Novo bispo chileno não pôde presidir primeira missa na catedral

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência”

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 24 Março 2015

O novo bispo da cidade chilena de Osorno, Juan Barros, que assumiu no sábado, 21 de março, em meio a protestos e uma grande polêmica por um suposto acobertamento de abusos sexuais cometidos por outro padre, não participou, no domingo, da sua primeira missa dominical na Catedral São Mateus.

A reportagem é do sítio espanhol Religión Digital, 23-03-2015. A tradução é de André Langer.

De acordo com o portal SoyTemuco, cerca de 40 pessoas participaram neste domingo da eucaristia das 10h (horário local), missa que, ao final, foi presidida pelo Pe. Maurício Bello.

Barros suportou, no sábado, durante toda a acidentada eucaristia, os protestos de centenas de pessoas que tomaram conta do pátio da Catedral São Mateus de Osorno e de outros tantos que conseguiram entrar no templo onde lhe gritaram a todo momento “pedófilo” e “fora”.

Ao término da cerimônia, Barros teve que “fugir” por uma porta lateral da igreja, protegida por guardas privados e outros padres que o acompanharam durante a missa para evitar seus detratores que, do lado de fora, o aguardavam com centenas de balões e lenços pretos.

Barros é um dos quatro integrantes do Episcopado que foram formados pelo Fernando Karadima, um padre que foi punido em 2011 pelo Vaticano por cometer abusos sexuais e condenado a uma vida de oração e penitência e com a proibição perpétua do exercício público de qualquer ato do ministério.

O padre emitiu um comunicado, em 16 de março, no qual assegurou que “jamais” soube dos abusos protagonizados por Karadima, ex-pároco da igreja El Bosque, em Santiago, onde ocorreram os fatos.

No entanto, Juan Carlos Cruz, uma das vítimas e denunciantes de Karadima, assegurou aos jornalistas que os abusos foram presenciados por Barros e lamentou “que o Papa Francisco, mesmo com todos estes antecedentes, permitisse a nomeação de Barros”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo bispo chileno não pôde presidir primeira missa na catedral - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV