Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

A retórica do desenvolvimento e o fantasma do apagão num emaranhado jogo de disputa política. Entrevista especial com Célio Bermann

“Essa visão de energia como uma mercadoria prevalece no governo petista, o que é um contrassenso que desqualifica qualquer tentativa, pelo menos deste governo, de que a questão energética tenha como prioridade ser um elemento fundamental para melhorar a qualidade de vida da população brasileira”, adverte o professor do Instituto de Energia e Ambiente da USP. 

 Foto: guaranoticias.com.br

O governo brasileiro “age como bombeiro para apagar o fogo que ele próprio provocou, claro, tendo também as empresas públicas e privadas na coautoria desse incêndio em que se transformou o setor elétrico no Brasil”. A observação é de Célio Bermann, professor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo, que há anos acompanha a situação do setor elétrico no país. Crítico da MP 579, que tratou da renovação das concessões do setor elétrico em 2012, Bermann destaca que as discussões acerca da energia no Brasil foram substituídas por um “jogo político”, que envolve partidos, empreiteiras e empresas do setor elétrico. “A energia elétrica é tratada como uma mercadoria, e como tal, está sujeita a essa manipulação dos vários atores que intermedeiam a comercialização da energia. Então, a energia que poderia ser vendida e repassada a um valor da ordem média de 120 reais a cada mil quilowatts/hora ou 120 reais por megawatts/hora, chegou, neste ano, a 500 reais por megawatts/hora”, exemplifica.

Segundo ele, as distribuidoras estão comprando energia a um preço “abusivo” e “artificialmente elevado”, e como “não podem ou não puderam repassar para as tarifas esse aumento”, recorrem ao governo para cobrir os gastos com a compra de energia. “O prazo do pagamento para honrar o compromisso na aquisição de energia em junho venceu agora, e novamente as distribuidoras alegaram impossibilidade de fazer o pagamento. Mais uma vez, o governo articula um segundo empréstimo que está sendo discutido no valor de 6,5 bilhões de reais. Então, a conta hoje é de 17,7 bilhões, quase chegando a 18 bilhões”, frisa. Esse valor, informa, “como o próprio governo e a Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL já afirmaram, vai ser repassado para as tarifas ao menos nos anos de 2015 e 2016. Eles alegam que esse repasse não vai significar mais do que 8% no aumento das tarifas, mas precisamos lembrar que neste ano de 2014, durante o vencimento dos contratos, houve aumentos nas tarifas de várias concessionárias de distribuição, os quais variaram entre 15 e 25%. Então, nós estamos hoje pagando uma energia mais cara e que vai ficar ainda mais cara”. E rebate: “O governo fala em 8%, mas tenho acompanhado alguns estudos que mostram que esse acréscimo deve ser entre 10 e 16%, e isso tudo indo para o bolso do pobre consumidor de energia elétrica do nosso país”.

Na entrevista a seguir, concedida à IHU On-Line por telefone, Bermann também comenta a “sombra do apagão” veiculada com frequência na mídia, a qual tem “outro objetivo”: a disputa política. Ele lembra que “o mote da insegurança ou instabilidade do fornecimento de energia elétrica” durante o governo Fernando Henrique Cardoso, “muito bem apropriado, à época, pelo Partido dos Trabalhadores - PT e pelo candidato Lula”, é utilizado hoje pela “chamada oposição”, indicando “a incapacidade do governo Dilma para fazer frente ao suprimento de energia elétrica”. E acrescenta: “Tem esse jogo político em relação à questão do apagão, e também por parte do governo e das empresas que lucram com a construção de usinas — particularmente hidrelétricas. O fantasma do apagão sempre é lembrado para convencer tanto a população local como a opinião pública em geral da necessidade de construir usinas absolutamente incapazes de fornecer a energia elétrica para o interesse público e social”.

Apesar de a discussão energética, especificamente no que se refere ao setor elétrico, ser equivocada, o professor enfatiza que as hidrelétricas “estão sendo construídas — todas, sem exceção — não para evitar um apagão, como diz a retórica das empresas, a retórica do governo, nem tampouco para satisfazer uma demanda crescente em função da melhoria do nível de renda da população brasileira, com a ascensão da ‘camada C’, que agora pode comprar eletrodomésticos, pode comprar toda a linha branca. Não é essa demanda que as várias usinas que estão sendo construídas procuram atender. A demanda — e esse é um problema que eu chamo atenção há vários anos — basicamente vem dos setores industriais eletrointensivos, que apontam nos vários planos do Ministério de Minas e Energia, como o Plano Decenal de Energia, que vão duplicar a produção de aço, aumentar em 70% a produção de alumínio, duplicar a produção de celulose, a produção de ferroligas e todos esses setores que consomem muita energia elétrica, que vendem os seus produtos no mercado internacional com baixo valor agregado e que não traduzem o que se pode esperar de um programa de governo”.

Célio Bermann (foto abaixo) é graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo, mestre em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e doutor em Planejamento de Sistemas Energéticos pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. É professor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo.

Também é autor de diversas publicações, entre as quais citamos Energia no Brasil: Para quê? Para quem? – Crise e alternativas para um país sustentável (São Paulo: Ed. Livraria da Física/FASE, 2002); e As novas energias no Brasil: Dilemas da inclusão social e programas de Governo (Rio de Janeiro: FASE, 2007).

Confira a entrevista.

 Foto: www.iea.usp.br

IHU On-Line – Qual a atual situação do setor elétrico e qual tem sido o impacto da MP 579 sobre o setor?

Célio Bermann – O setor elétrico está enfrentando uma situação grave, porque aproximadamente 18 bilhões de reais estão sendo destinados para o chamado “equilíbrio econômico financeiro” das distribuidoras, e esse valor vai cair no bolso de todos os consumidores. O que o setor está vivendo agora é consequência de uma sucessão de erros não só do atual governo, mas de governos anteriores em relação ao gerenciamento das fontes e usos finais de energia. Eu diria que a situação se tornou mais aguda a partir da emissão da MP 579 — o que inclusive foi assunto de uma entrevista que concedi à IHU On-Line há dois anos —, quando, de forma intempestiva, a presidente Dilma resolveu antecipar a finalização dos contratos de concessão e promover uma redução artificial da tarifa. À época eu já havia chamado a atenção para o fato de quem iria pagar a conta dessa redução artificial da tarifa de energia elétrica — a qual foi saudada por todos, que ficaram contentes, alegres e felizes de ter uma redução na sua conta de eletricidade, mas que transformou essa boa intenção em um terreno de disputa política.

Por que eu digo isso? Porque três estados não aderiram ao chamado que o Executivo fez para que as empresas públicas entrassem também nesse novo modelo de proporcionar um custo da energia gerada que poderia ser repassada para o consumidor a um preço reduzido. Os estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná não aceitaram essa proposta. Não por acaso, são três governos sob a condução do PSDB. O resultado dessa não adesão pode ser entendido de diversas formas, mas ele representou uma retirada da energia que poderia ser acrescida nos leilões feitos desde 2012 e que não tiveram a participação das empresas públicas CEMIG, COPEL CESP. Assim, ao reduzir a oferta, as empresas definiram uma situação de incapacidade que o país apresentava em ofertar um montante de energia para atender a demanda que é comercializada através de contratos de longo prazo em leilões.

A isso se acrescenta o problema hidrológico que ficou evidenciado já no começo do ano passado e no começo deste ano, quando a capacidade de geração de energia elétrica a partir da água se reduziu de uma forma bastante importante, fazendo com que, para garantir a segurança energética da população e das atividades econômicas, o governo acabasse optando pela compra de energia através das usinas termoelétricas, cujo custo de geração é maior. Essa situação acabou gerando um espaço de manipulação em que os valores das tarifas subiram a preços absolutamente exorbitantes, fruto da especulação que começou a se fazer, porque afinal de contas a energia elétrica é tratada como uma mercadoria, e como tal, está sujeita a essa manipulação dos vários atores que intermedeiam a comercialização da energia.

Então, a energia que poderia ser vendida e repassada a um valor da ordem média de 120 reais por mil quilowatts/hora ou 120 reais por megawatts/hora, chegou neste ano a 500 reais por megawatts/hora. Como não havia energia suficiente para garantir os contratos de disponibilidade de energia para todos os seus consumidores, as distribuidoras tiveram de comprar energia a esse preço abusivo, artificialmente levado para cima das usinas termoelétricas. E como não podem ou não puderam repassar esse aumento para as tarifas, recorreram, em abril deste ano, ao governo, para que ele levantasse recursos necessários a fim de cobrir os gastos incorridos com a compra dessa energia para suprir a demanda que já estava contratada. Então, o governo conseguiu, em abril, articular com vários bancos privados, com a participação da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, um montante de 11,2 bilhões de reais a título de empréstimo para que as distribuidoras honrassem com os compromissos que elas tiveram na compra da energia mais cara.

"Avisou-se do risco incorrido com o açodamento com que a medida provisória foi imposta ao chamado setor elétrico"

O prazo do pagamento para honrar o compromisso na aquisição de energia em junho venceu agora, e novamente as distribuidoras alegaram impossibilidade de fazer o pagamento. Mais uma vez, o governo articula um segundo empréstimo que está sendo discutido no valor de 6,5 bilhões de reais.

Então, a conta hoje é de 17,7 bilhões, quase chegando a 18 bilhões, que como o próprio governo e a Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL já afirmaram, vai ser repassado para as tarifas ao menos nos anos de 2015 e 2016. Eles alegam que esse repasse não vai significar mais do que 8% no aumento das tarifas, mas precisamos lembrar que neste ano de 2014, durante o vencimento dos contratos, houve aumentos nas tarifas de várias concessionárias de distribuição, os quais variaram entre 15 e 25%.

Então, nós estamos hoje pagando uma energia mais cara e que vai ficar ainda mais cara. O governo fala em 8%, mas tenho acompanhado alguns estudos que mostram que esse acréscimo deve ser entre 10 e 16%, e isso tudo indo para o bolso do pobre consumidor de energia elétrica do nosso país — o consumidor residencial, as indústrias, o comércio, etc.

IHU On-Line - Especula-se que para evitar um apagão e garantir a reeleição, o governo cedeu valores extorsivos do lobby termoelétrico. O senhor tem conhecimento sobre isso?

Célio Bermann – A questão da sombra do apagão tem sido veiculada com frequência, mas com outro objetivo. A crise de indisponibilidade de energia elétrica, que fez todos os consumidores do país reduzirem 20% o consumo e foi chamada de apagão, em 2001, marcou politicamente a segunda gestão do governo Fernando Henrique Cardoso – FHC.

Nesse sentido, o mote da insegurança ou instabilidade do fornecimento de energia elétrica foi muito bem apropriado, à época, pelo Partido dos Trabalhadores - PT e pelo candidato Lula — não digo que esse foi o fator que levou à vitória de Lula nas eleições, mas contribuiu muito. Tanto é que hoje a chamada oposição, de forma frequente, indica a incapacidade do governo Dilma para fazer frente à necessidade de assegurar o suprimento de energia elétrica.

Então, tem esse jogo político em relação à questão do apagão, e também por parte do governo e das empresas que lucram com a construção de usinas — particularmente hidrelétricas. O fantasma do apagão sempre é lembrado para convencer tanto a população local como a opinião pública em geral da necessidade de construir usinas absolutamente incapazes de fornecer a energia elétrica para o interesse público e social. Elas estão sendo construídas — todas, sem exceção — não para evitar um apagão, como diz a retórica das empresas, a retórica do governo, nem tampouco para satisfazer uma demanda crescente em função da melhoria do nível de renda da população brasileira, com a ascensão da “camada C”, que agora pode comprar eletrodomésticos, pode comprar toda a “linha branca”. Não é essa demanda que as várias usinas que estão sendo construídas procuram atender.

A demanda — e esse é um problema que eu chamo atenção há vários anos — basicamente vem dos setores industriais eletrointensivos, que apontam nos vários planos do Ministério de Minas e Energia, como o Plano Decenal de Energia, que vão duplicar a produção de aço, aumentar em 70% a produção de alumínio, duplicar a produção de celulose, a produção de ferroligas e todos esses setores que consomem muita energia elétrica, que vendem os seus produtos no mercado internacional com baixo valor agregado e que não traduzem o que se pode esperar de um programa de governo.

Essas não são características do atual governo, pois isso já vem acontecendo desde a época da ditadura militar, o que evidencia apenas uma submissão do necessário programa nacional de desenvolvimento aos interesses das grandes corporações internacionais, que definiram países como o Brasil como sendo países em que recursos naturais — como minérios e água — são as vantagens para que essa produção voltada para o mercado internacional se dê com maior ênfase. 

Não há por parte do atual governo, nem de governos anteriores, uma séria intenção — e eu não quero aqui dizer que nós vamos fechar as fábricas desses setores, mas, por favor, por que aumentar a demanda? E essa demanda só vai ser satisfeita através de grandes blocos de energia. Não adianta querer construir usinas eólicas, de biomassa, ou solares — que é o que os meus amigos ambientalistas supõem como alternativa para modificar a oferta de energia elétrica no nosso país —, se não modificarmos e alterarmos essa demanda. As empresas necessitam de grandes blocos de energia, e esses grandes blocos de energia saem das expropriações de terras e da definição de uma situação que beira, no meu entender, quase a um genocídio das populações tradicionais da região amazônica e, particularmente, das populações indígenas. Então, é este o custo, inclusive social e ambiental, para poder satisfazer essa demanda.

"O fantasma do apagão sempre é lembrado para convencer tanto a população local como a opinião pública em geral da necessidade de construir usinas absolutamente incapazes de fornecer a energia elétrica"

O grande problema é que a energia elétrica tem uma particularidade: não se consegue identificar, quando a energia elétrica é gerada, no ponto em que ela foi gerada, para onde ela está indo, ou seja, qual é o destino dessa energia do ponto de vista físico. Então, eventualmente, num sistema interligado como o sistema brasileiro, uma pessoa no Rio Grande do Sul pode estar consumindo energia elétrica que vem de Angra II, do Rio de Janeiro, ou, levando em consideração o fato de que pelo menos parcialmente o sistema Norte vem sendo gradativamente interligado ao resto do sistema brasileiro, a corrente elétrica percorre os territórios.

Nesse sentido, existe uma dificuldade física de demonstrar isso que estou afirmando, mas os dados de balanço e oferta de energia correspondem a essa situação em que há, definitivamente, uma prioridade, um privilégio em satisfazer a demanda dessa natureza, utilizando como artifício, como retórica, que essa energia está sendo produzida para o desenvolvimento do país, para o crescimento econômico e para a satisfação das necessidades das camadas da população que hoje, em função do discutível cenário de aumento de renda, têm equipamentos eletrodomésticos que demandam energia elétrica.

Essa discussão está se dando em um cenário que leva, via de regra, um cidadão comum e a opinião pública em geral a situações de fragilização, porque ninguém em sã consciência quer ficar sem energia elétrica.

IHU On-Line - Que relação o senhor estabelece entre o fato de esses três estados serem governados pelo PSDB e não terem aceitado a renovação das concessões do setor elétrico?

Célio Bermann – A não participação dessas empresas nos leilões que se sucederam ultimamente tem sido objeto de identificação e, eventualmente, de judicialização desse tipo de procedimento. Suspeita-se que as três empresas agiram na forma de cartel, que algumas delas, como têm geração e distribuição ainda dentro das suas atividades, se beneficiaram economicamente com o aumento das tarifas no mercado livre, ocasionado não apenas por causa das chuvas, mas também pela sua não participação nos leilões de oferta de energia e, via de regra, cada uma delas alegava que não havia energia disponível.

Esses são fatos que precisam ser investigados, porque acabaram trazendo mais vigor ao problema econômico financeiro que hoje as distribuidoras de uma forma geral estão vivendo e, por consequência, os consumidores de energia elétrica no país. Mas essa, por enquanto, é uma situação de suspeitas; eu não poderia afirmar de forma definitiva, categórica, que a questão do terreno em disputa política está presente particularmente nesse contexto, mas há uma suspeita muito grande.

Essa questão também acabou gerando sérios problemas nas empresas, em função da presença do governo na gestão delas — eu estou fazendo referência particular à Eletrobras. A empresa teve prejuízos enormes com a MP 579: fala-se em 13 bilhões, em função justamente da imposição, através da medida provisória, de que o custo da energia em usinas amortizadas do grupo Eletrobras, que antes eram vendidas a 120 reais, fossem passadas a 9 reais, e que se acentuaram quando essas novas empresas, por conta da restrição hidrológica para honrar seus contratos, também tiveram que buscar a energia a 500 reais por megawatt/hora no mercado livre, no mercado de curto prazo. Tudo isso já havia sido alertado à época pelos críticos acadêmicos, ou seja, avisou-se do risco incorrido com o açodamento com que a medida provisória foi imposta ao chamado setor elétrico.

IHU On-Line - Quais são as principais informações do relatório “As multinacionais no Século XXI: impactos múltiplos”? O relatório menciona que as empresas do consórcio Norte Energia entregaram fundos de campanha para o PT e outros partidos. Que informações o senhor tem sobre o relatório e a relação entre as empresas de consórcio e os partidos?

Célio Bermann – Utilizei essa referência em alguns artigos que escrevi ultimamente. A fonte dela é um artigo que saiu no jornal O Estado de S. Paulo logo depois das eleições que elegeram a presidente Dilma, em que o jornalista José Roberto Toledo, em artigo publicado no dia 2 de dezembro de 2010, faz referência à participação de empreiteiras e empresas de construção que doaram recursos tanto para a candidata Dilma quanto para o candidato José Serra. Nos meus artigos, cito, em função do levantamento do repórter, os valores que aparecem na matéria dele.

O que esses valores revelam? Revelam a relação que hoje as empresas e seus interesses constroem com o governo e como o governo se deixa levar nesse tipo de situação. Isso nos faz entender por que diversas obras foram empurradas com apoio do governo sem nenhuma justificativa técnica e energética e com claros problemas econômicos e financeiros, para satisfazer interesse de ocasião. Quer dizer, as indústrias de construção civil e empreiteiras não estão interessadas na geração de energia elétrica, elas estão interessadas na obra. E o fato particular de o consórcio construtor de Belo Monte ser formado por empresas que participaram de forma ativa como doadores para a campanha da candidata Dilma, faz estabelecer essa reação de causa e efeito, afinal de contas, o contrato das obras civis é de 13,8 bilhões de reais para o conjunto das empresas.

Em relação às doações, a Camargo Corrêa contribuiu, à época da campanha da Dilma, com 8 milhões; Andrade Gutierrez, com 5,1 milhões; OAS, com 3 milhões; Serveng-Civilsan, com 2 milhões; Galvão Engenharia, com 2 milhões; Queiroz Galvão, com 2 milhões; Norberto Odebrecht, com 1 milhão; Mendes Junior, com 1 milhão. Todas elas compõem o consórcio construtor de Belo Monte. E não esqueçamos: 80% do valor da construção da usina está vindo dos cofres do BNDES para poder construir uma obra absolutamente equivocada do ponto de vista técnico.

"80% do valor da construção da usina está vindo dos cofres do BNDES para poder construir uma obra absolutamente equivocada do ponto de vista técnico"

Ingerência

Esse tipo de ingerência entre os interesses das empresas e o governo se deu de forma evidente na construção das duas usinas da bacia do rio Madeira. Tanto Santo Antônio como Jirau foram autorizadas a iniciar a construção na base de um tremendo esforço de pressão, como do presidente Lula à época, ao falar que o problema das usinas deveria deixar de ser uma preocupação com os bagres — e isso se tornou uma anedota, desqualificando toda a avaliação crítica que se fazia em relação à natureza dos dois projetos. Além disso, as consequências ambientais e sociais dos projetos foram desconsideradas.

Naquela ocasião, a ministra da Casa Civil usou de toda a sua capacidade de pressão, a qual acabou repercutindo de uma forma negativa em um processo que, no meu entender, poderia ser mais democrático.

À época — somente para lembrar —, os técnicos do IBAMA tinham uma avaliação absolutamente negativa dos projetos. Indicaram a inviabilidade ambiental da obra, que é a área de ação do IBAMA, não entraram no terreno técnico propriamente dito das turbinas a bulbo em um rio daquela natureza, uma usina com 45 turbinas planejadas para operar, uma ao lado da outra, com uma vazão muito grande, sendo que isso nunca havia sido testado em outro lugar.

Houve também uma avaliação do laboratório de hidráulica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, que fez testes para averiguar a viabilidade operativa da usina, mas tudo isso acabou fazendo com que os técnicos que se manifestaram em oposição à obra fossem afastados. O presidente do IBAMA à época também foi afastado, tudo isso para poder viabilizar o licenciamento ambiental.

A própria ministra Marina Silva, meses depois, também foi afastada, e isso marca um procedimento que caracteriza o atual governo, infelizmente. Ou seja, há ausência de um debate democrático — eu chamo autocracia energética, para não dizer ditadura —, em que não se ouvem os diversos interesses, não se busca um diálogo, não se busca resolver conflitos a não ser à mão armada no caso de subterfúgio, de utilizar força nacional em situações de conflito, o que agora está acontecendo com bastante frequência nesse tipo de obra.

O pior que aconteceu neste ano foi em relação às cheias na bacia do rio Madeira, quando a presidente Dilma foi à região de Porto Velho para prestar solidariedade às populações que perderam suas casas e tiveram prejuízos. Na ocasião ela disse que as usinas hidrelétricas, que ela particularmente tinha pressionado para serem construídas, não tinham nenhuma responsabilidade pela ocorrência das cheias, da enchente, e que isso foi coisa de São Pedro.

Então, veja que é uma situação que dá o contorno político ou que acrescenta mais dados ao contorno político da situação que estamos enfrentando em relação à segurança de energia elétrica em nosso país.

IHU On-Line - Como a questão energética será tratada nas eleições? Essa será uma carta da oposição contra o governo Dilma? Eduardo Campos tem alguma proposta, tendo em vista que Marina Silva é vice-presidente da chapa dele?

Célio Bermann – Eu apenas posso supor, não posso afirmar nada em relação a como a questão energética e o problema do contexto energético atual vão ser tratados nas propostas dos candidatos. Não tenho elementos nem envolvimento com a construção de nenhum dos programas de governos. Já foi suficiente eu ter participado de forma sucessiva dos encontros do Partido dos Trabalhadores – PT para traçar diretrizes de governo.

Desde as eleições de 1989 eu tive envolvimento com os programas de governo do candidato Lula, até o ano pré-eleitoral de 2002, quando houve também o esforço de elaborar um programa de governo para a área energética no Instituto da Cidadania, no bairro Ipiranga, em São Paulo, o qual depois foi rasgado quando o presidente Lula tomou assento no Palácio do Planalto, e definiu a ex-secretária de Energia do Estado do Rio Grande do Sul como ministra de Minas e Energia.

Todas as diretrizes que tinham sido desenhadas antes das eleições foram simplesmente abandonadas, e o que se viu com indignação foi a edição de uma medida provisória, a qual depois virou a lei 10.438, que define o chamado “novo modelo do setor elétrico brasileiro”, em que a natureza desse novo modelo foi apenas de aparar arestas, melhorar sem modificar de forma profunda e consistente a maneira como a questão energética vinha sendo tratada nos dois governos FHC que antecederam o primeiro governo Lula. 

Essa visão de energia como uma mercadoria prevalece no governo petista, o que é um contrassenso que desqualifica qualquer tentativa, pelo menos deste governo — e isso foi demonstrado nos dois mandatos do presidente Lula e no mandato da presidente Dilma —, de que a questão energética tenha como prioridade ser um elemento fundamental para melhorar a qualidade de vida da população brasileira, incorporando questões essenciais como o gerenciamento da demanda de energia elétrica, em que se modificassem costumes e perfil industrial, para se adequar de forma a garantir o suprimento de energia elétrica. Isso virou apenas uma vontade deste professor, deste investigador que ainda tem esperança de que um dia algum governo tome a área da energia como uma área voltada aos interesses da população brasileira.

IHU On-Line - O que se vislumbra para o setor energético em relação à política energética e ao planejamento energético nos próximos anos?

Célio Bermann - Se as coisas ficarem como estão, é o pior dos mundos. Nós temos hoje uma situação do governo em que ele age como bombeiro para apagar o fogo que ele próprio provocou, claro, tendo também as empresas públicas e privadas na coautoria desse incêndio em que se transformou o setor elétrico no Brasil. Se não houver uma mudança radical na forma de gerenciamento para que a questão energética saia das salas dos catedráticos, dos acadêmicos e dos andares do ministério em Brasília, para envolver toda a população brasileira nesse debate — porque a energia é um bem essencial e não pode ficar restrita à manipulação —, não haverá mudanças.

Espero que a população brasileira encontre condições para, de uma forma democrática, romper e redirecionar a direção com que hoje instituições, pessoas e interesses conduzem a política energética no nosso país. Vejo um futuro, se é que podemos pensar assim, em que essas alterações, modificações se concretizem, mas infelizmente não será nestas nem nas próximas eleições, pelo menos se pensarmos em curto prazo. Trata-se de uma perspectiva que deve ser perseguida para que o nosso país acabe encontrando condições adequadas para o desenvolvimento econômico e a satisfação das necessidades energéticas.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Aplaudo de pé a iniciativa do presidente do Equador. Rafael Correa nos representa na luta contra os..." Em resposta a: O Equador apresenta ao Vaticano seu plano para acabar com os paraísos fiscais
"Nota-se um grande desenvolvimento conceitual de ensino por parte das instituições cristãs, sobret..." Em resposta a: Há 237 anos Catarina ordenava que os jesuítas ignorassem a Bula Papal de supressão
"Tese, antítese e síntese: não gosto das coisas. Gosto de gostar e de não gostar das coisas, logo..." Em resposta a: Lançada Frente Nacional contra o "Projeto Escola sem Partido"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium