Rafael Correa avança contra ativistas que reúnem assinaturas em prol do Yasuní

Revista ihu on-line

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Sociabilidade 2.0 Relações humanas nas redes digitais

Edição: 502

Leia mais

O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

Edição: 501

Leia mais

Mais Lidos

  • "Ruralistas têm respaldo para fazer o que quiserem" diz Comissão Pastoral da Terra

    LER MAIS
  • "Às vezes, a Igreja caiu em uma teologia do 'pode' e do 'não pode'"

    LER MAIS
  • A periferia liberal e os riscos da disputa narrativa “dos pobres”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Jonas | 25 Abril 2014

O presidente do Equador, Rafael Correa, afirmou que o país necessita do dinheiro da extração petroleira da reserva amazônica de Yasuní para superar a pobreza.

A reportagem é publicada por El Universo, 24-04-2014. A tradução é do Cepat.

“Não temos outro caminho, necessitamos desse dinheiro para superar a pobreza”, afirmou Correa, na entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal barcelonês La Vanguardia, no qual o presidente afirma que aprovar a extração de petróleo em Yasuní foi “a decisão mais dura” de seus sete anos de governo.

Na entrevista, realizada por ocasião de sua viajem a cidade catalã para ser investido doutor “honoris causa” pela Universidade de Barcelona, o presidente equatoriano também avançou contra os ativistas que reúnem assinaturas para submeter este projeto a uma consulta popular.

“Não irei cair na armadilha destes grupos que hoje pedem consulta sobre Yasuní, amanhã sobre a lei de águas e que se opõem a tudo por pura politicagem. Destes, 90% são os mesmos atira-pedras”, assegurou.

“Se amanhã substituirmos os fogões de gás por elétricos – é uma barbaridade que o povo equatoriano utilize como principal combustível o gás – também pedirão uma consulta popular”, acrescentou.

Correa anunciou, em agosto de 2013, sua decisão de proceder com a atividade petroleira em uma área de reserva, após fracassar sua campanha para evitar a exploração de petróleo e a consequente emissão de gases contaminantes, em troca de uma milionária contribuição internacional, que nunca se concretizou.
    
“Acordamos 3,6 bilhões de dólares e na hora da verdade não arrecadamos...”, afirmou Correa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Rafael Correa avança contra ativistas que reúnem assinaturas em prol do Yasuní