pluralidade (preços, salários, juros etc.), substituindo-a por "uma espécie de engenharia econômica, cada vez mais adornada com equações matemáticas".

Ao lado disso, acredito que outro possível verbete do "paradigma tecnocrático" pode ser identificado no "consumismo". É justamente próprio do velho neoliberalismo keynesiano, intervencionista e dirigista, e que não tem nada a ver com a "economia livre" descrita por João Paulo II no parágrafo 42 da Centesimus annus, enfatizar o consumo como motor da economia.

Uma reflexão mais atenta nos ajudaria a redescobrir uma realidade extravagante: o motor do sistema é a poupança e as virtudes que isso implica; a poupança investida em projetos empresariais de alto valor agregado, que só o são se se cruzam com uma alta produtividade do trabalho.

Concluindo, uma análise que não seja meramente quantitativa do crescimento econômico, mas atenta ao autêntico desenvolvimento humano e integral, nos diz que, enquanto a poupança representa o motor das economias de mercado, a qualidade do consumo indica a direção que está tomando uma determinada economia; em última análise, se estamos levantando a cabeça ou se estamos tristemente nos suicidando.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco arquiva o velho Keynes. Artigo de Flavio Felice - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV