Francisco envia as provas da denúncia que pode ter custado a vida a Angelelli

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 01 Julho 2014

O Papa Francisco entregou uma carta e provas que foram enviadas ao Vaticano pelo bispo Enrique Angelelli e que mostram a violação dos Direitos Humanos cometidos na Argentina durante os tempos da ditadura militar. Na sexta-feira, dia 4 de julho próximo, será lida a sentença contra os militares acusados de autores mediatos.

A reportagem está publicada no sítio espanhol Religión Digital, 27-06-2014. A tradução é de André Langer.

A carta foi apresentada como prova nas alegações do julgamento pelo assassinato de Angelelli em La Rioja. O escrito, que testemunha a perseguição militar, é um duro golpe contra os membros do Vaticano que durante anos negaram que a carta e as provas tivessem chegado à Santa Sé.

“Somos permanentemente impedidos de cumprir a missão da Igreja. Pessoalmente, os sacerdotes e as religiosas somos humilhados, intimados e sofremos a invasão da polícia com ordens do Exército”, assegurou Angelelli em sua carta, que, dias mais tarde, seria assassinado na Rodovia 38, nas proximidades de Punta de los Llanos.

A carta e as provas foram enviadas em julho de 1976 ao núncio vaticano, que nessa época era Pío Laghi. Este cardeal, que morreu em 2009 e foi investigado por cumplicidade com a ditadura argentina, sempre negou tê-las recebido.

Francisco, cumprindo sua palavra de que abriria os arquivos do Vaticano, enviou à Diocese de La Rioja, a cargo do bispo Marcelo Colombo, dois documentos: uma carta de Angelelli e um relatório intitulado “Crônica dos fatos relacionados ao assassinato dos padres Gabriel Longueville e Carlos Murias”, padres da cidade de La Rioja de Chamical assassinados no dia 18 de julho de 1976. O relato dos assassinatos havia sido apresentado no mesmo mês em que foram cometidos os assassinatos, e Angelelli encarregou-se de enviar várias cópias diretamente à Santa Sé, devido ao fato de que desconfiava do núncio.

O Tribunal Oral Criminal Federal de La Rioja retomará nesta sexta-feira as audiências de alegações das partes no julgamento oral pelo homicídio do bispo Enrique Angelelli, cometido durante a ditadura militar.

Na sexta-feira, dia 27 de junho, o tribunal – integrado pelos juízes José Camilo Nicolás Quiroga Uriburu, Carlos Julio Lascano e Juan Carlos Reynaga – ouviu as alegações das defesas do ex-general Luciano Benjamín Menéndez e do ex-comodoro Luis Fernando Estrella.

Em 13 de junho passado, em suas alegações, as quatro proponentes da ação solicitaram as penas de prisão e inabilitação perpétua para os imputados como autores do assassinato de Angelelli. No entanto, está previsto que no dia 4 de julho se conheça a sentença pela morte de Angelelli executada no dia 4 de agosto de 1976, nesse que a ditadura quis fazer passar como um acidente de carro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco envia as provas da denúncia que pode ter custado a vida a Angelelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV