Uma nova era nas relações entre evangélicos e católicos

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Novembro 2014

"Por exemplo, sabemos que em muitas cidades ao redor do mundo os cristãos evangélicos e católicos estão cooperando para responder ao tráfico humano, enquanto ao mesmo tempo pensadores e ativistas começaram a colaborar na análise e resposta aos terríveis problemas envolvendo perseguições religiosas", escreve Geoff Tunnicliffe, secretário geral da Aliança Evangélica Mundial, em artigo publicado pelo The Tablet, 13-11-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Eis o artigo.

Na semana passada tive o privilégio de me encontrar com o Papa Francisco pela terceira vez. A primeira vez foi após a sua instalação. No meio deste ano, por seu convite, fiz-lhe uma visita em sua residência para um diálogo privado sem temas pré-determinados que durou três horas. Na última quinta-feira (dia 13 de novembro), liderei uma delegação de 24 pessoas composta por líderes da Aliança Evangélica Mundial para um encontro oficial histórico.

Durante cada um destes encontros reconheci a sua cordialidade, autenticidade, o seu senso de humor, a sua profundidade e espiritualidade. Isso tudo apenas confirmou aquilo que me disseram os colegas evangélicos da Argentina que conhecem bem o Papa Francisco desde a época em que ele ainda era o cardeal Bergoglio.

O assunto deste nosso encontro era uma “nova era nas relações entre evangélicos e católicos”. Alguns se perguntaram sobre se eu iria fazer uma espécie de anúncio profético sobre esta nova relação. A verdade é que estava simplesmente declarando um retrato da realidade da maior parte do mundo. Embora haja algumas tensões em curso, esta nova era é um reconhecimento de que há muitas parcerias localizadas entre católicos e evangélicos, as quais estão se desenvolvendo em colaborações em grande escala como resposta aos trágicos problemas sociais.

Por exemplo, sabemos que em muitas cidades ao redor do mundo os cristãos evangélicos e católicos estão cooperando para responder ao tráfico humano, enquanto ao mesmo tempo pensadores e ativistas – evangélicos e católicos – começaram a colaborar na análise e resposta aos terríveis problemas envolvendo perseguições religiosas. Sabemos que evangélicos e católicos trabalharam junto, durante muitos anos, em inúmeros centros de conscientização para se evitar o aborto por parte de mulheres em crise, fizemos apresentações em conjunto para governos e organismos jurídicos sobre questões de preocupação partilhada, e ao redor do mundo trabalhamos juntos como testemunhas para a plenitude da vida oferecida a nós livremente por Jesus.

Sabemos que temos a oportunidade de desenvolver estas iniciativas maravilhosas em maior escala, aumentando tanto a amplitude dos problemas sociais a que respondemos quando o nível da resposta em conjunto. Por exemplo, ficamos muito preocupados (e sabemos que temos de tomar medidas neste sentido) com os muitos refugiados resultantes da situação no Iraque e na Síria, muitos dos quais estão rezando para o nosso Pai Celestial por ajuda. Precisamos ser os construtores juntos. A iniciativa recém-lançada chamada “Cradle of Christianity Initiative” é uma expressão conjunta através da qual podemos partilhar a nossa preocupação por aqueles que estão enfrentando grande perigo. Ao mesmo tempo, os cristãos precisam trabalhar juntos contra a assustadora questão das armas nucleares antes que uma outra guerra fria ponha a humanidade à beira do desastre.

Durante a minha fala, propus um novo nível e uma nova qualidade para o debate público sobre as nossas crenças fundamentais, incluindo tanto as áreas onde concordamos quanto aquelas em que há diferenças, de maneira que juntos possamos, com a ajuda do Espírito Santo, encontrar formas para partilhar – com um mundo sofrido de ódio e guerras – o amor, a paz e a justiça que temos em Jesus. Esta proposta foi calorosamente recebida pelo Papa Francisco e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos.

Em todos os 160 anos de história da Aliança Evangélica Mundial nunca havia acontecido um encontro como este que ocorreu na semana passada. A história irá determinar o impacto de um tal encontro. Quanto a mim, estou esperançoso.

*Aliança Evangélica Mundial é uma organização que representa mais de 600 milhões de evangélicos por meio de sete Alianças Evangélicas regionais e 129 nacionais, e mais de 150 organizações participantes.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma nova era nas relações entre evangélicos e católicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV