''A viagem do papa à Turquia quase foi pelos ares''

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa lança ataque frontal ao nepotismo e ao feudalismo no Vaticano

    LER MAIS
  • “Os governos da direita e da extrema direita são muito bons para destruir, mas muito ruins para construir”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Os acontecimentos da semana. A esperança que ressurge em meio à pandemia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Dezembro 2014

O Papa Francisco queria visitar na Turquia um dos 22 campos de refugiados na fronteira com a Síria. E, até o último momento, ele tentou inserir no seu programa de viagem uma etapa na fronteira, com um voo de uma hora de Ancara, para dar um sinal ao um milhão e meio de refugiados. Relutantemente, porém, por razões de segurança, ele teve que renunciar àquilo que teria sido um verdadeiro golpe de cena da viagem que o pontífice argentino começou nessa sexta-feira na Turquia.

A reportagem é de Marco Ansaldo, publicada no jornal La Repubblica, 28-11-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Uma visita delicada e complexa, que, como revela ao La Repubblica uma fonte da secretaria de Estado vaticana, corria o risco até de "ir pelos ares". A viagem de Bergoglio, de fato, nasceu totalmente fora da agenda.

A sua intenção era a de aceitar o convite que lhe foi feito pelo Patriarca de Constantinopla, Bartolomeu. Mas, para desembarcar em Istambul, o papa devia, necessariamente, passar pelo território turco. Ancara, assim, fez com que fosse necessário esperar por muito tempo a luz verde do presidente, o conservador islâmico Recep Tayyip Erdogan, para transformar a viagem em uma visita de Estado.

Depois, um diplomata turco foi ao Vaticano, pedindo até para ver os discursos que o papa faria. Naturalmente, foi lhe oposta uma cortês e clara recusa. Essa é a única coisa que os turcos não poderão controlar em uma viagem cheia de incógnitas, começando pela visita de Bergoglio à luxuosa mansão presidencial, primeiro líder do mundo a entrar nela, à qual ele não pôde se opôr por razões de conveniência.

Depois do encontro com Erdogan, líder em relação ao qual a Santa Sé alimenta algumas perplexidades, reforçadas recentemente – segundo fontes pontifícias – pela não intervenção da Turquia para proteger os curdos na cidadezinha síria de Kobane, haverá uma segunda etapa nada fácil: a do Grão-Mufti Mehmet Görmez, que recentemente acusou o papa de "lavar os pés dos peregrinos e organizar jogos de futebol no Vaticano, em vez de condenar a destruição das mesquitas na Alemanha".

Francisco, porém, está pronto. Ele foi bem preparado para a viagem pelos seus conselheiros. O objetivo é o de superar as desconfianças, continuar o diálogo entre fés diferentes, proteger a minoria cristã. E obter frutos da viagem.

A experiência mostra que é possível. Em 2006, as polêmicas duríssimas por causa do discurso de Bento XVI em Regensburg, antes de ir para a Turquia, se desfizeram na oração comum, feita de surpresa com o Grão-Mufti da época na Mesquita Azul. Aonde o papa foi neste sábado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A viagem do papa à Turquia quase foi pelos ares'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV