Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Misericórdia, a primeira encíclica do Papa Francisco

A primeira grande encíclica de Francisco é uma pregação dominical que durou alguns minutos. O novo papa a proferiu de improviso, do ambão da pequena igreja paroquial de Santa Ana, dentro dos muros vaticanos: "A mensagem de Jesus é a misericórdia. Para mim, digo-o humildemente, é a mensagem mais forte do Senhor".

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no jornal La Stampa, 18-03-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Vivemos em uma sociedade que nos acostuma cada vez menos a reconhecer as nossas responsabilidades e a nos encarregarmos delas: de fato, são sempre os outros. O imorais são sempre os outros, as culpas são sempre de algum outro, nunca nossas. Mas, às vezes, vivemos também a experiência de um certo clericalismo de retorno tencionado apenas a "regularizar" as vidas das pessoas, através da imposição de pré-requisitos e proibições que sufocam a liberdade e pesam o já fatigante viver cotidiano. Pronto para condenar, em vez de acolher. Capaz de julgar, mas não de se inclinar sobre as misérias da humanidade. A mensagem da misericórdia, coração dessa primeira encíclica não escrita do novo papa, derruba simultaneamente ambos os clichês.

O Papa Francisco comentou o trecho evangélico da adúltera, a mulher que os escribas e os fariseus gostariam de apedrejar como prescrito pela lei mosaica. Jesus salva a sua vida, pedindo que quem estivesse sem pecado atirasse a primeira pedra: todos foram embora. "Nem eu te condeno; vai, e de agora em diante não peques mais".

O pontífice, referindo-se aos escribas e fariseus que haviam arrastado a mulher para ser apedrejada diante do Nazareno, disse: "Também nós, às vezes, gostamos de agredir os outros, condenar os outros".

O primeiro e único passo pedido para experimentar a misericórdia, explicou Francisco, é reconhecer-se necessitado de misericórdia. "Jesus veio por nós, quando reconhecemos que somos pecadores", disse. Basta não imitar aquele fariseu que, estando diante do altar, agradecia a Deus por não ser "como todos os outros homens". Se somos como esse fariseu, se nos acreditamos justos, "não conhecemos o coração do Senhor, e nunca teremos a alegria de sentir essa misericórdia!".

Quem está acostumado a julgar os outros, para se sentir bem, para se considerar justo e bom, não sente a necessidade de ser abraçado e perdoado. Ao contrário, há quem a sinta, mas pensa que é irremediável, por causa do mal excessivo que foi cometido.

O papa contou, a esse propósito, um diálogo que ocorreu no confessionário quando um homem, sentindo que ele lhe dirigia essa palavra sobre a misericórdia, respondera a Bergoglio: "Ah, padre, se o senhor conhecesse a minha vida, não falaria comigo assim! Eu fiz coisas terríveis!". E ele respondeu: "Melhor! Vai a Jesus: ele gosta que lhe contem essas coisas! Ele se esquece, Ele tem uma habilidade especial de se esquecer. Esquece-se, te beija, te abraça e te diz apenas: 'Nem eu te condeno; vai, e de agora em diante não peques mais'. Ele te dá somente esse conselho. Depois de um mês, estamos nas mesmas condições... Voltemos ao Senhor. O Senhor nunca se cansa de perdoar: nunca! Somos nós que nos cansamos de lhe pedir perdão. E peçamos a graça de nunca nos cansarmos de pedir perdão, porque Ele nunca se cansa de perdoar".

Deus nunca se cansar de acolher e de perdoar, somente se reconhecermos que precisamos do seu perdão. Essa é a primeira grande encíclica não escrita do novo papa. Poder-se-á dizer: mas essa desde sempre foi o centro da mensagem cristã. Porém, há quatro dias, as palavras simples e profundas de Francisco são uma lufada de ar fresco. Para muitos. Justamente porque apresentam o rosto de uma Igreja que não acusa as pessoas das suas fragilidades e das suas feridas, mas as cura com o remédio da misericórdia.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incrível como se anula a vontade e a existência dos donos da terra que são os indigenas. Eles ..." Em resposta a: Dilma e Aécio não consultam índios e adotam propostas contrárias aos seus direitos
"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes