A chance desperdiçada pelo PSOL

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • Manual de ciberataque contra o Papa Francisco. Artigo de Antonio Spadaro

    LER MAIS
  • “Tudo o que está na ‘Amoris Laetitia’ foi aprovado por mais de dois terços dos padres sinoda

    LER MAIS
  • Em quem se escorar?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

12 Setembro 2014

"Como tudo mundo sabe, o PSOL nasceu de uma dissidência à esquerda do PT, sobretudo aqueles parlamentares que foram expulsos do partido por votar contrariamente à reforma da Previdência Social. Encarada como medida tipicamente neoliberal, a reforma era vista como símbolo de um recuo inaceitável e ingresso do partido no establishment político", escreve Moysés Pinto Neto, graduado em Ciências Jurídicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS e doutorando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, em artigo publicado em seu blog, 11-09-2014.

Eis o artigo.

Não havia mais espaço para o pensamento radical dentro do PT e o próprio partido, ao expulsar esses parlamentares, estava sinalizando isso. A partir do mensalão, o PSOL passou a ocupar uma posição de controle moral do governo em casos de corrupção muito parecida com o que o próprio PT representou enquanto estava na oposição.

Apesar de contar com alguns quadros da melhor qualidade, o PSOL não conseguira, até então, crescer em termos de militância. O discurso radicalmente anticapitalista do partido não conseguia se sintonizar com as ruas na medida em que o país vivia em uma bonança econômica e transformação social a partir dos programas sociais do PT que pouca gente tinha a coragem de enfrentar (tanto à esquerda quanto à direita). Mesmo com a polaridade PT/PSDB um pouco cansada e desgastada, o PSOL não conseguiu se oferecer como alternativa com a figura divertida de Plínio em 2010, preferindo ocupar a posição de quem desmascara as mentiras do debate a efetivamente figurar como competidor no pleito.

Mas a partir de 2011 o cenário muda um pouco. Os movimentos da Primavera Árabe gradualmente começam a se mundializar, ganhando consistência à medida que cruzavam os oceanos até chegar aos EUA, centro do capitalismo mundial, com o Occupy Wall Street. O 15-M espanhol mobiliza grandes massas e consegue transformar suas pautas em pautas mundiais, gerando diversos aglomerados em vários pontos, inclusive no Brasil. Pouca gente hoje comenta, mas já em 2011 houve ajuntamentos protestando contra o sistema político e econômico em diversas cidades do Brasil, por exemplo Rio de Janeiro e Porto Alegre. O PSOL lançou um grupo independente, o Juntos, para figurar no contexto dos movimentos sem levar consigo a sigla. Lembro que na Praça da Matriz, em 2011, ouvi os tradicionais discursos marxistas por vários nomes que hoje concorrem nas eleições.

Mais tarde, em 2013, esses mesmos movimentos explodiram com a luta contra o aumento das passagens iniciada em diversas capitais e vitoriosa em Porto Alegre, antes mesmo de ganhar massa em São Paulo, com a interferência do próprio PSOL junto ao Tribunal de Contas do Estado (que obrigou a Prefeitura a revisar o aumento, terminando por reduzir o valor da passagem; em termos práticos, em vez de subir para R$ 3,20, como previsto e dito “inevitável”, a passagem caiu de R$ 2,80 para R$ 2,70). O PSOL também teve papel ativo na Ocupação da Câmara dos Vereadores em Porto Alegre, apoiando os ocupantes, e o Juntos volta e meia aparecia como um dos principais pontos de organização dos novos movimentos de junho de 2013. Era visivelmente o kairos que aparecia para que o PSOL desse um salto de qualidade, passando de partido radical com representação minoritária para o patamar de player na política nacional, sobretudo com a pressão aos partidos de centro-esquerda para a esquerda e fortalecimento da articulação entre instituições políticas e novos movimentos sociais. Papel que ninguém senão o próprio PSOL poderia ocupar, uma vez que a Rede de Marina, apesar de identificada com as ruas também, não tinha o perfil de extrema esquerda, estando mais para um real “partido verde” de centro-esquerda.

Perdi a conta da quantidade de vezes que já votei em Luciana Genro. Votei nela várias vezes para deputada (desde a primeira oportunidade em 1998) e inclusive para Prefeita nas eleições de 2008 (e também tive meu voto maltratado pela Justiça Eleitoral quando considerou nepotismo que a candidata mais votada para deputada federal de 2010 assumisse seu mandato na Câmara porque seu pai, Tarso Genro, era governador). Também assinei a Carta de Apoio a Luciana Genro quando o cenário estava dividido entre Dilma e Aécio sobretudo porque acreditava que, qualquer que fosse a candidatura, era necessário haver alguém que enfraquecesse a polaridade PT/PSDB. uma vez que não era mais representativa do atual cenário político brasileiro. A eleição iria girar em torno das falsas questões que o esgoto da blogosfera alimenta diariamente.

Disse isso para explicar que nada tenho contra Luciana. Mas acho que o PSOL desperdiçou uma chance gigantesca de se transformar em real força política nacional. O espaço à esquerda existia e o PSOL não soube o ocupar. E pior: não foi por erro casual, mas deliberado. O PSOL não quer jogar o jogo da política. Em vez disso, prefere se resguardar na aura de pureza de quem não se contamina com alianças e estratégias. Para além da dimensão política radical que é excelente, o PSOL prefere lançar uma candidatura “de protesto” a efetivamente se apresentar como força política. Prefere ficar nos marcos dos 2% que falam “marxistês” a mostrar-se como campo político de pressão contra os governos. Tanto o que ocorreu com Vladimir Safatle em São Paulo quanto o que ocorreu em nível nacional expressa isso. Não que Luciana Genro não tenha seus méritos, mas se o PSOL tivesse lançado Marcelo Freixo, por exemplo, para a Presidência, tenho certeza que atingiria no mínimo 10%, podendo chegar até 15% ou um pouco mais, dos votos no primeiro turno. Não venceria, mas tampouco seria apenas “voto de protesto”. Poderia pressionar e pautar o segundo turno. Receberia um apoio mais amplo dos intelectuais e dos movimentos sociais. Ficaria efetivamente identificado com as ruas. Luciana ainda fala a língua da DS um pouco demais, enquanto Freixo e Jean Willys são forças que renovam o discurso do PSOL dando-lhe cara própria. Mesmo pautando-se pelo “ecossocialismo”, o tipo de discurso que caracteriza Luciana Genro e Roberto Robaina não consegue sair do gueto marxista. É certo que o PSOL tem uma dívida simbólica com eles (fundadores) e que a própria Luciana tem problemas em relação aos seus direitos políticos, mas convenhamos que desperdiçar uma chance desse tamanho – de se situar como a real força política de esquerda – é sacrifício demasiado.

Não tenho absolutamente nada contra o PSOL. Confesso que me considero indeciso sobre o partido: às vezes acho a plataforma tão radical que tenho dúvidas se um governo seria viável nesses termos, e não digo isso por preocupação com a governabilidade, mas com a democracia mesmo. E às vezes não acho radical o bastante: se é para ser tão de ruptura, então vou de anarquia mesmo (que é algo só possível de baixo para cima, sem governos). Mas cheguei próximo de me alinhar com ele quando Marina fez aliança com Eduardo Campos e vi o campo de esquerda ligado aos novos movimentos sociais vazio. Não me alinhei não por causa da adesão à Marina, sobretudo essa Marina descafeinada que até agora se apresenta, mas porque acho que o PSOL não fez questão de ocupar esse espaço.

Conheço excelentes cabeças que estarão votando no partido na próxima eleição (inclusive eu o farei para os parlamentos), mas o erro estratégico do PSOL é injustificável. Não sei se o partido terá outra chance de se posicionar com peso no cenário político nacional. Se Marina vencer, o PT deve voltar a ocupar o campo da esquerda (salvo se a coisa degringolou mesmo). Se o PT vencer, o PSOL pode ter uma segunda chance, mas tudo dependerá de como Marina irá se posicionar caso saia derrotada. A oportunidade autônoma do PSOL, o campo que se abriu como chance aleatória, esse já passou. Pode voltar, mas dependerá de novas circunstâncias mais ou menos aleatórias, como ocorreu em 2013.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - A chance desperdiçada pelo PSOL