IOR: Papa abre caminho para a procuradoria, e a cúpula do Banco do Vaticano treme

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Julho 2013

Não é por acaso que a prisão do monsenhor Nunzio Scarano, o padre ex-banqueiro até um mês atrás a serviço daquele dicastério vaticano que gerencia o patrimônio econômico da Santa Sé, a APSA, aconteceu apenas dois dias depois do lançamento do quirógrafo papal que anuncia a instituição de uma comissão encarregada de examinar de cima a baixo o que está errado no banco vaticano, a fim de fornecer a Francisco as bases para uma reforma.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada no jornal La Repubblica, 29-06-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A Procuradoria de Roma, de fato, parece ter atrasado em alguns dias a prisão em sinal de cortesia para um papa que decidiu levar adiante uma ação de transparência e de limpeza nunca ocorrida antes. Uma linha que, dentro dos sagrados muros, chamam de "colaboração" e de "conexão" entre o próprio Vaticano e Roma, cujo último fiador dentro do muros leoninos é o próprio papa.

Não por acaso, nas cartas da Procuradoria, destaca-se o fato de que o Vaticano não opôs nenhuma resistência à prisão de Scarano, ocorrida, dentre outras coisas, depois que o monsenhor foi suspenso temporariamente pelos seus superiores (dentro dos sagrados muros, eles estavam bem informados).

Há quem se lembre de que uma colaboração semelhante entre as duas margens do Tibre só teve um precedente, ou seja, o chamado "Acordo de Genebra", graças ao qual, nos anos 1980, o então secretário de Estado vaticano, Agostino Casaroli, deu fim ao caso Calvi, tratando diretamente com o Estado italiano. Hoje, todavia, a "conexão" parece estar acontecendo em um canal bem diferente. É o papa que garante, coadjuvado pelos homens de sua confiança inseridos na comissão do IOR anunciada há poucos dias, a vontade de fazer limpeza, de uma vez por todas, passando por cima da cúpula do próprio IOR, entrelaçados com a velha governança da Cúria Romana.

Francisco parece não só não ter engolido totalmente a nomeação como presidente do banco de Ernst von Freyberg, ocorrida por vontade do secretário de Estado vaticano, Tarcisio Bertone, quando Bento XVI já havia anunciado a renúncia ao pontificado. Ele também parece não ter digerido aquela campanha midiática, posta em campo através do apoio da sociedade internacional Spencer Stuart, que levou a cúpula da própria instituição bancária a dizer nos últimos dias que é "necessário" para a Igreja ter um banco. Palavras em contradição com uma recente homilia do papa que disse: "O IOR é indispensável, mas até um certo ponto".

Não são dias fáceis do outro lado do Tibre. Na terça-feira passada, Francisco saiu da residência de Santa Marta para ir jantar na casa do cardeal Jean-Louis Pierre Tauran, diplomata de prestígio, um dos membros da comissão sobre IOR. Um debate sobre a decisão de instituir a própria comissão, depois que, evidentemente, as duas surpreendentes medidas anteriores tomadas para marcar uma distância da atual liderança do IOR foram consideradas não totalmente suficientes: não só a nomeação de um prelado de sua confiança dentro do banco, mas sobretudo a decisão de abolir os chamados "Gentis-Homens de Sua Santidade", ou seja, personalidades da economia, das finanças e da administração pública que, por anos, puderam abrir contas no banco do outro lado do Tibre ainda hoje offshore.

Nesse sábado, festa dos santos Pedro e Paulo, o papa almoçou com os bispos aos quais, no mesmo dia, impôs o pálio, e é possível que ele possa ter lhes explicado algumas das recentes decisões tomadas. Ao mesmo tempo, poderá haver novas disposições, não por último a de dar forma jurídica àquele Conselho da Coroa encarregado de dar substância à reforma da Cúria, incluindo as finanças.

Insistir-se-á no fato de que o conselho responde a uma ideia de colegialidade bem enucleada pelo Concílio Vaticano II, mas ao mesmo tempo permanecerá firme o conceito de que não há colegialidade sem o primado de Pedro. Os oito cardeais aconselharão, certamente, mas no fim será Bergoglio quem vai decidir.

A cúpula do IOR – de von Freyberg ao diretor-geral Paolo Cipriani – vivem nestas horas o mesmo estado de espírito da maioria dos chefes de dicastério da Cúria. Reconfirmados "ad interim", o destino deles também parece marcado pela vontade papal de reformar o IOR zerando todos encargos. O caminho parece ser o de sacudir a instituição bancária nos seus estatutos, constituindo uma fundação externa, composta por sócios diversos, que responda ultimamente ao papa, mas cuja responsabilidade não seja do próprio papa.

Na cúpula do IOR, ainda paira, dentre outras coisas, a investigação da Procuradoria de Roma que levou, em setembro de 2010, a uma apreensão de 23 milhões de euros (depois restituídos ao IOR) e à inscrição no rol dos investigados da cúpula de então, o presidente Ettore Gotti Tedeschi (agora demitido) e Cipriani, ainda no cargo. Ambos foram acusados de violação da normativa antilavagem de dinheiro.

Tanto que, agora, a pergunta que muitos se fazem é uma só: o que acontecerá se a Procuradoria não arquivar, mas sim enviar a julgamento? É difícil que o papa peça antecipadamente que a atual cúpula se demita, mas a ideia de um congelamento dos cargos até que toda acusação seja esclarecida continua sendo viável.

A nomeação da comissão interina parece um primeiro passo nesse sentido, mas é possível que, até o fim de julho, o papa não peça novos passos a uma dirigência que, com a grande reforma dos próximos meses, poderia ser totalmente desautorizada.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

IOR: Papa abre caminho para a procuradoria, e a cúpula do Banco do Vaticano treme - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV