Rafael Correa cede à exploração de petróleo na Amazônia após fracasso de plano ambiental

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Agosto 2013

O presidente do Equador, Rafael Correa, pediu nessa quinta-feira (15) ao Congresso autorização para explorar petróleo em uma reserva ecológica da Amazônia, após admitir o fracasso do plano ambiental apoiado em contribuições internacionais.

"É com profunda tristeza, mas também com absoluta responsabilidade com o nosso povo e a nossa história, que tomei a decisão mais difícil de todo o meu governo: acabar com a iniciativa que buscava evitar a extração de petróleo" na zona do Parque Yasuní, disse o presidente.

Em 2007, Correa propôs diante da ONU proibir a exploração de petróleo no chamado bloco Ishpingo, Tambococha e Tiputini (ITT), cujas reservas são estimadas em 920 milhões de barris de petróleo, em troca de uma ajuda de 3,6 bilhões de dólares, em 12 anos, pela contribuição do país na luta contra o aquecimento global.

Segundo Correa, em cinco anos o Equador recebeu apenas 13,3 milhões de dólares, algo em torno de 0,37% do valor acertado. "O mundo falhou" com o Equador, "e diante disto resolvi solicitar à Assembleia a declaração de interesse nacional para o aproveitamento do petróleo" do Parque Yasuní.

Caso o Congresso autorize, "a atividade extrativista não poderá se desenvolver em uma área superior a 1% do Parque Nacional Yasuní", cuja extensão supera um milhão de hectares.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rafael Correa cede à exploração de petróleo na Amazônia após fracasso de plano ambiental - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV