Professores de SP protocolam denúncia em escritório da ONU sobre condições de trabalho

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O risco que eu estou correndo é cada vez maior, e a responsabilidade vocês sabem de quem é”, denuncia padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • A nova encíclica de Francisco nascida do diálogo com o Islã e do Covid. Artigo de Alberto Melloni

    LER MAIS
  • Padre Julio Lancellotti recebe novas ameaças após ataques virtuais de deputado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Mai 2015

Carta foi levada nesta terça-feira, 5, por docentes ligados à Apeoesp; Documento também solicita apoio à greve da categoria na rede estadual de São Paulo.

A reportagem é de Paulo Saldaña, publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 05-05-2015.

Professores da rede estadual de São Paulo protocolaram nesta terça-feira, dia 5, denúncia à Organização das Nações Unidas (ONU) sobre as condições de trabalho da categoria. Uma carta foi levada nesta manhã ao escritório da ONU em São Paulo por representantes da Apeoesp, principal sindicato da categoria.

Na carta, os professores ainda solicitam apoio à greve dos professores. A paralisação na rede já dura mais de 50 dias. A categoria pede reajuste de 75% para equiparar os salários dos professores à média dos ganhos de profissionais com o mesma titulação. Até agora, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) não propôs nenhum índice de reajuste para o ano - mas se comprometeu a manter a política de valorização dos últimos quatro anos.

O documento foi entregue por professores ligados à subsede da Apeoesp de Taboão da Serra, na Grande São Paulo. "O objetivo é chamar a atenção para o abandono em que se encontra a educação no Estado de São Paulo", diz comunicado sobre a ação.

O sindicato cita "o abandono das escolas" do Estado e corte de verbas para compra de insumos básicos ocorrido no fim do ano passado. Também cita o alto índice de professores que adoecem por causa do trabalho e precisam se licenciar.

A carta é direcionada à secretaria geral da Onu, à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e à comissão de Direitos Humanos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Professores de SP protocolam denúncia em escritório da ONU sobre condições de trabalho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV