“O PT causou um tremendo dano à imagem de toda a esquerda na América Latina”. Entrevista com James Petras

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Educação: não é “reforma”, é mais um golpe

    LER MAIS
  • "É preciso mudar o futuro dos alimentos." Entrevista com Carlo Petrini

    LER MAIS
  • Boa noite, Cinderela

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Jonas | 12 Março 2015

“A esquerda do PT ainda não mostra suficiente presença para capturar os eleitores desencantados, razão pela qual temo que a partir destes escândalos ressurjam os partidos de direita, e os que querem privatizar a Petrobras vão utilizar a corrupção para privatizá-la. O PT causou um tremendo dano, não apenas para seus próprios eleitores, mas, sobretudo, para a imagem de toda a esquerda e o progressismo na América Latina. Deixa seu eleitorado desorientado e faz o jogo do imperialismo”, critica o sociólogo James Petras, professor emérito de Sociologia na Universidade Binghamton, em Nova York.

A entrevista é de Efraín Chury Iribarne, transmitida pela rádio CX36 Centenário e publicada por Rebelión, 11-03-2015. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Bom dia, James Petras. Tudo bem?

Estou muito bem, há uma onda de calor aqui e a temperatura subiu três graus. A primavera está próxima.

Que bom, está melhorando, então. Comecemos a falar sobre os problemas raciais nos Estados Unidos.

Iniciemos com a celebração do 50º aniversário de uma marcha em Alabama, um Estado muito racista, que foi um momento determinante, porque a partir desta marcha e dos ataques policiais surgiu o direito que garante o voto aos afro-americanos. Então, hoje é uma marcha comemorando a vitória política que os afro-americanos alcançaram há 50 anos. Contudo, um dos problemas dos participantes é a presença do presidente Barack Obama, que apesar de sua origem afro-americana as coisas retrocederam para o povo, especialmente para o afro-americano.

Percebemos o quanto suas rendas baixaram, a taxa de desemprego se multiplicou, o desemprego dos negros jovens atinge 80% em sua cidade de origem, Chicago. Aumentou a distância entre a renda dos brancos e a dos negros, etc. Por isso, é algo muito hipócrita da parte de Obama participar da comemoração dos avanços dos negros, uma vez que seu governo significou um período de retrocesso e sem propostas novas para melhorar as condições dos afro-americanos. Obama é um afro-americano de pele, mas a essência de sua política é orientada para favorecer o grande capital branco, concentrado em Wall Street.

No Brasil a Justiça continua atuando no caso Petrobras e todo o Congresso brasileiro foi acusado. Qual a sua leitura deste fato?

Poderíamos dizer várias coisas. Primeiro, que o governo de Dilma Rousseff – como mencionamos em anteriores colunas – adotou uma política muito reacionária. O que eles chamam de ‘ajuste fiscal’ não passa de cortes nos programas sociais, aposentadorias, salários, programas de apoio à pobreza, etc. Ou seja, os avanços que as classes populares conseguiram retrocederam e o governo deu peso a Joaquim Levy – como ministro encarregado da Economia –, um neoliberal fanático, para que leve adiante tais cortes. Então, enquanto o povo é golpeado, a presidente Rousseff pede paciência ao povo. No entanto, a paciência não se alcança com tanta ruína. Eu espero que as pressões de baixo, as greves e marchas, sejam aceleradas. E enquanto o governo se fragiliza do lado popular, também está sendo golpeado pelo judiciário nacional e internacional.

Descobriram que membros da Petrobras pagavam mais de cem milhões em propinas, quase a maioria dos funcionários e deputados do PT estão envolvidos. É um Partido de corruptos, e todos os que pensam que o PT tem algo a ver com os trabalhadores se deparam com estes fatos. Os banqueiros na Suíça, por exemplo, possuem contas de intermediários que cobravam as propinas, e depois repassavam para os deputados. Os Deputados do PT e seus aliados no governo já são milionários, cobraram tantas propinas que possuem duas, três casas, uma, duas amantes, e três ou quatro carros de luxo. São oligarcas em todo sentido e perderam o respeito e a legitimidade entre a maioria. Não há dúvida que no próximo período irão sofrer muitas punições, tanto judiciais, prisões, expulsões e acima de tudo a ruína total do partido, a imagem do PT como um partido de centro-esquerda, porque não há nada de progressista com os corruptos.

E a combinação de corrupção acima e cortes abaixo irá desgastar o Partido dos Trabalhadores, e acredito que nas próximas eleições irão sofrer golpes contundentes. O problema é que a esquerda do PT ainda não mostra suficiente presença para capturar os eleitores desencantados, razão pela qual temo que a partir destes escândalos ressurjam os partidos de direita, e os que querem privatizar a Petrobras vão utilizar a corrupção para privatizá-la.

O PT causou um tremendo dano, não apenas para seus próprios eleitores, mas, sobretudo, para a imagem de toda a esquerda e o progressismo na América Latina. Deixa seu eleitorado desorientado e faz o jogo do imperialismo. Sendo assim, os defensores e intelectuais do PT que por muitos anos falaram das medidas progressistas, agora estão calados, estão abandonando o barco que está se afundando. No entanto, o prejuízo já está dado, e devemos avisar os observadores e comentaristas de esquerda que não devem ser tão cegos, mudos e surdos no futuro, quando nós, da esquerda, começamos a advertir que o PT não era o que apresentava ao eleitorado.

Isto pode prejudicar seus parceiros do Mercosul?

Acredito que irá atingir aos parceiros por várias razões. O que chama de “ajuste fiscal” irá baixar a produção no Brasil e, portanto, as exportações e importações. A baixa de produção no Brasil vai prejudicar a economia de consumo e atingirá as importações que vem do Brasil. Atingirá os vínculos com petróleo e gás e fragilizará a capacidade dos parceiros de ter acesso a uma economia como a brasileira. Acredito que terá um impacto negativo sobre os parceiros. Mas, quero acrescentar que a corrupção no Brasil está envolvendo os bancos na Europa – Suíça e Londres – e em Nova York, que estão fazendo o trabalho sujo de lavar o dinheiro dos corruptos no Brasil. Todos os bancos europeus estão envolvidos. Os petrocratas (N. da R.: denomina-se petrocracia a casta que dirige a sociedade e que é a dona do petróleo e o gás) no Brasil possuem seus sócios em Nova York, Londres e Suíça, que os ajudam a esconder os fundos que conseguiram ilegalmente no Brasil. Os grandes lavadores estão em Londres, que vendem casas luxuosas e imóveis aos especuladores e Deputados no Brasil. Há implicações internacionais nisto.

Nesses dias, como está o cerco contra a Rússia?

Bom, não se pode dizer que houve qualquer mudança. Se não é uma coisa é outra. Quando morreu Boris Nemstov, toda a imprensa burguesa no mundo ocidental e alguns autointitulados progressistas – como La Jornada do México – acusaram a (Vladimir) Putin. Uma vez que a polícia descobriu os cinco envolvidos no assassinato, disseram que não foram apenas esses, mas que também há mais envolvidos nisto e que a Polícia não busca a fundo os autores intelectuais. Então, qualquer coisa que a Rússia faça a respeito deste assassinato não conforma os opositores do mundo ocidental. Primeiro acusam a Rússia de agressão, depois de assassinato, depois a acusam de não investigar a fundo. E diante de cada coisa, dá-se o mesmo. A Rússia busca soluções e negociações de paz na Ucrânia; depois a Rússia começou realmente a fazer uma campanha nacional e internacional para capturar os assassinos, depois está aprofundando as investigações para descobrir os que estão por trás deste assassinato.

O mundo ocidental busca em qualquer instância e de qualquer forma demonizar Putin e a Rússia, e fragilizar esse governo, porque querem conseguir o poder que tinham na Rússia, nos anos 1990, quando nos governos de (Boris) Yeltsin podiam roubar milhares de milhões do país. E Nemstov fazia parte desta quinta coluna na Rússia, tinha o apoio de menos de 10%, quando o chamam de “político opositor popular”, mas nenhuma pesquisa registra, nos últimos anos, algo além de 10% de apoio das pessoas.

Do outro lado, as agências de pesquisa, hoje, dão 85% de apoio a Putin. No mundo ocidental este senhor Nemstov tinha mais apoio do que na Rússia, tinha mais apoio em Paris, Londres e em Nova York do que na Rússia. Ninguém o levava a sério, porque era um dos autores do grande calote na Rússia, nos anos 1990, e depois teve um papel de emissário dos golpistas ucranianos. É uma figura nefasta, pior, servia a muitos interesses no mundo ocidental como um instrumento para fragilizar a Rússia e agir como uma quinta coluna para as forças imperialistas.

Acabou o nosso tempo, muito obrigado Petras por tudo isto.

Muito obrigado. Até segunda-feira. Tchau!