“Não estou à venda”: quando a vida de uma criança custa 30 euros

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Caroline | 26 Junho 2014

Como se pode viver após ter sido vendido por seus pais como escravo por apenas 30 euros? Como convencer a uma sociedade de que as crianças não são mercadoria? Como frear esta espiral destrutiva, que traz o pior do ser humano? Estas são algumas das perguntas que surgem após a exibição de “Não estou à venda. Tráfico de seres humanos na África Ocidental”, o documentário que esta tarde foi apresentado pelas Missões Salesianas na CaixaForum de Madrid.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 24-06-2014. A tradução é do Cepat.

Fonte: http://goo.gl/w0pN8N

Um documentário que traz, ao longo de 15 emocionantes minutos, as histórias de Rachidi e Jules, duas crianças do Benin que foram vendidas como escravas, e que foram exploradas e maltratadas. E também a sua reabilitação através do trabalho inestimável de homens e mulheres como o Salesiano Juan José Gómez, e toda a equipe das Missões Salesianas.

Ana Muñoz, das Missões Salesianas, falou do trabalho desta ONG pelos mais desfavorecidos, presente em 133 países. “Não estou à venda”, também é o lema da campanha, que denuncia que no mundo mais de 20 milhões de pessoas são tratadas como mercadorias, traficadas contra sua vontade. Sem contar as que, entre elas, lamentavelmente, são obrigadas a se casar, prostituir ou são sequestradas para venda de seus órgãos.

“O tráfico de pessoas é a escravidão do século XXI”, denunciou a responsável da ONG. A venda de pessoas “é infelizmente algo normal em alguns países”. São mais de um milhão de crianças vendidas, mais de 07 milhões de menores explorados, mais de 300 mil recrutados para morrer e matar nas guerras. Crianças que, como no caso de Rachidi, são vendidas por 30 euros.

Após a projeção, houve uma mesa redonda, na qual participaram Jesús Díez Alcalde, tenente coronel e analista do Instituto Espanhol de Estudos Estratégicos; Nicolás Castellano, jornalista especialista em imigração; e o salesiano Juan José Gómez, missionário e diretor do Centro Dom Bosco Portonovo, em Benin.

Díez Alcalde começou sua intervenção ressaltando a importância da educação para evitar desastres como o tráfico de escravos em Benin, assim como em todo o mundo. “Nem tudo na África é negativo. É um grande continente, onde vive mais de um bilhão de pessoas”, assinalou o tenente coronel, que se perguntou se “o que estamos fazendo é suficiente” para combater este flagelo.

“O potencial da África é brutal. É o continente mais rico do mundo, o que tem a maior capacidade para crescer”, destacou o militar, que não obstante também contemplou com pesar a maneira como a sociedade civil e governamental não funcionam em alguns destes países, como Mali ou a República Centro-Africano. Assim como em relação ao surgimento de grupos jihadistas, que “não são uma novidade. Já ocorre há muito tempo. Seria conveniente nos perguntarmos para onde nós estávamos olhando”.

Díez Alcalde encerrou denunciando como, no último ano, um milhão de pessoas tiveram que abandonar suas casas na África Central. “É como se nos últimos meses as pessoas tivessem que abandonar Bilbao ou Sevilla”. O que estamos fazendo na União Europeia?

De sua parte, Nicolás Castellano apontou que “a Espanha é o principal ponto de entrada das vítimas de sequestros de pessoas que vem da África e da América Latina”. O jornalista traçou o perfil das pessoas – homens, mulheres e crianças – que são vendidas, e a relevância econômica do tráfico de seres humanos: 32 bilhões de euros em todo o mundo, estando assim no nível do tráfico de drogas.

Hoje, conhecemos o sequestro de mais de 200 meninas na Nigéria, mas "Boko Haram está sequestrando e matando pessoas há mais de dez anos”, destacou o jornalista, que denunciou a dupla moral de fazer coberturas quando "celebridades" estão envolvidas, e não nos momentos nos quais ocorrem os maus tratos em aeroportos ou nos Centros de Internamentos de Estrangeiros. “Não estamos fazendo o suficiente”.

Mesmo que desde 2009 a Espanha conte com a legislação para proteger mulheres que fogem de tráfico, em todo esta período – de cinco anos! – somente foram beneficiadas e acolhidas duas pessoas. Isso sem contar aos filhos das mulheres vendidas e exploradas.

Finalmente, Juanjo Gómez apresentou respostas a várias perguntas. A primeira: o que é tráfico infantil? “Todo acordo que tenha por objetivo a alienação a título gratuito ou onerosos de uma criança”. Isso é o que diz a lei de Benin, o mesmo país, bonito e de valete, que sofre com este flagelo. “Cerca de 600 mil crianças estão sendo traficadas em Benin”, denunciou o missionário.

Os governos ocidentais são, de acordo com o missionário, em boa medida, os que fazem com que esta mentalidade continue. “Nas fronteiras não se controlam nem as pessoas nem as mercadorias: com 500 francos pode-se ultrapassar a fronteira sem carteira de identidade”.

“O Estado faz o que pode. Que respostas dão as ONGS?”, perguntou-se. “Nós estamos na questão da prevenção e da formação”, indicou, destacando o papel das religiões. “Não fazemos proselitismo, favorecemos a relação com Deus. Em nossos centros há pessoas de todas as religiões”.

Que efeitos são produzidos pelo tráfico infantil? Declínio da população, educação, diminuição do nível... “Estamos cortando e anulando o nível de um país, porque estamos os impedindo de serem crianças”, acrescentou Juanjo Gómez.

“A solução está aí, com as famílias, e trabalhando com a sociedade, porque o que faz falta é uma mudança de mentalidade”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não estou à venda”: quando a vida de uma criança custa 30 euros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV