Ratzinger rejeita o cerco dos conservadores. “Eu não sou o pontífice. Quem decide é Francisco"

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Outubro 2014

Nos dias mais tensos do Sínodo dos Bispos que conclui seus trabalhos no dia 18 de outubro, houve um bilhete que mudou decisivamente o sentido e, provavelmente, o resultado da discussão. Um bilhete que permaneceu reservado. Uma mensagem breve, mas fundamental.

A reportagem é de Claudio Tito, publicada pelo jornal La Repubblica, 19-10-2014. A tradução é da IHU On-Line.

O bilhete foi expedido do mosteiro Mater Ecclesiae e chegou até Santa Marta.

Dois lugares que na Santa Sé dos últimos dois anos têm um valor particular: são, respectivamente, as residências do Papa emérito Joseph Ratzinger e a do Pontífice que governa, Jorge Maria Bergoglio.

O bilhete tem um valor particular porque no debate que se deu entre os 191 padres sinodais, houve um protagonista inesperado: Bento XVI.

Ratzinger não participou dos trabalhos das comissões e dos encontros convocados por seu sucessor. Mas não esteve ausente. Colocou-se claramente ao lado de Francisco. “Não somente na oração – explicam nos corredores do Vaticano – mas também com a sua figura e estatura de Papa emérito e de maior teólogo vivo”.

Nestes dias, provavelmente, se deu um dos debates mais duros desde o Concílio Vaticano II. Os temas da família estiveram no centro de um confronto sem precedentes. A abertura às famílias não tradicionais e aos direitos dos homossexuais ocasionaram uma discussão acirrada.

Ela começou com o discurso de caráter aberto do cardeal alemão Kasper (também participou o arcebispo de Chieti, Bruno Forte) no último Consistório que constituiu a base do confronto no Sínodo. Depois continuou com o documento “tradicionalista” assinado por cinco cardeais: Müller (prefeito do ex-Santo Ofício), Burke (prefeito da Assinatura Apostólica), Cafarra (arcebispo de Bolonha), Brandmüller e De Paolis. E apoiado substancialmente pelo arcebispo de Milão, Scola.

Portanto, o Sínodo foi precedido e caracterizado pelo confronto-desencontro que continuou também nas duas semanas do Sínodo. E entre a fase preparatória e a concreta do evento, o papel de Bento XVI cresceu de maneira exponencial. Mais. A tensão em alguns momentos atingiu picos elevadíssimos, criando alarme e preocupação nos episcopados.

Mas talvez o momento mais crítico ficou até agora esquecido. Foi quando alguns dos cardeais conservadores que leram e comentaram com surpresa as teses de Kasper procuraram o Papa emérito no mosteiro Mater Ecclesiae, interrompendo o estilo reservado que Ratzinger se impôs desde o momento da sua renúncia.

Naquele encontro os seus interlocutores tentaram uma operação sem precedentes: procuraram sensibilizá-lo sobre as teses que seriam debatidas no Sínodo. Uma operação potencialmente capaz de rachar verticalmente a Igreja. Seria a organização, de fato, de uma oposição interna contra o Pontífice. E não em termos do ‘poder real’ ou por nomeações. Mas no terreno da doutrina.

Mas a resposta de Bento XVI foi clara: “Eu não sou o Papa. Não me procurem”. Mais. Um pouco antes – como aconteceu várias vezes nestes dois anos – o Pontífice enviou, reservadamente, um bilhete para Francisco. O conteúdo é ignorado, mas sabe-se que se trata de uma informação colaborativa.

Mesmo quando a polêmica se tornou mais acesa, quando a ala mais conservadora do episcopado não fez nada para esconder as suas perplexidades e as suas críticas a respeito do documento publicado pelo cardeal Kasper, o Papa emérito se empenhou para evitar fraturas ou correntes. “Cum Petro e sub Petro”, é a síntese que Ratzinger faz da sua presença no Vaticano. “E quando fala – dizem os observadores mais atentos da Santa Sé – é sempre para sustentar e apoiar a Francisco”.

Um modo para dizer que ninguém nunca poderá usar Bento contra Bergoglio. De resto, as relações entre o Papa emérito e o seu conterrâneo Kasper não foram interrompidas nestes meses. Como não se interrompeu o diálogo entre Bento XVI e Bruno Forte, arcebispo de Chieti.

Mesmo depois daquele encontro secreto, a componente mais conservadora não renunciou em evidenciar observações e encontros durante os trabalhos sinodais. O riscos de um racha evidente e manifesto foi uma constante nestes dias.

O êxito quase inevitável foi a mediação final. Foi obra de uma constante correção dos textos iniciais. Basta olhar a chamada “Relatio post disceptationem” do cardeal húngaro Erdö, relator do Sínodo, e os dois documentos finais que foram aprovados. Ambos, nos seus conteúdos, dão um passo para trás do ponto de vista dogmático, mas não no campo pastoral. Trata-se de um modo de agir que evita rachas e divisões.

Isto apesar de que o final, ou seja, as decisões não são o objetivo do Sínodo 2014, mas do Sínodo 2015. Talvez, no entanto, o resultado conseguido pelo Pontífice, desta vez, foi, sobretudo, não expor a Igreja a uma divisão. Sobretudo depois dos esforços de unidade realizados após os escândalos dos últimos anos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ratzinger rejeita o cerco dos conservadores. “Eu não sou o pontífice. Quem decide é Francisco" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV