“Tempos de Pachakuti”

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 23 Janeiro 2015

Evo Morales (à direita na foto) fez referência às raízes do povo boliviano em uma cerimônia ancestral celebrada nas ruínas pré-colombianas de Tiahuanaco, um dia antes de prestar juramento no Congresso para iniciar seu terceiro mandato consecutivo, até 2020.

 
Fonte: http://goo.gl/eJeNTn  

A reportagem é publicada por Página/12, 22-01-2014. A tradução é do Cepat.

“Hoje é um dia histórico, de reafirmação de nossa identidade, de nossa revolução democrática e cultural. Estamos vivendo os tempos de Pachakuti (retorno ao equilíbrio)”, disse Morales. O presidente boliviano centrou seu discurso na explicação da cosmovisão indígena, mas também esclareceu que ter resgatado essa identidade para construir um Estado Plurinacional não significa um retorno romântico ao passado, mas, sim, uma recuperação do legado para combiná-lo com uma modernidade que não cause dano ao planeta.

Morales, de etnia aimará, sustentou em sua intervenção que milhões de índios desapareceram na América durante a época colonial porque, na sua avaliação, para que existissem o capitalismo e o imperialismo, os indígenas deviam desaparecer. O mandatário mencionou que 140 milhões de índios desapareceram até o século XVI na América do Norte e outros dez milhões de astecas morreram na América Central.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Tempos de Pachakuti” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV