Boko Haram: “Semeiam a mentalidade do patriarcado”

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 11 Maio 2015

A ex-vice-presidenta sul-africana, Phumzile Mlambo-Ngcucka (foto), e atual diretora executiva da ONU Mulheres chamou a atenção para a ameaça que a organização extremista Boko Haram representa para as mulheres africanas. E pediu que os países apliquem as leis sobre violência de gênero.

 
Fonte: http://bit.ly/1cwFj9S  

A reportagem é publicada por Página/12, 08-05-2015. A tradução é de André Langer.

Apesar dos esforços das organizações humanitárias para acabar com a desigualdade entre homens e mulheres e a violência de gênero, há sociedades que menosprezam e atacam as mulheres de forma sistemática. “Existe uma grande quantidade de legislações que contemplam a violência doméstica, violações e assédio sexual, mas não são implementadas corretamente. Parece-me importante defender a aplicação destas leis e treinar os juízes, policiais e a população masculina em geral”, disse a nova diretora executiva da ONU Mulheres, a sul-africana Phumzile Mlambo-Ngcucka, que visitou Buenos Aires por ocasião da Conferência Internacional “As mulheres e a inclusão social: de Beijing ao Pós-2015”. Em conversa com o jornal Página/12, Mlambo-Ngcucka falou sobre a urgente necessidade das mulheres ganharem terreno no espectro da organização terrorista Boko Haram e sobre o legado do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela na forma de fazer política em seu país.

A ex-vice-presidenta sul-africana disse que antes de elaborar novas políticas de gênero, é necessário respeitar e implementar aquelas que os membros da ONU Mulheres já aprovaram. “Se as mulheres pudessem trabalhar e ter suas próprias rendas, ou seja, não precisassem depender unicamente dos homens, poderiam tomar melhores decisões. Em muitos países, as mulheres ainda trabalham desprotegidas e, além disso, desde muito pequenas são responsáveis por suas famílias e não recebem nenhuma proteção ou pensão por isso”, expressou. “Desse modo, as mulheres só ‘dão, dão e dão’, enquanto que os homens estão amparados pela legislação. Por isso, parece-nos necessário equilibrar a situação”, disse.

A diretora executiva da ONU Mulheres considerou “positiva” a realização de conferências internacionais, já que nelas se “compartilham as melhoras experiências”. Entre estas destacou a moratória previdenciária da Argentina, que ampliou a inclusão de quem não contribuiu. “Uma grande quantidade de pessoas são beneficiadas por pensões para as quais não contribuíram. É muito importante que os países sigam este tipo de exemplo, porque podem mudar a vida de muita gente”, afirmou a licenciada em Ciências Sociais e da Educação da Universidade de Lesoto.

Mlambo-Ngcucka explicou que há 20 anos apenas 11% do total dos Parlamentos do mundo eram compostos por mulheres, ao passo que atualmente essa porcentagem subiu para apenas 22%. “Neste ritmo vamos levar mais 50 anos para alcançar a igualdade de gênero nesse terreno”, lamentou a sul-africana. Ela destacou os esforços da ONU Mulheres para incentivar os governos a tomarem medidas especiais para que as mulheres aumentem a sua representação. “Essa tarefa também cabe aos partidos políticos, já que se eles apóiam a integração, será mais fácil que cheguem ao poder”, destacou.

No entanto, Mlambo-Ngcucka expressou que a violência de gênero é “a principal barreira para a independência da mulher e seu avanço na questão dos direitos e da participação política”, e ocorre tanto nos países pobres como nos países ricos.

A ex-vice-presidenta assinalou que a violência contra as mulheres, como aquela exercida pela organização jihadista Boko Haram, anda de mãos dadas com falhas no nível político e social em todo o mundo. “Há algo que está mal e temos que corrigi-lo. Evidentemente, isso não dá o direito a ninguém de matar pessoas, mas tanto os governos como as sociedades têm que se perguntar o que está acontecendo”, afirmou Mlambo-Ngcucka, que repudiou o tratamento e o lugar que o Boko Haram concede às mulheres. “Semeiam a ‘mentalidade do patriarcado’ em seus integrantes desde pequenos. Socializam-se vendo como os adultos faltam com o respeito para com a mulher, como é agredida e violada sem que ninguém reaja”, disse.

Não obstante, assinalou que a violência não se limita aos sequestros e violações. “Que as mulheres sejam consideradas como um botim de guerra é algo espantoso e repudiável. Mas a ‘mentalidade do patriarcado’ pode situar-se em diferentes níveis. Evidentemente, nada se compara à brutalidade de um golpe ou uma violação, mas há similitudes entre o que os terroristas fazem com as mulheres e aquele empresário que dirige uma companhia em Londres e explora os seus trabalhadores”, disse Mlambo-Ngcucka, que disse que cada estereótipo e hábito que vai contra os direitos da mulher deve ser erradicado “porque aquilo que se aprende em casa se reproduz no dia a dia”.

A licenciada também disse que para combater o Boko Haram, a Nigéria precisa do compromisso dos países vizinhos. “É por isso que a ONU apóia e ajuda os governos do oeste africano para que colaborem com Abuya na implementação de uma força multinacional. Estamos começando a ver os primeiros resultados, como as 200 meninas resgatadas nos últimos dias, apesar de que ainda restem mais 2.000 pessoas desaparecidas”, disse.

Por outro lado, a chefa da ONU Mulheres considerou que ainda falta muito a se fazer para colocar em prática o legado de Mandela. “Algumas coisas que são feitas no meu país definitivamente fariam com que Nelson balançasse a sua cabeça em sinal de discordância, mas também creio que há muitas outras que são feitas com as quais estaria muito orgulhoso”, refletiu. Mlambo-Ngcucka recordou que o ex-presidente sul-africano “era um apaixonado pela educação” e que durante o período em que ela foi vice-presidenta foram realizados grandes esforços para “apoiar as crianças que passam pelas escolas”.

A diretora executiva da ONU Mulheres também evocou que Mandela foi um presidente muito comprometido com o avanço da mulher na política e contra a violência de gênero. “De fato, ele costumava dizer que quando os homens não davam a palavra às mulheres, estavam conspirando contra elas. Por isso, interessa-nos mobilizar os homens para que ampliem a participação das mulheres, mas de qualquer modo não é suficiente. Parece-me que hoje não se continua ao pé da letra o legado de Nelson, mas trabalhar naquelas coisas que importavam a ele me parece uma boa maneira de render-lhe tributo”, disse.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Boko Haram: “Semeiam a mentalidade do patriarcado” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV