Amazônia sequestra mais carbono do que emite, afirma NASA

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os africanos devem se livrar do desejo da Europa”. Artigo de Achille Mbembe

    LER MAIS
  • “Colocar a própria vida em jogo”. Papa Francisco no Panamá em diálogo com os jesuítas da América Central

    LER MAIS
  • Os evangélicos e o poder na América Latina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Março 2014

Apesar de parecer óbvio que uma floresta sequestra carbono ao passo que cresce, pesquisas anteriores questionavam se eventos naturais de mortalidade das árvores resultariam, no balanço geral, em uma emissão maior do que a absorção de gases do efeito estufa (GEEs).

A reportagem é de Fabiano Ávila, publicada no sítio CarbonoBrasil, 19-03-2014.

Em um estudo que levou sete anos para ser elaborado, a Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço dos Estados Unidos (NASA) chegou à conclusão que, considerando apenas critérios naturais, a Floresta Amazônica é mesmo um ecossistema absorvedor de carbono.

Apesar de parecer óbvio que uma floresta sequestra carbono ao passo que cresce, pesquisas anteriores questionavam se eventos naturais de mortalidade das árvores resultariam, no balanço geral, em uma emissão maior do que a absorção de gases do efeito estufa (GEEs).

O estudo da NASA desmente esse temor com relação à Amazônia, mas vale ressaltar que não foram levados em conta dados sobre o desmatamento provocado por atividades humanas.

O trabalho, publicado no periódico Nature Communications, é o primeiro a mensurar o ciclo de carbono em toda a Floresta Amazônica, sendo que para conseguir isso foi realizada a contabilização da morte de árvores por causas naturais.

Utilizando técnicas desenvolvidas especificamente para este estudo, foram analisadas imagens de satélite e outros dados para concluir que a morte de árvores na Amazônia libera para a atmosfera 1,9 bilhão de toneladas de carbono por ano, uma quantia que é superada pela absorção da floresta.

“Descobrimos que grandes distúrbios naturais resultam apenas em pequenos efeitos no ciclo do carbono na Amazônia”, afirmou Sassan Saatchi, coautor do estudo.

A ideia para a pesquisa surgiu em 2006, em um workshop no qual cientistas de diversas nacionalidades sugeriram que os satélites da NASA poderiam ser úteis para melhorar o entendimento do ciclo do carbono na Amazônia. Isso porque, sem esse tipo de recurso, a avaliação do carbono florestal era feita em pequenas áreas e então extrapolada para regiões maiores, o que muitos questionavam poder resultar em distorções.

Ao todo 22 pesquisadores de cinco países trabalharam no estudo, observando a morte de árvores na Amazônia por todas as causas naturais possíveis – de grandes derrubadas causadas por tempestades a simples mortes devido à idade.

A EMBRAPA, o INPE e o INPA também contribuíram para a pesquisa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia sequestra mais carbono do que emite, afirma NASA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV