“Que se eleve forte em toda a Terra o grito da paz”

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 05 Setembro 2013

Francisco continua lutando para impedir a intervenção militar na Síria. Nesta quarta-feira, durante a primeira audiência geral na Praça São Pedro após a interrupção do verão, o pontífice exortou a todos, crentes e não crentes, a participar da vigília de jejum e oração pela paz. “Que se eleve forte em toda a Terra o grito da paz”, destacou Bergoglio.

 
Fonte: http://bit.ly/1fA9ua6  

A reportagem é de Jesús Bastante e publicada no sítio espanhol Religión Digital, 04-09-2013. A tradução é de André Langer.

Durante a sua intervenção, acompanhada ao vivo por dezenas de milhares de fiéis que abarrotaram a Praça São Pedro, Francisco recordou que “a paz começa no coração”, e convidou “a Igreja a viver intensamente este dia, junto com outros irmãos cristãos e irmãos de outras religiões, que quiserem se unir a este momento de oração pela paz”.

Culminando sua audiência geral, o Santo Padre renovou seu insistente apelo a favor da paz e seu convite para participar do dia de jejum e de oração pela paz na Síria, no Oriente Médio e no mundo inteiro. Em particular, dirigindo-se aos fiéis de língua árabe, especialmente àqueles provenientes do Iraque, Jordânia e Egito, o Papa estimulou a “unir-se sempre a Cristo, edificando seu Reino com a fraternidade, a partilha e as obras de misericórdia”.

“A fé é uma força poderosa capaz de fazer com que o mundo seja mais justo e mais bonito”, exclamou o Bispo de Roma, e estimulou a ser “uma presença da misericórdia de Deus e testemunhar ao mundo que as tribulações, as provas, as dificuldades, a violência e o mal nunca poderão derrotar Aquele que derrotou a morte: Jesus Cristo”.

Esta foi a convocação do Papa convidando para a jornada de sábado, 7 de setembro, vésperas do nascimento de Maria Rainha da Paz:

“No próximo sábado, viveremos juntos um dia especial de jejum e de oração pela paz na Síria, no Oriente Médio e no mundo inteiro. Também pela paz em nossos corações. Porque a paz começa no coração. Renovo o convite a toda a Igreja a viver intensamente este dia e, desde já, expresso a minha gratidão aos outros irmãos cristãos, a todos os irmãos de outras religiões e aos homens e mulheres de boa vontade que quiserem se unir, nos próprios lugares e modos, a este momento. Exorto em especial os fiéis romanos e os peregrinos a participarem da vigília de oração, aqui na Praça São Pedro, às 19h, para invocar do Senhor o grande dom da paz. Que se eleve forte em toda a terra o grito da paz!”

“O amor de Deus muda a vida, nos torna mais felizes”, recordou o Papa, que dedicou sua catequese a recordar a passada Jornada Mundial da Juventude, que “nos recorda a verdadeira grande notícia da história, que somos amados por Deus, que é nosso Pai, e que Jesus veio para nos salvar”.

Em sua alocução, Francisco propôs três palavras: “Acolhida, festa e missão”, que resumem, na sua opinião, o espírito do encontro do Rio, sob o tema “Ide e fazei discípulos em todas as nações”. “A caridade divina contribui para construir um mundo mais justo e solidário”, concluiu o Pontífice, que perguntou aos jovens: “Querem ser essa esperança? A se atrever a transformar o mundo, a torná-lo mais justo e mais bonito?”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Que se eleve forte em toda a Terra o grito da paz” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV