Monsanto, Syngenta e o discurso do Cardeal Turkson

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Um milhão de crianças fora da escola: o absurdo do trabalho infantil no Brasil

    LER MAIS
  • Discurso da esquerda não dá a Lula a menor chance de fazer bom governo

    LER MAIS
  • Papa pede boicote a bens produzidos por trabalhadores forçados

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Outubro 2013

"A Monsanto promoveu as reuniões como se tivessem o endosso do Vaticano sobre biotecnologia. A Monsanto gastou milhões de dólares, proclamando-se nas rádios, na televisão, em cartazes e anúncios, como sendo um exemplo de agricultura sustentável.", escreve David Andrews, representante sênior da Food & Water Watch em Washington - D.C., em artigo publicado por National Catholic Reporter - NCR, 8-10-2013. Tradução por Ana Carolina Azevedo.

Eis o artigo.

O Cardeal Peter Turkson, Presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano, fará um discurso na entrega do World Food Prize 2013 Borlaug Dialogue, em Des Moines, Iowa, que acontece de 16 a 18 de outubro. O evento incluirá uma cerimônia em homenagem aos vencedores do prêmio deste ano: três cientistas (entre eles, um executivo da Monsanto e fundador da Syngenta) responsáveis por descobertas na área dos OGMs, ou Organismos Geneticamente Modificados.

Talvez seja melhor que eu deixe claro minha opinião sincera em relação a esse assunto. Eu morei em Iowa por 13 anos e trabalho com questões da vida rural, alimentos e política de fazendas há 40 anos. Eu fui diretor-executivo da Conferência Nacional da Vida Rural Católica em Des Moines. Eu servi na Comissão de Política Interna da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos e fui consultor do Pontifício Conselho Justiça e Paz no Vaticano durante a presidência do falecido Cardeal Van Thuan. Eu servi como consultor em política alimentar nas Nações Unidas. No momento, sirvo como ponto focal para a América do Norte no Comitê sobre a segurança alimentar mundial da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - FAO, em Roma. Eu não sou novato no assunto. Venho acompanhando essas questões com certa profundidade há muitos anos.

Houve duas grandes conferências em Roma sobre biotecnologia organizadas pela Igreja Católica e patrocinadas, em parte, pela Monsanto. A primeira, em 2004, foi na Pontifícia Universidade Gregoriana, e a segunda, organizada pela Pontifícia Academia das Ciências, foi em 2008. Nenhum dos casos envolveu a política ou o ensino oficial da Igreja. Após a segunda conferência, que foi completamente parcial, a publicação que se seguiu foi identificada como produto dos participantes, não da Academia. No entanto, tais nuances foram perdidas entre o público, que não faz distinção de quem fala para quem na Santa Sé.

A Monsanto promoveu as reuniões como se tivessesm o endosso do Vaticano sobre biotecnologia. Tenha em mente que a Monsanto gastou milhões de dólares, proclamando-se nas rádios, na televisão, em cartazes e anúncios, como sendo um exemplo de agricultura sustentável.

Turkson deveria aproveitar esta oportunidade para falar a verdade sobre a Monsanto, bem como sobre a mudança climática, a fome no mundo e a nutrição. A empresa acabou com muitos de seus concorrentes nos mercados de sementes, portanto, análses sobre capitalismo feitos pelo Pontifício Conselho Justiça e Paz teriam uma relevância particular e merecem ser aplicados nesta instância.

Como um líder da África e do Sínodo da África, Turkson bem saberá o que os agricultores africanos preferem, em termos de tecnologia agrícola. Estou em contato constante e frequente com pequenos agricultores e suas organizações da África, e eles falam claramente sobre o que querem - e não é biotecnologia.

Infelizmente, o governo dos Estados Unidos fala como se concordasse com a Monsanto sobre esta questão. Quando me encontrei com representantes dos Estados Unidos em Roma, eles tenderam a defender a biotecnologia.

Quando a Avaliação Internacional do Conhecimento, da Ciência e da Tecnologia Agrícola para o Desenvolvimento (IAASTD) foi publicada, em 2008, clamava pelo uso da agroecologia, e não preconizava a biotecnologia. A Monsanto e a Syngenta retiraram seu apoio, bem como os Estados Unidos. Esse relatório saiu depois de 400 participantes, alguns anos de estudo e US$12 milhões em despesas. Isso resultou na afirmação de que não é mais possível fazer negócios como antigamente, e chamou a atenção para uma mudança nas práticas da agricultura.

Turkson deve chamar a atenção para o fato de que as condições políticas e econômicas, e não a ciência ou os benefícios agrícolas, permeiam os planos da Monsanto. Esta é uma empresa que passou décadas processando os agricultores e gastou milhões na luta contra a transparência na rotulagem. Turkson deve reprisar o forte apoio da Igreja ao direito ao alimento, o direito à água e o direito às sementes.

Outro fator é o impacto que tem o produto promovido pela Monsanto, sua semente, sobre o meio ambiente. Ao mesmo tempo que a força da semente cria resistência contra as pragas ou ervas daninhas, ela também danifica o solo e soma ao impacto tóxico que tem sobre o meio ambiente.

O problema com a produção agrícola hoje como defendida pelos EUA e pela Monsanto é seu foco no cultivo de alimentos para animais e de biocombustíveis, que não alimentam pessoas. Eles usam a necessidade de alimentar 9 bilhões de pessoas como desculpa para produzir mais grãos para o gado e para os biocombustíveis. Na época em que o Papa Francisco era arcebispo de Buenos Aires, defensores das fazendas encontraram-se com ele para explicar como a biotecnologia tinha arruinado e mudado a agricultura na Argentina, tornando-a uma monocultura de milho ou soja em enormes fazendas, mudando, assim, a tradição das fazendas de famílias.

Recentemente, um grupo argentino chamado Grupo de Reflexión Rural compartilhou comigo uma carta escrita ao Papa pedindo que Turkson reconhecesse a devastação causada pela biotecnologia na Argentina e no mundo. "Nos últimos anos, disseminamos o conceito de Ecoteologia através de reuniões ecumênicas e da Internet, para incentivar os católicos a recuperar seus valores de cuidar da criação e a buscar inspiração espiritual na natureza e no meio ambiente", disse o grupo na carta.

Como outros, os argentinos reconhecem o papel importante de Turkson ao falar no Borlaug Dialogue, onde a Monsanto será homenageada, e gostariam de compartilhar algo que falou ao L'Osservatore Romano, no dia 5 de janeiro de 2011: Agricultores africanos não teriam necessidade alguma de sementes geneticamente modificadas se tivessem acesso a terras aráveis, que "não estivessem destruídas, devastadas ou envenenadas pelo armazenamento de resíduos tóxicos". Forçar os agricultores a comprar sementes patenteadas reproduz "o habitual jogo de dependência econômica," que, de alguma forma, é "uma nova forma de escravidão", disse Turkson. Esta declaração reflete com precisão o ponto de vista da sociedade civil e de milhões de pequenos agricultores.

Uma nova forma de colonialismo está sendo espalhada ao redor do mundo e a Monsanto é uma de suas portadoras principal. Eu não estou apenas fazendo menção a uma resistência ludita às novas tecnologias; eu vi essas novas tecnologias em ação por tempo suficiente para avisar Turkson para que não transmitisse a mensagem errada em Des Moines. Ele precisa ser claro e direto ao falar a verdade ao poder.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Monsanto, Syngenta e o discurso do Cardeal Turkson - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV