“Francisco é a revolução da humanidade e do papado”, afirma Leonardo Boff

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • 1º Dia Mundial dos Pobres

    LER MAIS
  • Papa nomeia brasileiro para Relator Geral do Sínodo dos Jovens e um jesuíta e salesiano como Secretários Especiais

    LER MAIS
  • O Homo Deus e a obsolescência do ser humano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 14 Março 2014

O teólogo brasileiro Leonardo Boff fez referência ao primeiro aniversário de pontificado do papa e destacou que “Francisco é um projeto de Igreja e de mundo” e que está fazendo “uma revolução de humanidade, a revolução do papado”. “Francisco é mais do que um nome, é um projeto de Igreja e de mundo: uma Igreja pobre, sem aparato de poder, uma Igreja do encontro, da misericórdia. Como ele disse, uma Igreja que faz a revolução da ternura”, sustentou Boff, em entrevista à Rádio del Plata.

 
Fonte: http://goo.gl/XPUlfT  

A reportagem é publicada por Religión Digital, 13-03-2014. A tradução é do Cepat.

O teólogo considerou que a “grande revolução” que Francisco está fazendo não é a reforma da Cúria, mas a “revolução do papado, que começou com ele próprio”.

“Ele não se encaixou no perfil clássico do papa, mas fez com que a sua maneira de ser se impregnasse na figura do sumo pontífice e se transformasse em algo extremamente humano e próximo ao povo: é uma revolução de humanidade que devolveu à Igreja sua dimensão, seu rosto humano, de compaixão, de abertura, de diálogo”, afirmou.

Boff, que também é filósofo, escritor, professor e ambientalista, enfatizou que Francisco quer “uma Igreja para todos” e que seu perfil, que combina “força e ternura, ajudará as coisas mudarem”.

“O Papa tem uma liderança que aponta para novos valores, que estão na linha da compreensão, da mútua aceitação das diferenças, do diálogo e da misericórdia como valores centrais da tradição de Jesus”, apontou.

Boff considerou, além disso, que o Sumo Pontífice tem “uma profunda liberdade de espírito”, que “a grande maioria dos líderes e chefes de Estado não possui”.

“Ele é alguém que não precisa de aparato de segurança, que pode tocar no povo e se deixar tocar, que não precisa se proteger porque se sente protegido por Deus. Há muitos que falam de forma burocrática ou em função de interesses, mas ele fala a partir do coração e diz coisas simples, claras, que todos podem entender”, sustentou.

O teólogo e sacerdote brasileiro ressaltou que Francisco “não vive em palácios” e que “come junto com os outros”, algo que “a tradição do cristianismo não conhecia”.

“É preciso dizer que isso é possível porque ele vem de um caldo de cultura que não é a agônica e decadente cristandade europeia, mas vem da América Latina e possui uma experiência de povos, de celebrações vivas, de contato direto corpo a corpo com os pobres, com as vilas misérias”, afirmou.

Para Boff, Francisco é “o primeiro de uma grande dinastia de papas do terceiro mundo, porque aqui vive mais de 65% dos católicos”. “Isso conferirá ao cristianismo sua verdadeira dimensão, que agora é muito ocidental e cada vez mais acidental”, concluiu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Francisco é a revolução da humanidade e do papado”, afirma Leonardo Boff - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV