Desrespeitados e impactos por Belo Monte, moradores ocupam loteamento Jatobá, em Altamira

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • A democracia representativa está esgotada. Entrevista com Jean Ziegler

    LER MAIS
  • O pessoal é digital. Artigo de Slavoj Žižek

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Março 2015

Moradores das zonas rurais e urbanas de Altamira e região, impactados pelas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, desrespeitados e criminalizados pela Norte Energia e pelo Governo Federal de Dilma e companhia, ocuparam no início da manhã desta quarta-feira, 11, o “Loteamento Jatobá”, local onde já foram assentadas algumas famílias que tiveram suas casas e lotes atingidos por Belo Monte.

A nota foi publicada pelo Comitê Xingu Vivo para Sempre, 11-03-2015.

Centenas de famílias começaram a se juntar desde cedo, partindo em direção ao referido loteamento. Neste local também está localizado um dos escritórios da empresa Norte Energia (NESA). Vinculado ao Jatobá existe outro loteamento, implantado as pressas pela NESA quando esta verificou que a quantidade de famílias atingidas era muito maior do que a empresa previu. As obras deste novo assentamento encontram-se ainda em estágio inicial.

Este é apenas mais um dos resultados da falta de planejamento e descompromisso com os cidadãos da região do Xingu e da Amazônia, historicamente impactados por grandes projetos como o de Belo Monte. O pior é que os planos neodesenvolvimentistas do Governo Dilma apontam para a construção de dezenas de grandes usinas hidrelétricas nos rios da Amazônia brasileira.

É bom lembrar que recentemente vazaram informações atribuídas ao diretor-presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, preso durante a operação Lava-Jato, que para poder fechar o contrato de R$5,1 bilhão para a construção de parte da usina de Belo Monte, esta empreiteira pagou 1% do valor da obra para PT e PMBD, o que resultou em “meros” R$51 milhões para o time de Michel Temer e Renan Calheiros e mais 51 milhões para o partido da presidente Dilma Rousseff, ou seja, para ricos e corruptos, o milhão, para o povo, só dor e opressão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desrespeitados e impactos por Belo Monte, moradores ocupam loteamento Jatobá, em Altamira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV