"Desgraças previstas com as hidrelétricas no Tapajós começaram a dar sinais"

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 19 Agosto 2013

“As desgraças previstas com as hidroelétricas no Tapajós já começaram a dar sinais. A segurança e a paz das populações do Tapajós já não existem. E mais desgraças virão!”, escreve Edilberto Sena, padre, coordenador geral da Rádio Rural de Santarém, presidente da Rede Notícias da Amazônia – RNA e membro da Frente em Defesa da Amazônia.

Eis o artigo.

O filho do vice-prefeito de Jacareacanga foi encontrado morto com sinais de ter sido assassinado. O vice-prefeito lá é um Munduruku. Pode não ter relação com a tensa situação que vive a população da região, mas que tem algo a ver, não há dúvida.

O governo federal invadiu o município de Jacareacanga com 150 pesquisadores e um batalhão de soldados armados de fuzis e metralhadoras para impor hidrelétricas contra os direitos dos Munduruku e ribeirinhos do Tapajós. Há poucos dias o prefeito Raulian Queiroz usou e abusou do seu cargo para controlar e manipular uma assembleia de caciques Munduruku.

Conseguiu dividir aos caciques, iludindo que as barragens serão positivas para todos os moradores do Tapajós, inclusive os indígenas. O vice-prefeito Munduruku, estava ao lado do prefeito. Se uma parte dos caciques aceitou a ilusão do prefeito, outra parte deles, conscientes da desgraça prevista, não aceita a presença de soldados armados e helicópteros sobrevoando as aldeias ameaçadoramente. E não aceitam em hipótese alguma a destruição da floresta e rios com barragens.

Então, poucos dias depois da triste assembleia, morre assassinado, o filho do Munduruku vice-prefeito. Quem matou o rapaz? Foi algum colega intrigado? Foi uma bala de fuzil? Ainda não se sabe, só uma perícia séria e transparente iria fazer um diagnóstico correto, mas lá em Jacareacanga não há tal equipe de peritos.

Independente do resultado da perícia, essa morte do jovem Munduruku, filho do vice-prefeito, ligado ao prefeito que iludiu muitos caciques, dividindo as lideranças Munduruku, tem tudo a ver com a tensa situação provocada pela ditadura presidencial. As desgraças previstas com as hidroelétricas no Tapajós já começaram a dar sinais. A segurança e a paz das populações do Tapajós já não existem. E mais desgraças virão!

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Desgraças previstas com as hidrelétricas no Tapajós começaram a dar sinais" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV