''O papa governou o Sínodo com o seu silêncio.'' Entrevista com Alberto Bobbio

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco reabilita Ernesto Cardenal, padre e poeta nicaragüense

    LER MAIS
  • Papa Francisco revoga permanentemente todas as sanções canônicas contra o padre e poeta Ernesto Cardenal

    LER MAIS
  • Ernesto Cardenal. Não é um filho pródigo da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Outubro 2014

O sítio Il Sismografo, 20-10-2014, dirigiu-se a alguns colegas vaticanistas para pedir-lhes uma contribuição de análise e de comentário sobre a importância Assembleia extraordinária sinodal dedicada à família.

Alberto Bobbio, editor-chefe da revista Famiglia Cristiana, nos ofereceu a sua reflexão em resposta a esta pergunta: "Sem entrar em complexos aprofundamentos, qual a característica ou reflexão que mais lhe chamou a atenção ou que você considera de notável relevância desse Sínodo?". A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a resposta.

1) O papa governou o Sínodo com o seu silêncio.

2) A amplitude e a profundidade do debate resultante do relatório de médio prazo e do dos círculos menores, sem entrar no mérito das posições.

3) A decisão do papa de publicar o relatório final com os números dos votos, para que todos possam refletir sobre a medida do consenso.

4) Os padres sinodais que votaram contra a Mensagem e aqueles que votaram contra Joseph Ratzinger e o Catecismo da Igreja Católica no famoso parágrafo 55 da Relatio Synodi.

5) O papel dos leigos, especialmente dos casais de esposos, com exceção do casal australiano e brasileiro, que se autocelebraram ou talvez se autocensuraram. Muito mais "parresia" nas intervenções dos eclesiásticos. Talvez sobre esse ponto valeria a pena que a Secretaria do Sínodo fizesse uma reflexão em vista do próximo ano.

6) Dentre as coisas que mais me chamaram a atenção está o voto contrário, um só, ao parágrafo 21 da Relatio Synodi, que começa com estas palavras: "O dom recíproco constitutivo do matrimônio sacramental está enraizado na fé do batismo, que estabelece a aliança fundamental de cada pessoa com Cristo na Igreja (...) Deus consagra o amor dos esposos e confirma a sua indissolubilidade".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''O papa governou o Sínodo com o seu silêncio.'' Entrevista com Alberto Bobbio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV