''Francisco não exorta ao diálogo: pratica-o. Essa é a força da mensagem''. Artigo de Hans Küng

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Setembro 2013

O Papa Francisco exorta não apenas ao diálogo com os não crentes, mas o traduz na prática. De modo modesto e humilde, sem exercer nenhuma pressão, agindo com plena compreensão pelas razões dos outros.

A opinião é do teólogo suíço-alemão Hans Küng, em depoimento para o jornal La Repubblica, 12-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O título da notícia poderia ser "um diálogo em igual dignidade". O Papa Francisco exorta não apenas ao diálogo com os não crentes, mas o traduz na prática. De modo modesto e humilde, sem exercer nenhuma pressão, agindo com plena compreensão pelas razões dos outros. Como a sua ideia de "fraterna proximidade".

Muitos pontos de vista teológicos parecem-me importantes.

Primeiro: o papa representa o conceito da encarnação da pessoa histórica de Jesus. E, da sua autoridade estendida à Igreja, que deixa questões em aberto.

Segundo: a natureza de Jesus como Filho de Deus não deve excluir outros, mas, ao invés, deve abrir a todos os seres humanos a vocação a se sentirem "filhos de Deus".

Terceiro: ninguém dispõe da Verdade absoluta. A Verdade da Fé, como manifestou em Cristo o amor de Deus, é essencialmente uma relação.

Quarto: a Verdade da Fé, que é símbolo de Luz, sempre foi, várias vezes, instrumentalizada por obscuros supersticiosos contra a Luz da razão. Portanto, eu me sinto confirmado no meu Caminho e Escolha, tendo sempre levado a sério as razões dos não crentes.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Francisco não exorta ao diálogo: pratica-o. Essa é a força da mensagem''. Artigo de Hans Küng - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV