Chega o novo super ministério econômico do Papa Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 25 Fevereiro 2014

Nasce o novo “super ministério” econômico do Papa Francisco. Depois de meses de consultas, novos escândalos, como a prisão de mons. Nunzio Scarano, e após a última reunião do Conselho dos Oito Cardeais (o chamado C8), Jorge Mario Bergoglio criou uma “nova estrutura de coordenação para os assuntos econômicos e administrativos da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano”: o Motu Proprio assinado nesta segunda-feira pelo próprio Pontífice argentino, e publicado na tarde do mesmo dia pelo L’Osservatore Romano, prevê uma nova “Secretaria para a Economia”, que será dirigida pelo cardeal australiano George Pell (foto), um novo “conselho para a economia” formada por oito cardeais e bispos e por sete leigos, e um novo “revisor geral”. Além disso, o papel da Apsa (Administração para o Patrimônio da Sé Apostólica) é confirmado como “Banco Central do Vaticano”, e a Autoridade de Informação Financeira (AIF) continuará a desempenhar suas atividades. Nenhuma menção ao IOR (Instituto para as Obras de Religião). O Conselho dos 15 Cardeais criado pelo Papa João Paulo II para examinar os balanços vaticanos, por sua vez, desaparecerá.

 
Fonte: http://bit.ly/1hhjXur  

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi e publicada no sítio Vatican Insider, 24-02-2014. A tradução é de André Langer.

Fidelis dispensator et prudens...”, são as palavras do Evangelho de Lucas com as quais começa esta nova medida papal: “Como o administrador fiel e prudente tem a tarefa de cuidar atentamente o quanto lhe foi encomendado, assim a Igreja está consciente da responsabilidade de tutelar e administrar com cuidado os próprios bens, à luz da sua missão de evangelização e com particular prontidão para com os necessitados. De forma especial, a gestão dos setores econômicos e financeiros da Santa Sé está intimamente relacionada com sua específica missão, não apenas a serviço do ministério universal do Santo Padre, mas também em relação com o bem comum, na perspectiva do desenvolvimento integral da pessoa humana”.

As mudanças “permitirão um maior e mais explícito envolvimento de especialistas de alto nível de experiência em administração financeira, planejamento e ‘reporting’”, indica um comunicada da Sala de Imprensa da Santa Sé, ilustrado pelo porta-voz vaticano, o padre Federico Lombardi.

Estas são as novidades do Motu Proprio do Papa: “a instituição de uma nova Secretaria para a Economia, que terá autoridade sobre todas as atividades econômicas e administrativas dentro da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano”. Deduz-se, embora não se indique explicitamente, que o poder deste novo organismo se estenderá a estruturas como o Governadorado do Estado da Cidade do Vaticano ou os dicastérios que contam com orçamentos significativos, como a Congregação para a Evangelização dos Povos (“Propaganda Fide”).

Trata-se de um verdadeiro “dicastério da cúria romana”; indica o Motu Proprio, que “responde diretamente ao Santo Padre”. A Secretaria “será responsável, entre outras coisas, pela preparação de um orçamento anual para a Santa Sé e o Estado da Cidade do Vaticano, além do planejamento financeiro e das diferentes funções de apoio como os recursos humanos e o abastecimento. A Secretaria deverá, além disso, redigir o balanço detalhado da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano.

A Secretaria para a Economia, por sua vez, “colocará em prática as diretrizes formuladas por um novo Conselho para a Economia: um Conselho de 15 membros composto por oito cardeais e bispos, que reflete a universalidade da Igreja, e sete especialistas leigos de diferentes nacionalidades com competências financeiras e reconhecido profissionalismo. O Conselho se reunirá periodicamente para avaliar diretrizes e práticas concretas, e para preparar e analisar os relatórios sobre as atividades administrativas da Santa Sé”. A Secretaria para a Economia será presidida por um cardeal prefeito, “que colabora com a Secretaria de Estado, e terá um secretário-geral, que “colaborará com o cardeal prefeito na administração das atividades cotidianas”. O Papa nomeou o cardeal George Pell, “atual bispo de Sidney”, como prefeito da Secretaria para a Economia. O Conselho para a Economia também será dirigido por um “cardeal coordenador”.

As novas disposições incluem a nomeação de “um revisor geral, nomeado pelo Santo Padre” que terá o “poder de desempenhar revisões de qualquer agência ou instituição da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano”. A Prefeitura para os Assuntos Econômicos, dirigida pelo cardeal Giuseppe Versaldi, estará “em relação com o revisor”, explicou Lombardi ao responder aos jornalistas. As mudanças, continuou, “confirmam o papel da Apsa como Banco Central do Vaticano, com todas as obrigações e as responsabilidades das instituições análogas em todo o mundo”.

É a primeira vez que a Administração do Patrimônio da Sé Apostólica (o dicastério dirigido atualmente pelo cardeal Domenico Calcagno e onde trabalhava mons. Nunzio Scarano) é definida oficialmente como “Banco Central” do Vaticano.

A Autoridade de Informação Financeira, dirigida pelo especialista em matéria de prevenção e luta contra a lavagem de dinheiro René Bruelhart, “continuará desenvolvendo o seu papel atual e fundamental de vigilância prudencial e disciplina das atividades dentro da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano”.

Não se menciona o Instituto para as Obras de Religião no documento. “Solicitou-se ao prefeito da nova Secretaria para a Economia – conclui a nota – que comece sua tarefa o mais rápido possível”, para que o Papa possa aprovar os “estatutos finais”. Ainda não fica claro se o cardeal Pell, um dos oito cardeais do C8, continuará como arcebispo de Sidney.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chega o novo super ministério econômico do Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV