Prefeito de Iguala, no México, é detido pelo sumiço dos 43 estudantes

Revista ihu on-line

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Sociabilidade 2.0 Relações humanas nas redes digitais

Edição: 502

Leia mais

O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

Edição: 501

Leia mais

Mais Lidos

  • "Ruralistas têm respaldo para fazer o que quiserem" diz Comissão Pastoral da Terra

    LER MAIS
  • "Às vezes, a Igreja caiu em uma teologia do 'pode' e do 'não pode'"

    LER MAIS
  • A periferia liberal e os riscos da disputa narrativa “dos pobres”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

05 Novembro 2014

O prefeito de Iguala, José Luis Abarca, e sua esposa, María de los Ángeles Pineda, considerados os responsáveis por orquestrar o desaparecimento de 43 estudantes de magistério, foram detidos na madrugada de terça-feira. O casal estava escondido em uma casa alugada no bairro de Iztapalapa, na capital mexicana. A captura ocorreu, sempre de acordo com as primeiras versões, sem a necessidade da utilização de armas de fogo. Na habitação, o casal dispunha somente de uma cama e uma mesa.

A reportagem é de Jan Martínez Ahrens, publicada pelo jornal El País, 04-11-2014.

A prisão do casal é um balão de oxigênio para o Governo federal. Abarca e sua esposa fugiram três dias depois do desaparecimento dos normalistas, em 26 de setembro. Sua fuga deixou as autoridades em evidência. Desde o primeiro momento foram implicados como culpados pela feroz repressão que causou, na noite de 26 de setembro, a morte de seis pessoas e o posterior sequestro dos 43 estudantes. A fuga do casal debilitou a credibilidade das autoridades. Sem encontrar seu paradeiro ou o dos jovens, poucos acreditavam em sua eficiência.

Agora, com a captura, falta o seguinte e maior passo: a localização dos desaparecidos. Ainda que os indícios apontem para seu assassinato após a polícia tê-los entregado para os bandidos, as famílias insistem que estão vivos. Na falta de provas que permitam esclarecer seu paradeiro com segurança, os investigadores esperam que as declarações de Abarca e sua esposa ajudem a esclarecer os pontos obscuros.

Os Abarca foram vinculados ao narcotráfico. Sobre o prefeito, pesa a sombra do assassinato de rivais políticos, entre eles o engenheiro Arturo Hernández Cardona. Esse líder camponês foi torturado e assassinado junto com outros dois companheiros após uma áspera discussão com o regente. Um sobrevivente declarou ter sido o próprio Abarca a matá-lo com dois tiros. Um no rosto e outro no peito.

Dois irmãos de María de los Ángeles Pineda Villa serviam sob as ordens de Arturo Beltrán Leyva, o chamado Chefe dos Chefes, e criaram por ordem sua o embrião dos Guerreiros Unidos, antes de serem assassinados por uma suposta traição. A mãe também trabalhou como testa-de-ferro para Beltrán Leyva. As declarações dos detidos até essa data, entre eles o próprio líder dos Guerreiros Unidos, Sidronio Casarrubias Salgado, a colocam como uma das peças mais importantes do cartel em Iguala. Ela tinha o controle econômico do grupo criminoso na região. Mulher de caráter forte, tinha planejado concorrer para o cargo de prefeita nas eleições de 2015. Para isso havia conseguido ser nomeada conselheira estadual do PRD e ocupado a direção de um órgão municipal.

No dia dos desaparecimentos, havia organizado na praça central de Iguala o ato que deveria servir-lhe como estopim para a candidatura eleitoral. A chegada dos normalistas na cidade, descoberta pelos olheiros do narcotráfico, alarmou o casal. Em ocasiões anteriores já tiveram graves problemas com eles. O prefeito e sua esposa exigiram que a polícia municipal detivesse os estudantes. A ordem acabou em loucura.

Após pedir reforços para a localidade vizinha de Cocula, também sob controle dos narcotraficantes, a polícia soltou sua fúria e em ataques sucessivos, como se enfrentasse um grupo inimigo, matou a tiros dois estudantes: outro teve o rosto esfolado vivo e os dois olhos arrancados. A barbárie continuou depois em uma estrada federal, onde mataram a tiros outras três pessoas ao confundi-las com normalistas. Enquanto isso, dezenas de estudantes foram conduzidos para a delegacia policial de Iguala. Ali o horror voltou a aparecer. Para apagar rastros, os normalistas foram entregues para os agentes de Cocula. Estes, mudando as placas de seus veículos e falsificando suas operações, levaram os jovens e os colocaram nas mãos dos Guerreiros Unidos. O próprio chefe dos bandidos, em uma série de mensagens enviadas por celular, informou o líder, Sidronio Casarrubias Salgado, de que os responsáveis pelas desordens de Igual eram integrantes dos Los Rojos (Os Vermelhos, em espanhol), a organização com a qual mantém uma guerra encarniçada. Sidronio, “para defender seu território”, deu sinal verde para o chefe dos assassinos.

Nesse ponto, a reconstrução policial se perde na obscuridade. O paradeiro dos estudantes se transformou em um enigma que a cada dia que passa se torna mais dilacerante. Os indícios mostram que foram liquidados pelos bandidos. Mas não foram encontradas provas sólidas que corroborem com essa hipótese.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Prefeito de Iguala, no México, é detido pelo sumiço dos 43 estudantes