O “testamento” de González Faus

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • General Mourão passou a ser o menor problema

    LER MAIS
  • As Forças Armadas não agem contra o 'caos', mas são parte fundamental dele

    LER MAIS
  • A Igreja e a pedofilia. "É a realidade: chegamos tarde", constata o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

Por: Jonas | 12 Abril 2013

Para José Ignacio González Faus (foto), teólogo espanhol, jesuíta, “se o dinheiro é o maior ídolo inimigo do homem, é assim porque é o maior inimigo de Deus, revelado por Jesus. Da mesma forma em que capitalismo e democracia são largamente incompatíveis, capitalismo e fé cristã também são. As igrejas que atualmente se perguntam a respeito da descristianização do Ocidente, acabam não percebendo isto, pois elas próprias são cúmplices desse processo, em seus organismos diretivos”. Seu artigo é publicado no sítio Religión Digital, 12-04-2013. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Neste ano de 2013 completarei os oitenta anos. O número dá certa vertigem. Embora, em “Herejías del catolicismo actual” (Heresias do catolicismo atual), digo que gostaria de acompanhá-lo com um comentário ao Credo, não sei se isto será possível. Por isso, antecipo meu credo pessoal.

1. Desde há quase meio século, o tema da fé se enquadra, para mim, nestas duas frases, um de um cristão e outra de um não crente. A primeira é a profecia de Emmanuel Mounier: no futuro, os homens não se dividirão conforme acreditem ou não em Deus, mas segundo a postura que tomarem diante dos pobres. A outra é a estrofe impactante de Atahualpa Yupanki: “há coisas neste mundo mais importantes do que Deus, que um homem não cuspa sangue para que outros vivam melhor”, o que sempre tenho visto como um bom resumo do modo como Deus se revelou em Jesus Cristo (há coisas neste mundo mais importantes que eu...).

2. Esta visão da fé se estrutura em duas linhas mestres do Novo Testamento:

2.1. A primeira, em positivo, é o repetido mandamento do amor fraterno, que não apenas o texto bíblico abarca, mas também está presente em quase todas as religiões, embora no Novo Testamento adquira uma harmonia particular: é um velho mandamento que se converte em “novo”, pois resume e interpreta todos os demais mandamentos. E é um mandamento explicitamente universal: de tal forma que não se trata apenas de amar “meus” irmãos, mas, sim, que todos os seres humanos são meus irmãos: o adjetivo “fraterno” não limita, mas amplia o mandamento do amor. O “próximo” não é o próximo a você, mas aquele a quem você deve se aproximar, disse Jesus numa parábola.

2.2. E, em negativo, a visão do dinheiro como o grande inimigo de Deus. Visão que atravessa os Evangelhos (“não podeis servir a Deus e ao dinheiro”), os textos paulinos (“a cobiça é idolatria” e “a raiz de todos os males é a paixão pelo dinheiro”) e os joaninos (“se alguém possui bens da terra, vê o seu irmão passar necessidade e não o socorre, o amor de Deus não está com ele”).

3. Este duplo resumo da minha fé (melhor que de resumo, falaria de “coração”, pois a realidade humana abarca muitos outros aspectos) tem hoje, após vinte séculos de distância do mundo de Jesus, um imprescindível componente estrutural (não apenas pessoal), que não cabe ignorar. Se a partir daqui, enxergo hoje o nosso mundo, poderia escrever outro Manifesto que começasse: “Um espectro ronda o mundo”. Contudo, agora, falando sério (e não ironicamente, como no Manifesto do século XIX), esse espectro, essa grande ameaça, não é o comunismo, mas o sistema capitalista. Por mais que se fantasie com belas palavras de liberdade ou progresso, o coração desse sistema não é mais do que a riqueza e o poder: a riqueza que gera o poder e o poder que gera a riqueza. É um sistema não fraternal, cujas células-mãe tendem a conformar um mundo onde uns poucos (cada vez mais poucos) dominam a maioria. E o momento que o nosso mundo vive, atualmente, é aquele em que está coalhando e tomando corpo essa tendência.

Em anos anteriores, essa tendência esteve detida por dois fatores históricos: o socialismo da União Soviética que, mesmo com todos os seus desastres, assustou o capitalismo e o forçou a fazer algumas concessões, e o socialismo da chamada “social-democracia”, que procurou cumprir uma via média entre os outros dois extremos. A queda do pseudo-império soviético colocou fim a esse equilíbrio instável e desatou a dinâmica totalitária do capitalismo, permitindo-lhe mostrar seu verdadeiro rosto. Não importa o que as pessoas simples perguntem: para que querem tanto dinheiro? Para que alguém vai querer trinta e seis milhões de litros de água, se não poderá bebê-los em toda a sua vida?... Por mais elementares que pareçam estes tipos de perguntas, são incompreensíveis para os narcotizados pelo deus Mamon.

A partir daqui, parece-me que nossa hora histórica marca uma tendência quase imparável, não a de “desenvolver o Terceiro Mundo”, como era dito antes, mas a “tercermundializar” o mundo desenvolvido. Há poucos anos, já começamos a falar de “quarto mundo” (os enclaves de miséria no meio do primeiro), mas essa expressão vai ficando curta, e ficará muito mais curta quando passar a crise econômica e, como um furacão do Caribe, deixar destruída mais da metade do estado social que acreditávamos ter conquistado. O mundo ficará reduzido a um ou dois por cento da humanidade, imensamente rico (mesmo repletos de lutas internas para derrubar o outro), e uma grande maioria humana submetida a uma ditadura camuflada de grandes palavras (civilização, progresso, desenvolvimento, liberdade...) utilizadas como justificativas para a crueldade dessa tirania.

Não será improvável que algum dia essa maioria exploda incontrolavelmente, mas também não será fácil, porque sempre existe esse colchão amortecedor daqueles que não pertencem nem à minoria dos canalhas, nem à maioria dos infra-humanos, desses que foram chamados “o segundo terço” e que são os que mais temem perder sua posição, caindo no abismo dos miseráveis. Eles, sem querer, podem atuar como para-raios de uma revolução desesperada e louca. E, além disso, os tiranos contam sempre com o antigo recurso defensivo (panem et circenses: pão e circo) que hoje poderíamos traduzir como “Ipad e circo”.

4. Entretanto, não se trata de fazer profecias. A última conclusão destas reflexões é que, se o dinheiro é o maior ídolo inimigo do homem, é assim porque é o maior inimigo de Deus, revelado por Jesus. Da mesma forma em que capitalismo e democracia são largamente incompatíveis, capitalismo e fé cristã também são. As igrejas que atualmente se perguntam a respeito da descristianização do Ocidente, acabam não percebendo isto, pois elas próprias são cúmplices desse processo, em seus organismos diretivos. Os ateus que perderam a fé também não percebem que seja em razão desse processo, no qual eles são apenas pequenas gotas de água de um tsunami epocal. Desta forma, o que ficará restando do cristianismo no Ocidente será apenas um cristianismo não cristão: fundamentalista no dogmático e servidor do dinheiro na moral. Um cristão já anunciado em tantas seitas norte-americanas, que são como primeiras nuvens da tormenta que acabará vindo.

5. Para terminar, não me resta nada mais do que evocar a frase de Ignacio Ellacuría, da forma como costumo reformulá-la: “uma civilização da sobriedade compartilhada” (Ellacuría dizia uma civilização da pobreza) é a única oferta de vida que permanece para o nosso mundo. Para crentes e para não crentes. Se não a levamos muito a sério, talvez seja o momento de ler esses capítulos que encerram os evangelhos, mudando todo o discurso anterior de Jesus (Marcos 13 ou Mateus 24), e começar a compreender que nem este mundo tem futuro, nem Deus pode ter lugar num mundo como este.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O “testamento” de González Faus