Câmara ameaça conselhos populares de Dilma

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • Religiosos e religiosas do Brasil manifestam comunhão com o pontificado do papa Francisco

    LER MAIS
  • O que a desobediência de Renan e as bombas da igreja no Rio têm em comum?

    LER MAIS
  • Proposta para Previdência endurece regra para jovens e tira renda de vulneráveis

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

10 Junho 2014

Em conversa com o ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil), o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, sugeriu que o governo converta em projeto de lei o decreto que obriga todos os órgãos federais a submeterem decisões a conselhos com representantes da “sociedade civil”. Do contrário, alertou o deputado, Dilma Rousseff se arrisca a ver o seu decreto derrubado no plenário da Câmara.

A reportagem é de Josias de Souza, publicada pelo portal Uol, 08-06-2014.

Sob o número 8.243, o decreto foi assinado pela presidente há duas semanas, em 23 de maio. Provocou reações instantâneas no Congresso, a instância que, numa democracia representativa como a brasileira, deveria representar a sociedade. Líder do DEM, o deputado pernambucano Mendonça Filho apresentou um projeto de decreto legislativo que, se aprovado, revoga o decreto de Dilma.

No contato com Mercadante, Henrique Alves informou que, na falta de um entendimento, levará a proposta do DEM à pauta de votações. Disse que não são negligenciáveis as chances de a peça ser aprovada. “Hoje, a resistência ao decreto não se limita aos partidos de oposição”, afirmou Henrique ao blog.

Mendonça Filho recolheu assinaturas de líderes partidários num ‘requerimento de urgência’. Em poucos dias, rubricaram a peça representantes de dez partidos: DEM, PSDB, PPS, SDD, PV, PSD, PSB, Pros, PR e PRB. Na semana passada, também o PTB aderiu ao pedido de urgência.

Por sugestão do deputado paranaense Rubens Bueno, líder do PPS, as legendas oposicionistas planejam obstruir as votações na Câmara enquanto a proposta que revoga o decreto de Dilma não for levada ao plenário. Equipam-se para iniciar o bloqueio na terça-feira (10).

O que mais incomodou no decreto de Dilma foi a amplitude. Criou-se uma “Política Nacional de Participação Social”. Prevê que todos os órgãos da administração direta ou indireta terão de pendurar nos seus organogramas uma nova instância decisória: os conselhos de políticas públicas, formados por representantes da sociedade civil.

Ao definir o conceito de sociedade civil, o decreto anotou: “o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”.

E quanto à definição de conselho de política pública? Diz o decreto de Dilma: é uma “instância colegiada temática permanente, instituída por ato normativo, de diálogo entre a sociedade civil e o governo para promover a participação no processo decisório e na gestão de políticas públicas.”

Na prática, diz Mendonça Filho, serão nomeados para os tais conselhos os cupinchas do PT nos movimentos sociais e nos sindicatos. Além de atropelar o Congresso, prossegue o líder do DEM, o decreto de Dilma transpõe para a administração pública um vício do petismo: o assembleísmo. “Isso vai amarrar os órgãos públicos”, diz o deputado.

Numa referência ao regime inaugurado por Hugo Chávez na Venezuela, a oposição tacha o decreto de Dilma de “bolivariano”. Henrique Alves não endossa esse pedaço da crítica. Mas faz duas restrições ao decreto presidencial. Acha que o governo falhou na forma e no senso de oportunidade.

Para corrigir o primeiro defeito, Henrique sugere que o decreto vire um projeto de lei, que seria amplamente debatido antes de ser votado por deputados e senadores. Com isso, seria sanado também o segundo pecado, que é a pressa injustificada.

Henrique Alves diz não ver sentido na supressão do debate legislativo. Por uma razão singela: a quatro meses da eleição presidencial, que decisões ou programas o governo pretenderia submeter à análise dos conselhos de políticas públicas?

Na última quinta-feira (5), discursando para ministros e empresários no Planalto, Dilma defendeu o seu decreto. Afirmou que é “a favor da consulta, a favor da participação'', a favor de ouvir “todos os segmentos'', porque “muitas cabeças pensam mais do que a cabeça do Executivo.''

Segundo Dilma, os conselhos populares não invadem atribuições do Congresso. “São papéis diferentes. O Legislativo apoia, aprova o corpo [das políticas públicas]. E de onde a gente tira todas as características do corpo? A gente tira de uma consulta à sociedade.” Hummmm!

Num instante em que os índices de Dilma nas pesquisas eleitorais sofrem uma erosão, o lero-lero dos conselhos tem cheiro de resposta atrasada às ruas de junho de 2013. Parece mais politicagem do que política pública.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Câmara ameaça conselhos populares de Dilma