As respostas dos fiéis alemães ao questionário do Sínodo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Dezembro 2013

Uma forte diferença entre a doutrina da Igreja e a vida dos católicos aparece de forma evidente no resumo das respostas que chegaram à arquidiocese de Colônia, na Alemanha, para o Sínodo Extraordinário.

A reportagem é do sítio Domradio.de, 13-12-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Os fiéis foram convidados a participar mediante o Conselho Diocesano e os vicariatos das cidades e territoriais. A arquidiocese disponibilizou na internet, em 23 páginas, o resumo das respostas [disponível aqui, em alemão].

"As respostas expressam a percepção daqueles que deram a sua contribuição ao questionário. Não é o resultado de uma votação sobre determinadas questões de conteúdo, nem a opinião do arcebispo", assinala-se no documento, que, enquanto isso, já foi encaminhado à Conferência dos Bispos da Alemanha, de onde será enviado ao Vaticano.

Em nove parágrafos, são apresentadas as respostas às perguntas do Vaticano para a preparação do Sínodo. "No geral, o ensino da Igreja é considerado distante da realidade e das relações", diz-se no resumo sobre a pergunta relativa ao ensino da Igreja sobre a família. Ao mesmo tempo, evidencia-se que a doutrina da Igreja é pouco conhecida e é muitas vezes reduzida à "indissolubilidade do matrimônio" e às afirmações sobre sexualidade. Nesse âmbito, "os mundos da Igreja e da sexualidade" se afastam de forma impressionante um do outro. As pessoas que responderam constatam na sociedade uma prática de separação e de divórcio, e uma crescente abertura a todas as possíveis formas de convivência (relações homossexuais, famílias recompostas ou reconstituídas).

A coabitação "ad experimentum", ou seja, sem casamento, é uma prática generalizada na arquidiocese. "Quase todos os casais que desejam um matrimônio religioso já vivem juntos. Alguns deles até mesmo há anos". Também é crescente o número de pedidos de celebração simultânea do casamento dos pais e do batismo de um filho.

Atitude misericordiosa com os divorciados

Também é significativa a quantidade de pessoas que se casaram civilmente, "Muitos divorciados em segunda união se sentem discriminados pela igreja oficial e sentem isso como um fardo muitas vezes". Os participantes do questionário fazem conscientemente este pedido: "Pede-se uma pastoral que exorte a uma atitude misericordiosa para com os divorciados em segunda união e para com aqueles que vivem separados".

As pessoas que responderam esperam da Igreja, principalmente, um acompanhamento: "De muitas respostas, entrevê-se que as atitudes que fazem com que as pessoas se sintam aceitas e consideradas positivamente, que recebam um acompanhamento em momentos difíceis da vida, são atitudes que brotam do coração da mensagem cristã e que contribuem em grande medida com a credibilidade da Igreja. Muitas vezes, por trás de pedidos concretos, esconde-se um ardente desejo de ser aceito".

Assim, por exemplo, são percebidas como ofertas novas, interessantes e atraentes formatos de preparação ao matrimônio que foram recentemente concebidos, assim como cursos de escalada e de "preparação culinária ao matrimônio". Cerca de 360 casais aproveitaram essas e outras ofertas de preparação ao matrimônio durante o ano passado.

Silêncio com relação à própria fé

Pode-se encontrar nos pais uma crescente "afasia com relação à própria fé e à transmissão geracional". No entanto, segundo a Bonner Stichprobe, 77% dos entrevistados celebra as festas cristãs, e 40% rezam com os próprios filhos. Quanto ao resto, a educação religiosa é delegada aos especialistas nas paróquias, nos jardins de infância, nas escolas e nas associações juvenis.

Os resultados do documento foram obtidos de maneiras muito diferentes. Em Düsseldorf, houve, por exemplo, um "Congresso dos Responsáveis", com 70 participantes. Podia-se participar através de vários sites da internet, por exemplo junto ao Bund der Deutschen katholischen Jugend (BDKJ – Federação da Juventude Alemã) e junto ao Familienbund Köln (Associação de Famílias de Colônia). Somente em Bonn, 2.217 pessoas participaram do questionário dessa forma.

Para a interpretação dos dados, todos os arquivos foram enviados ao Vicariato Geral de Colônia. Todas as respostas da arquidiocese de Colônia foram analisadas e resumidas no Relatório para a Pastoral da Família e Matrimônio.

"Surpreendeu-nos que a multiplicidade dos programas pastorais para as famílias é quase totalmente desconhecida nas comunidades e nas creches para crianças próximas dos fiéis", declarou o diretor do departamento geral, Markus Bosbach. Levando em conta as respostas, portanto, o departamento geral irá rever os seus programas.

Com relação à diferença entre doutrina e vida dos fiéis na arquidiocese de Colônia, Bosbach afirmou: "Agora, na arquidiocese de Colônia, recolhemos e publicamos esses dados. Agora estamos curiosos para ver como o Sínodo irá julgar e tratar esses resultados".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As respostas dos fiéis alemães ao questionário do Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV