Cardeal Van Thuàn, sinais de santidade

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 05 Junho 2013

Chega às últimas etapas o processo que levará aos altares o cardeal François Xavier Nguyen Van Thuàn, que foi presidente do Pontifício Conselho “Justiça e Paz”. Em 5 de julho, na sede do vicariato de Roma, realizar-se-á a cerimônia de encerramento do processo diocesano de beatificação. No dia seguinte, na Igreja de Santa Maria de la Scala, será celebrada uma missa solene de agradecimento.

A reportagem é de Domenico Agasso Jr. e publicada no sítio Vatican Insider, 04-06-2013. A tradução é do Cepat.

O cardeal Van Thuàn nasceu em 17 de abril de 1928 em Huè, Vietnã. Foi ordenado sacerdote em 1953. Depois de ter terminado seus estudos em Roma, retornou ao seu país onde foi professor e depois reitor do seminário, vigário e bispo de Nha Trang. Em Roma, solicitaram seus serviços como assessor do Pontifício Conselho para os Leigos (de 1971 a 1978).

Em 24 de abril de 1975, o Papa Paulo VI o nomeou arcebispo titular de Vadesi e coadjutor de Saigon (agora Cidade Ho-Chi-Minh); poucos meses depois, o cardeal Van Thuàn, com a chegada do regime comunista, foi preso porque sua nomeação teria sido fruto de um complô entre a Santa Sé e os imperialistas contrários ao país. Passou 13 anos na prisão, sem julgamento nem sentença. Passou nove anos no isolamento. Antes de ser isolado, começou a escrever mensagem para a comunidade cristã em folhinhas que lhe entregavam às escondidas; entregava os bilhetinhos a um menino, que os levava aos seus irmãos para que os copiassem e distribuíssem. Assim nasceu seu livro O caminho da esperança. O cardeal também publicaria mais tarde outros dois livros de enorme importância: O caminho da esperança à luz da Palavra de Deus e do Concílio Vaticano II e Os peregrinos do caminho da esperança.

Foi libertado em 21 de novembro de 1988. Seis anos depois, em 24 de novembro de 1994, foi eleito vice-presidente do Pontifício Conselho “Justiça e Paz”, que presidiria entre 1998 e 2002. O beato João Paulo II elevou-o a cardeal no Consistório de 21 de fevereiro de 2001.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Van Thuàn, sinais de santidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV