'Você preferia ficar sem luz?', diz Dilma sobre impacto de Belo Monte

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: "Mulheres exploradas e violentadas, peço-lhes perdão"

    LER MAIS
  • Como as redes sociais mudaram a forma de lidar com o luto e a morte

    LER MAIS
  • Igreja inicia o caminho para conduzir Rutilio Grande ao altar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 06 Agosto 2014

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, exaltou nesta terça-feira o potencial hidrelétrico do país e fez uma defesa enfática da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, onde esteve durante esta manhã para registrar imagens que serão usadas para o programa eleitoral na TV a partir do próximo dia 19. A presidente também destacou a necessidade de integrar os diferentes modais de infraestrutura do país.

A reportagem é de Bruno Peres e publicada pelo jornal Valor, 05-08-2014.

“Achamos que a grande vantagem do Brasil é possuir ainda potencial hidrelétrico”, disse a presidente. “Nós ainda temos um volume expressivo de energia que podemos produzir com o nosso potencial hidrelétrico”, completou a presidente depois de visitar o canteiro de obras do empreendimento em Altamira (PA).

Ao chegar ao canteiro para falar com a imprensa, Dilma foi provocada sobre o impacto do empreendimento e as compensações ambientais. “Você preferia ficar sem luz? Pagar bastante caro pela tarifa de energia também, né?”, disse a presidente em tom irônico, enfatizando que estava respondendo uma provocação.

Posteriormente, ao comentar a visita que fizera pela região, a presidente afirmou ser importante “levar em consideração” que “as grandes construtoras e empresas de engenharia do país” se uniram para a construção da usina, que, conforme fez questão de destacar, conta com R$ 7 bilhões em mitigações socioambientais.

“Estamos aqui em uma obra muito importante para o Brasil. Aqui, vamos produzir 11,2 mil MW e vamos garantir energia para 18 milhões de brasileiros”, disse a presidente.

“Aqui tem um centro ambiental, que eu acho que é um exemplo para o Brasil, em que não só as espécies são preservadas e estudadas”, completou, Dilma, apontando também “uma grande economia” na emissão de gases de efeito estufa na região, com a redução do uso de combustíveis fósseis para geração de energia térmica.

Veja também: