J. B. Libânio Um testemunho de abertura, respeito e liberdade. Entrevista especial com Faustino Teixeira

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Janeiro 2014

Para o professor Faustino Teixeira, não é difícil falar sobre João Batista Libânio e os valores que a ele estão associados. “É uma figura iluminada, um mestre em seu sentido mais nobre. Um dos traços mais bonitos de sua vida é a alegria, o otimismo e o profundo respeito aos caminhos da liberdade. O seu entusiasmo é contagiante. Por onde passa deixa um rastro e um aroma diferencial. Suas palavras abrem caminhos e suscitam possibilidades”. Na entrevista que concedeu à IHU On-Line por e-mail, Faustino descreve Libânio como um dos teólogos que “viveram e assumiram a primavera conciliar. Foi nesse lindo clima que se gestou sua reflexão. Trata-se de uma reflexão diferenciada, pontuada pela abertura e ousadia, mas também pela simplicidade e busca. Não é uma teologia morna ou puramente intelectual, mas vibrante e entusiasmada, pois gestada no humus da compaixão e da generosidade”. E, ao se referir ao mestre e amigo, completa: “seu respeito à liberdade é irradiador. Sua capacidade de escuta, de abertura e de aceitação da singularidade e irredutibilidade dos passos de cada um talvez seja um dos segredos mais lindos de sua sedução. Em tempos de tanta arrogância e autoritarismo, também no campo das igrejas, presenças assim, tranquilas e abertas, são testemunhos imprescindíveis”.

Faustino Teixeira é professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, pesquisador do CNPq e consultor do ISER-Assessoria. É pós-doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Entre suas publicações, encontram-se Teologia e Pluralismo Religioso (São Bernardo do Campo: Nhanduti Editora, 2012); Catolicismo plural: dinâmicas contemporâneas (Petrópolis: Vozes, 2009); Ecumenismo e diálogo inter-religioso (Aparecida do Norte: Santuário, 2008); Nas teias da delicadeza: Itinerários místicos (São Paulo: Paulinas, 2006); e No limiar do mistério. Mística e religião (São Paulo: Paulinas, 2004).

A presente entrevista foi publicada pela revista IHU On-Line, no. 384, celebrando os 80 anos de sua vida.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Qual o seu testemunho sobre João Batista Libânio, que celebra 80 anos de vida?

Faustino Teixeira – Falar sobre o mestre Libânio é sempre motivo de grande alegria para mim. São décadas pontuadas por uma grande e linda amizade. Ele está na raiz de minha vocação teológica. Com ele veio o impulso decisivo para o aprofundamento no mundo da teologia. Vinha da Ciência da Religião, motivado a continuar meus estudos no campo da sociologia da religião. Ocorreu então o toque de delicadeza de Libânio, incentivando-me a trilhar rumos alternativos, com a possibilidade de continuidade dos estudos na PUC-Rio. E aí nasceu toda uma trajetória de vida.

Não é difícil falar sobre o Libânio e os valores que a ele estão associados. É uma figura iluminada, um mestre em seu sentido mais nobre. Um dos traços mais bonitos de sua vida é a alegria, o otimismo e o profundo respeito aos caminhos da liberdade. O seu entusiasmo é contagiante. Por onde passa deixa um rastro e um aroma diferencial. Suas palavras abrem caminhos e suscitam possibilidades. Sabe também, como poucos, acolher com carinho, a qualquer momento, as pessoas com suas angústias e dificuldades. É um traço de sua vida. Mesmo nos espaços jesuítas, em geral reservados, soube estar sempre aberto e atento às demandas dos outros. Como é sabido, a porta de seu quarto ou gabinete sempre esteve aberta para a generosidade desse acolhimento. Como um verdadeiro mestre, soube sempre ajudar os outros a se encaminhar, e de uma forma didática singular, nos caminhos do aprendizado teológico.

Sim, um pedagogo muito especial. Seria difícil nomear todos os profissionais, ministros, leigos e bispos que passaram por esse aprendizado. E todos guardam, sem dúvida, uma linda recordação dessa convivência e legado. Sua presença viva e dedicada não se deu apenas no campo da academia, mas também no âmbito da pastoral da juventude e do compromisso pastoral.

IHU On-Line – Como a teologia vibra no modo de ser de Libânio?

Faustino Teixeira – A teologia que pulsa no coração de Libânio é uma teologia sedenta de realidade. É dos teólogos que viveram e assumiram a primavera conciliar. Foi nesse lindo clima que se gestou sua reflexão. Trata-se de uma reflexão diferenciada, pontuada pela abertura e ousadia, mas também pela simplicidade e busca. Não é uma teologia morna ou puramente intelectual, mas vibrante e entusiasmada, pois gestada no humus da compaixão e da generosidade. Já no período de sua atuação em Roma, enquanto repetidor de estudos no Colégio Pio Brasileiro, irradiava essa alegria e abertura. Em seu retorno ao Brasil, veio o reforço da Teologia da Libertação, e o incentivo mais fundo para uma reflexão enraizada na vida e no compromisso com os pobres. Os alunos tinham contato com Libânio no início de seu processo de formação teológica, o que é muito importante. Seus cursos tinham esse traço propedêudico. Como não recordar suas aulas de introdução à teologia e de teologia fundamental, que abriam o ciclo da formação teológica. Dali vinham as inspirações geradoras de todo um caminho de formação, e também um entusiasmo único para essa nobre tarefa. Para Libânio, a arte de formar-se envolve um duplo movimento, de ampliação das qualidades humanas e religiosas e de compromisso com a transformação do mundo.

IHU On-Line – Que pensadores ou fontes matriciais fundamentam o pensamento de Libânio?

Faustino Teixeira – Sublinho isso num artigo que escrevi num livro de homenagem aos 80 anos de Libânio, organizado por Afonso Murad e Vera Bombonatto  (Teologia para viver com sentido. São Paulo: Paulinas, 2012).

Ele teve grandes mestres em sua trajetória, e cada um deles pontuou um aspecto importante de sua perspectiva teológica. Ele sublinha a presença do padre Antônio Aquino no incentivo ao exercício metodológico. Com ele aprendeu a importância da tranquilidade e leveza na arte de escrever.

Com outro mestre, Franz Lennartz, ocorreu a abertura ao universo da psicologia profunda, tão fundamental para a arte do acompanhamento pedagógico e pastoral.

Teve também a presença do Pe. Oscar Mueller, que aprofundou em sua vida o agudo sentido da liberdade pessoal e o respeito à diversidade dos caminhos. Duas palavras que marcam a personalidade de Libânio: o valor da liberdade e o respeito pelo outro.

São dois traços sempre lembrados por todos que passaram por seu caminho ou que ainda desfrutam de sua presença amiga.

Não se pode deixar de mencionar, entre seus importantes mestres, a presença do Pe. Henrique Cláudio de Lima Vaz. Foi das presenças mais decisivas em sua vida, com uma força irradiadora indescritível. Não só um mestre da inteligência, mas também um amigo de todos os momentos.

No âmbito do influxo intelectual, há que sublinhar a presença de Karl Rahner, que deixou marcas profundas em sua abertura teológica, sobretudo a dinâmica de integração do humano com o divino.

Deve-se lembrar, por fim, outras personalidades latino-americanas e brasileiras que o marcaram em sua trajetória, de modo particular na afirmação de sua reflexão teológica libertadora. Nomes como Gustavo Gutiérrez, Leonardo Boff, Clodovis Boff, José Oscar Beozzo , Frei Betto e outros, não podem ser esquecidos. Contribuíram para o enraizamento de sua reflexão teológica no mundo dos empobrecidos.

IHU On-Line – Como o senhor descreve a caminhada de Libânio como teólogo e a sua importância para o contexto latino-americano?

Faustino Teixeira – Vejo sua contribuição em dois âmbitos. Em primeiro lugar, no testemunho vivo, alegre, simples e desapegado de sua presença na igreja e na sociedade. Esse testemunho é o que fala mais forte em sua vida e o que mais encanta a todos. Trata-se de um teólogo com o pé no chão e com o coração aberto.

Sua presença fala por si mesma do encantador mistério do reino de Deus. Outro vetor de sua contribuição está na dinâmica de sua pedagogia de formador. Tem um dom especial de iniciar as pessoas na arte de formar-se. Dentre suas inúmeras obras, destacam-se aquelas que tratam dessa questão: da formação, do discernimento, da iniciação à vida intelectual e da introdução aos mistérios da teologia. Teve também, e continua tendo, um papel muito importante na abertura das consciências, tanto no campo da consciência crítica como igualmente da compreensão mais crítica dos cenários da igreja. São reconhecidamente clássicos os livros que escreveu sobre a conjuntura da igreja, sobre a teologia da libertação e o Vaticano II.

IHU On-Line – O que destaca de mais marcante sobre a “Tropa Maldita” e a relação desse grupo com Libânio?

Faustino Teixeira – Ao retornar ao Brasil, depois de longos anos de formação na Europa, um dos espaços importantes de atuação de Libânio foi o campo da pastoral da juventude. Registrou esse trabalho num importante livro a respeito, publicado em 1978 (O mundo dos jovens. São Paulo: Loyola, 1978).

Atuou como orientador nos Cursos da Juventude Cristã (CJC), prosseguindo depois no acompanhamento de jovens universitários. Isso no começo dos anos 1970. A “Tropa Maldita” nasceu nesse caldo. Eram jovens universitários, desencantados com os grupos tradicionais de juventude e que buscavam caminhos mais críticos de atuação. Irmanados por fortes laços de amizade e carinho por Libânio, gestados nos encontros de juventude, esses jovens receberam sua pronta acolhida para dar continuidade ao trabalho de formação. Assim nasceu o novo grupo, a “Tropado Libânio, como indicou um antigo padre e dirigente do CJC, de onde veio grande parte do grupo.

A “Tropa” se reunia com Libânio em torno de quatro vezes por ano, quase sempre na cidade de Juiz de Fora, no antigo seminário maior dos padres redentoristas, no bairro Floresta. Aproveitavam-se os feriados maiores para possibilitar a reunião do grupo. E os temas eram de grande atualidade: conjuntura brasileira, formação da consciência crítica, aprofundamento filosófico, etc.

Muitos autores passaram pela reflexão do grupo: Teilhard de Chardin, Jacques Monod, Ivan Illich, Paul Tillich, Carlos Drummond de Andrade  e tantos outros. Vale sublinhar que os encontros aconteceram num difícil momento da conjuntura política, em pleno exercício da ditadura militar. Algumas das reuniões foram vividas em clima de muita apreensão e temor, dado o clima do período.

Os tempos não eram propícios para articulações de grupos, muito menos de universitários. Mas a coragem do grupo e o estímulo do Libânio foram mais fortes para enfrentar tais adversidades. E o grupo seguiu com os encontros. Era uma turma bem diversificada, abrigando jovens de diversos ramos acadêmicos: medicina, psicologia, teologia, filosofia, sociologia, serviço social. E de distintas partes do Brasil: Belo Horizonte, Juiz de Fora, Rio de Janeiro, Sete Lagoas, Volta Redonda e São Paulo.

Os encontros tinham momentos reflexivos, que eram fortes, e momentos celebrativos. As celebrações de Libânio eram indescritíveis, com um ritmo singular de liberdade e participação. E sempre animadas por muita música e cantoria. No repertório, a presença constante de Geraldo Vandré, Chico Buarque de Hollanda e Milton Nascimento. Bem distante das celebrações mornas que marcam o nosso tempo, as celebrações do Libânio eram vivas e entusiasmantes. O clima era de muita liberdade e todos participavam com alegria e emoção.

O grupo percorreu as décadas de 1970, 1980 e inícios de 1990. Curioso é que muitos casais formaram-se nesse grupo e também amizades duradouras. Depois vieram os filhos, que também passaram a participar com os pais dos encontros, formando em seguida uma verdadeira “tropinha”, com encontros dedicados aos seus temas. O grupo ainda voltou a se reunir em tempos mais recentes. Por ocasião dos 80 anos de Libânio, em fevereiro de 2012, houve um grande encontro festivo da Tropa, no mesmo Seminário da Floresta, para celebrar essa efeméride. Ali nesse grupo gestou-se uma gama de profissionais em campos diversificados de atuação, que brilham com destaque no cenário nacional. E na base dessa formação, a presença amiga e duradoura de Libânio.

IHU On-Line – Quais são os traços marcantes do mestre Libânio?

Faustino Teixeira – Destacaria a alegria, o cuidado e a delicadeza, mas, sobretudo, o gesto de respeito aos caminhos diversificados e o sagrado compromisso de valorizar o campo da liberdade. Todos nós que vivemos a riqueza dessa presença em nossas vidas somos unânimes em reconhecer esse traço de Libânio. Seu respeito à liberdade é irradiador. Sua capacidade de escuta, de abertura e de aceitação da singularidade e irredutibilidade dos passos de cada um talvez seja um dos segredos mais lindos de sua sedução. Em tempos de tanta arrogância e autoritarismo, também no campo das igrejas, presenças assim, tranquilas e abertas, são testemunhos imprescindíveis.

IHU On-Line – A partir de Libânio, o que significa ser Igreja num mundo pós-moderno e plural?

Faustino Teixeira – Com base no aprendizado com Libânio, entendo que ser Igreja nesse tempo atual exige de nós alguns requisitos essenciais. Há que ter sempre aceso no coração os valores essenciais da solidariedade aos outros, do potencial de hospitalidade e abertura, da delicadeza e cuidado na escuta dos sinais dos tempos, sobretudo nos pequenos e inusitados sinais do cotidiano. E também uma abertura imarcescível ao mundo plural. Nada mais triste e desalentador que uma igreja cerrada em si mesma, na solidão de sua consciência de posse da verdade. Os caminhos vivenciados e apontados por Jesus, que é o nosso mestre maior, vão por outras veredas, bem mais arejadas e livres. Como tão bem mostrou José Antônio Pagola , em seu fabuloso livro sobre Jesus, já na quarta edição brasileira, o que esse galileu e profeta do reino de Deus trouxe para nós é algo bem singelo: o amor pela vida e o cuidados com os outros. O que ele nos transmite, quando de fato dele nos aproximamos, é um apaixonado amor pela vida. É alguém que contagia e irradia saúde, transmitindo com vigor uma profunda fé na bondade de Deus. Como assinala Pagola, o que o Deus compassivo, anunciado por Jesus, pede a seus filhos e filhas é “uma vida inspirada pela compaixão. Nada pode agradar-lhe mais. Construir a vida como Deus a quer só é possível se se fizer do amor um imperativo absoluto”. Isso também aprendemos com Libânio.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

J. B. Libânio Um testemunho de abertura, respeito e liberdade. Entrevista especial com Faustino Teixeira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV