Professores de SP em greve se acorrentam à secretaria

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Junho 2015

Após quase três meses de greve, docentes permanecem na luta por direitos trabalhistas e dizem faltar diálogo por parte do governo Alckmin

A reportagem é de Felipe Campos Mello, publicada pela CartaCapital, 02-06-2015.

Os professores que se acorrentaram à secretaria de Educação de São Paulo dizem que falta diálogo por parte do governo Alckmin - Paulo Pinto/ Fotos Públicas

Em greve há 81 dias, professores da rede Estadual de Ensino Público de São Paulo se acorrentaram às grades da praça da República, onde fica a Secretaria de Educação do Estado, na manhã desta segunda-feira, 1 de junho. os docentes argumentam que tomaram a medida por não terem recebido respostas satisfatórias por parte do Governo do Estado de São Paulo. Entre as reivindicações estão reajustes salariais e o fim da superlotação das salas de aula.

Acorrentado desde as oito e meia da manhã, o professor de biologias e ciências da Escola Estadual Joaquim Leme do Prado, no bairro do Imirin, Vinícius Vasconcelos, 29, conversou com a CartaCapital no final da tarde de segunda-feira e reclamou do que classificou como uma intransigência do governo Geraldo Alckmin. “A nossa reivindicação é incorporar ao salário o aumento de 75,33% até 2020. E as 3.400 salas que foram fechadas? Quantos professores ficaram desempregados? Queremos a reabertura imediata das salas de aula fechadas.”

O diretor da Apeoesp, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, Fláudio Azevedo Lima, 53 anos, diz que há falta de diálogo por parte do Governo do Estado de São Paulo mesmo após quase três meses de greve. Segundo o diretor, que acompanhava os professores acorrentados, a principal reivindicação é o cumprimento da Meta 17, que prevê a definição do salário dos professores de escolas públicas paulistas de acordo com o Plano Nacional de Educação.

Geraldo Alckmin é um dos dois governadores tucanos em meio a grandes greves de professores. O paranaense Beto Richa também enfrenta uma longa paralisação dos docentes.


Professores da rede estadual de SP acorrentados à secretaria da Educação, na Praça da República, em São Paulo - Foto cartacapital.com.br

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Professores de SP em greve se acorrentam à secretaria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV