Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Desmatamento na Amazônia cresce 206% em janeiro, diz Imazon

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), da organização Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), sediada em Belém (PA), detectou que a Amazônia Legal perdeu perdeu 107 km² de floresta em janeiro de 2014, o que representa um aumento de 206% em relação a janeiro de 2013 quando o desmatamento somou 35 km².

A reportagem é de Altino Machado, publicada no Blog da Amazônia, 14-02-2014.

O desmatamento acumulado no período de agosto de 2013 a janeiro de 2014, correspondendo aos seis primeiros meses do calendário atual de desmatamento, totalizou 531 km².

Foi detectada redução do desmatamento acumulado de 60% em relação ao período anterior (agosto de 2012 a janeiro de 2013) quando o desmatamento somou 1.326 km².

Em janeiro, a maioria (58%) da área florestal da Amazônia estava coberta por nuvens, o que reduziu a capacidade de detecção do desmatamento e da degradação florestal na região.

Os Estados com maior cobertura de nuvem foram Amapá (86%), Pará (83%) e Rondônia (79%). Em virtude disso, assinala o Imazon, os dados de desmatamento e degradação florestal em janeiro de 2014 podem estar subestimados O desmatamento ocorreu em Roraima (34%), seguido por Mato Grosso (22%), Pará (22%), Tocantins (9%), Acre (8%), Amazonas (3%) e Rondônia (2%).

Considerando os seis primeiros meses do calendário atual de desmatamento, o Pará lidera o ranking com 24% do total desmatado no período. Em seguida aparece o Amazonas com 22% e Rondônia com 21%.

Em termos relativos, houve aumento de 348% em Roraima e 324% no Acre. Por outro lado, houve redução expressiva no Pará (-80%) e Mato Grosso (-77%).
Em termos absolutos, o Pará lidera o ranking do desmatamento acumulado com 125 km², seguido pelo Amazonas (117 km²) e Rondônia (112 km²).

As florestas degradadas, aquelas que são intensamente exploradas por atividade madeireira ou queimadas, somaram 32 km² em janeiro de 2014.

A degradação florestal acumulada no período de agosto de 2013 a janeiro de 2014 totalizou 212 quilômetros quadrados.

Em relação ao período anterior (agosto de 2012 a janeiro de 2013) houve redução de 80% quando a degradação florestal somou 1.043 km².

Em relação a janeiro de 2013 houve redução de 53% quando a degradação florestal somou 69 km². A maioria (97%) ocorreu no Mato Grosso, seguido pelo Amazonas (2%) e Pará (1%).

A maioria (66%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado Assentamentos de Reforma Agrária (20%), Unidades de Conservação (13%) e Terras Indígenas (1%).
Os municípios considerados críticos pelo Imazaon em janeiro foram Rorainópolis (RR) e Prainha (PA), respectivamente com 16,4 km² e 10,3 km² de desmatamento.
Também integram a lista os municípios Caseara (TO), Caracaraí (RR), Feliz Natal (MT), Gaúcha do Norte (MT), Cantá (RR), Itaúba (MT), Óbidos (PA) e Rio Branco (AC).

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium