Por que o papa Francisco fascina tanto os jovens?

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • General Mourão passou a ser o menor problema

    LER MAIS
  • Como lidar com Bolsonaro?

    LER MAIS
  • As Forças Armadas não agem contra o 'caos', mas são parte fundamental dele

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

Por: Jonas | 26 Julho 2013

Ninguém duvida. Francisco agrada aos jovens, católicos ou não. Mais do que isso, deixa-os eletrizados, como ficou comprovado ontem nas ruas do Rio, onde se pôde ver, com um nó na garganta, o pequeno Fiat do Papa ser praticamente invadido por uma maré de jovens peregrinos que vieram para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
A pergunta é por que esse fascínio entre jovens que, como revelam as pesquisas, ao mesmo tempo exigem da Igreja muito mais do que o Papa oferece.

A reportagem é de Juan Arias, publicada no jornal El País, 24-07-2013. A tradução é de Cristina Cavalcanti.

Hoje, os jovens estão desencantados com quase tudo, preocupados com o futuro. São vitimas, por exemplo, da violência assassina. Dos 50 mil homicídios por armas de fogo anuais cometidos no Brasil, 80% são de jovens.

Dizem que eles não acreditam nos mais velhos. E menos ainda nos políticos. Dizem que são fundamentalmente egoístas e hedonistas. E, principalmente, consumistas. Que carecem de valores.

E chega Francisco, já idoso, quase um avô para eles, um papa exigente que os põe em guarda contra o “fascínio do provisório”, isto é, da ânsia de consumir e possuir; que lhes diz que eles são a porta por onde entra o futuro do mundo, mas lhes propõe um futuro em que “menos é mais”. Convoca-os a se despojarem do provisório e do fugaz em troca do permanente, da essência.

Certas pistas dos jovens presentes no Rio ajudam a entender este paradoxo. Alguns dizem que gostam do papa Francisco porque “não interpreta um papel. Ele é o que diz” Como sabem? Eles o intuem.

Gostam porque ele é diferente das personagens do poder que conhecem e abominam. Dizem que Francisco “simplifica” as coisas, que para ele menos é mais.

Talvez os jovens se encantem com a simplicidade dos seus gestos e palavras por sentirem com força a comichão do consumismo e do efêmero.

Cansados da hipocrisia e do desperdício dos homens no poder, sentem-se atraídos e eletrizados ao ver Francisco percorrer as ruas do Rio em um carro utilitário sem blindagem e com as janelas abertas. Percebem que ele não tem medo de morrer, algo que os deixa excitados.

Gostam que Francisco seja um papa com “corpo”. Não é espírito nem anjo. Não tem medo de beijar e abraçar. Não rejeita o contato dos corpos.

Eles intuem que Francisco não é ator nem um hipócrita, que não exige aquilo que não é capaz de fazer e é consequente com as suas palavras.

O veem despojado, carinhoso, amável e ao mesmo tempo severo, a começar consigo mesmo.

Quando soube que queriam contratar o chef de cozinha do Copacabana Palace, um hotel luxuoso e mítico do Rio, ele mandou dizer que preferia que as freiras preparassem arroz, feijão e pão de queijo, bem à brasileira.

Eles gostam do olhar dele, escreveu um jovem ontem, “que te fita e parece que te vê por dentro”.

Os jovens sabem que Francisco já foi como eles: teve uma namorada, queria se casar antes de decidir seguir a sua vocação. E tem mais, já sendo sacerdote, em um casamento apaixonou-se perdidamente por uma moça e, como contou ao seu amigo, o rabino Skorka, ficou uma semana sem dormir. Chegou a pensar em deixar a batina. Resistiu e preferiu seguir a sua vocação. E os jovens gostam disso também.

“Ele parece sincero, não parece um hipócrita”, disse um jovem espírita que veio de fora do Rio para conhecer Francisco: “Embora eu não seja católico, gosto deste senhor tão simples apesar de ser papa”, disse a um repórter do jornal O Globo.

Por fim, os jovens sentem que Francisco crê neles, no que representam no mundo. Ele crê, como disse, nessa “capacidade de surpreender” que os jovens costumam ter.

Numa época de descrença generalizada, em que grupos de adultos fazem rituais de “desbatismo” nas ruas e exibem o seu ateísmo, a boa surpresa é que centenas de milhares de jovens de diversos países e línguas diferentes se apaixonaram por um papa que lhes pede que se dispam do peso do supérfluo e sintam a vibração do que permanece e vale a pena saborear.

Acima de tudo, vale a pena “fazer algo pelos outros”, disse o Papa. Parece pouco, mas é esse pouco, proposto como uma mensagem condensada, que está conquistando a simpatia e o carinho desta juventude sobre a qual ontem ele disse que “devemos dar espaço” para que possa “crescer e amar em liberdade”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Por que o papa Francisco fascina tanto os jovens?