Divorciados: Igreja alemã já começa o debate sinodal

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O Papa se cansou dos ‘tesouros’. Há anos desejava a reforma das finanças”. Entrevista com Oscar Andres Maradiaga

    LER MAIS
  • “Não podemos esperar que o atual modelo econômico resolva os nossos problemas. Não resolveu e não resolverá”, constata o Papa

    LER MAIS
  • Agro é fogo: Queimadas são crimes do agronegócio!

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Dezembro 2013

Ele pode estar no fim do mandato, mas Robert Zollitsch, presidente cessante da Conferência dos Bispos da Alemanha, não tem nenhuma intenção de se preparar para a aposentadoria, encerrando-se em um silêncio meditativo. Muito pelo contrário. Antes do adeus à presidência dos bispos da Alemanha, último cargo que ele ainda ocupa – em setembro, apenas um mês depois de ter completado 75 anos canônicos, ele foi removido da liderança da diocese de Friburgo, permanecendo como seu administrador apostólico –, Zollitsch quer acelerar a readmissão dos divorciados em segunda união ao sacramento da Eucaristia.

A reportagem é de Matteo Matzuzzi, publicada no jornal Il Foglio, 29-11-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

E paciência se o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé – recebido nessa quinta-feira em audiência por Francisco – de Roma disse que não se fala mais no assunto: "Nós seguimos em frente", respondeu Zollitsch durante o Conselho Diocesano dos dias 15 e 16 de novembro. A informação é da Konradsblatt, a revista online da diocese de Friburgo.

No início de outubro, gerou muitos rumores o documento emitido pelo escritório responsável pela cura das almas da diocese alemã, em que se convidava "a tornar visível a atitude humana e respeitosa de Jesus no contato com as pessoas divorciadas e com aquelas que decidiram se casar novamente pelo rito civil". Traduzindo, caminho livre para a comunhão aos divorciados em segunda união, justificando tudo com a misericórdia que perdoa todos os pecados.

Quem trouxe para o chão aqueles que já tinham alçado voos pindáricos foi o guardião da ortodoxia, Gerhard Ludwig Müller, que, do ex-Santo Ofício, alertava para o risco de "banalizar a misericórdia", dando a imagem equivocada segundo a qual "Deus não poderia fazer nada mais do que perdoar". É por isso que o prefeito pedira à diocese de Friburgo que retirasse o texto, pois utilizava uma "terminologia não clara" e por ser "contrário ao ensinamento da Igreja". Müller, por fim, convidava a "não criar confusão entre os fiéis com relação ao magistério da Igreja sobre a indissolubilidade das núpcias".

Mas Zollitsch não quis nem saber: esse documento entra como uma das contribuições em vista do Sínodo sobre a família programado para Roma em outubro de 2014. É preciso dar espaço para todos os "impulsos construtivos" que provêm da base e se dirigem à cúpula episcopal.

O primeiro a desposar a linha do líder dos bispos alemães foi o cardeal Reinhard Marx, pastor da diocese de Munique e Freising, que, abrindo mão do diplomaticamente correto, desafiava Müller abertamente. "O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé não pode frear o debate", dizia ele por ocasião de uma conferência em que estava reunidos todos os bispos da Baviera.

Ele criticava a lectio sobre a pastoral do matrimônio proferida pelo titular do ex-Santo Ofício e publicada no L'Osservatore Romano no fim de outubro: "Falar de divórcio como de fracasso moral é totalmente inadequado", trovejava Marx, reiterando todas essas questões "necessárias e urgentes" sobre a família seriam discutidas no Sínodo "de modo amplo e com resultados não previsíveis por enquanto".

Paciência, portanto, se Müller esclarecia que o ensinamento doutrinal da Igreja não pode ser mudado por um bispo diocesano ou por uma conferência episcopal. O ensinamento da Igreja certamente pode ser atualizado, "mas essa é uma tarefa que cabe ao papa, em pleno acordo com os bispos".

Na Alemanha, no entanto, não se pensa assim. O bispo de Stuttgart, Dom Gebhard Fürst, também pede que se apresse e se chegue a aprovar "as novas regras sobre a comunhão aos divorciados em segunda união até março de 2014", quando ocorrerá a reunião de primavera da Conferência dos Bispos da Alemanha. Esse encontro será o último com Robert Zollitsch como presidente.

O prelago de Stuttgart não se importa muito com os marcos postos por Roma, olha com confiança para a exortação apostólica Evangelii gaudium de Francisco, em que se enfatiza a necessidade de potencializar o papel das Igrejas locais "incluindo alguma autêntica autoridade doutrinal", e explica que eles, os bispos da Alemanha, não fazem nada mais do que "responder às demandas dos fiéis".

Afinal, "as expectativas são grandes, sim, mas também é grande a impaciência". Em suma, não se deve perder tempo em muitas discussões empoeiradas, impregnadas de teologia e doutrina. A Igreja alemã quer agir logo, antecipando e possivelmente orientando o grande debate sinodal do ano que vem.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Divorciados: Igreja alemã já começa o debate sinodal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV