Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Milho transgênico em xeque em Mato Grosso

O produtor Fernando Ferri, de Campo Verde (MT), plantou 700 hectares com milho geneticamente modificado na segunda safra deste ano. Em tese, isso o livraria de fazer uso de inseticidas contra lagartas, já que as cultivares que escolheu são resistentes a esse tipo de praga. Entretanto, o agricultor se viu obrigado a fazer três aplicações do defensivo.

"Paguei pela tecnologia transgênica, gastei a mais para combater lagartas e ainda acho que vou ter uma quebra de 10% a 15% de produtividade", prevê.

A reportagem é de Mariana Caetano, publicada pelo jornal Valor, 19-05-2014.

Ferri não está sozinho. Boa parte dos produtores de milho de Mato Grosso enfrenta problemas na safrinha atual com o ataque de lagartas ao milho Bt, variedade que recebe por meio de engenharia genética uma toxina da bactéria Bacillus thuringiensis com ação inseticida. Ocorre que a praga passou a ter resistência ao transgênico, e não o contrário, como a tecnologia propunha.

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) estima que as aplicações extras de inseticidas farão os produtores locais gastarem mais R$ 228,8 milhões nesta safrinha, que está em fase de desenvolvimento.

A entidade concluiu que a média está em quatro aplicações - o "normal" seria até duas, mesmo porque há outras pragas na lavoura - e que esse gasto representa 4% do custo total de produção do milho de alta tecnologia, hoje em torno de R$ 1,8 mil por hectare.

No cálculo, o Imea leva em conta toda a área plantada de Mato Grosso, mas como 88% das lavouras do grão no Estado utilizam o Bt, fica claro que há um impacto significativo da resistência das lagartas nesse custo adicional.

Nery Ribas, gerente técnico da Aprosoja/MT, afirma que a lagarta do cartucho é a maior vilã do Bt no momento. "Nossa preocupação é tão grande quanto foi com a helicoverpa na soja".

A resistência da praga já era esperada, acrescenta Ribas, mas os produtores acreditavam que ela demoraria mais para aparecer. A tensão se acirrou este ano, embora o problema exista há pelo menos dois ciclos, afirma.

A primeira variedade comercial de milho Bt foi lançada no Brasil pela Monsanto, em 2007, uma década depois dos EUA. Nos anos seguintes, outras gigantes do segmento, como Syngenta, DuPont e Dow AgroSciences , trilharam esse caminho e 16 cultivares de milho resistente a insetos já estão aprovadas no país.

Entre as boas práticas da tecnologia, consta a necessidade de plantio de milho convencional em pelo menos 10% da área que receberá o Bt, para evitar a rápida seleção de insetos resistentes.

Mas, para Fernando Valicente, pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo, a falta dessa "área de refúgio", ou a destinação de uma área muito pequena (considerando que o Brasil é um país tropical e que há regiões onde há três cultivos por ano), são agravantes. "Já há relatos parecidos em Minas Gerais, no Paraná e na Bahia", diz.

A pedido do Ministério da Agricultura, a Embrapa está trabalhando em uma política pública de manejo de resistência de lagartas ao milho Bt. O documento deverá ser encaminhado ao ministério nos próximos dias.

Ribas, da Aprosoja/MT, afirma que os produtores estão atentos ao refúgio, mas muitos tiveram dificuldades em obter sementes não-transgênicas. Foi o caso de Ferri, que não conseguiu o material convencional e plantou toda a lavoura com Bt - um dos possíveis gatilhos para a resistência.

Para o próximo ciclo, o produtor cogita semear toda a área sem transgenia. "Posso gastar mais com defensivos, mas a semente é mais em conta e não terei de pagar R$ 80 a R$ 100 por hectare em royalties [às empresas detentoras da tecnologia]".

Em nota, a DuPont, por meio de sua divisão de sementes Pioneer, confirmou que um monitoramento no Brasil apontou o desenvolvimento de resistência da lagarta do cartucho à proteína Cry1F, usada no milho Bt da companhia. A empresa afirma estar trabalhando junto aos produtores "em práticas de manejo eficazes para estender a durabilidade da tecnologia", processo que envolve "o monitoramento, a aplicação de inseticidas e o manejo efetivo durante a safra".

Também em nota, a Dow AgroSciences defendeu a adoção do manejo integrado de pragas e disse que "condições climáticas adversas, fertilidade do solo e práticas de adubação de plantio e cobertura nitrogenada podem contribuir para a redução da eficácia das tecnologias de controle de pragas".

A Syngenta ressaltou a importância de "estratégias abrangentes" de manejo, como "área de refúgio, rotação de culturas e tecnologias de proteção de cultivo". A Monsanto preferiu não se pronunciar.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Névio, acho que, diferentemente de você, Pedro R. de Oliveira entendeu o mote e o artigo! Veja: ht..." Em resposta a: Fé e Política: urge repensar
"Destruir muros e aproximar pessoas no caminho evangélico da Misericórdia é a Mensagem de Bergogli..." Em resposta a: Argentina. Padres que atuam nas favelas e Geração Francisco denunciam uma “brutal campanha” contra o Papa
"A leitura do artigo nos remete a um trecho do discurso Oração aos Moços, de Rui Barbosa, quando c..." Em resposta a: A falta de vergonha e a ausência de culpa na corrupção brasileira. Artigo de Leonardo Boff

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium