Crise, dívida e narcotráfico fragilizam as economias do Caribe

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Como a ciência defende a floresta. Entrevista com Carlos Afonso Nobre

    LER MAIS
  • Santa Irmã Dulce, a ''Madre Teresa brasileira''. Bolsonaro ausente

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Fevereiro 2013

Com dois dias de intervalo, os eleitores de duas pequenas ilhas de língua inglesa do Caribe foram às urnas em um clima de crise econômica. Em Granada, uma ilha de 110 mil habitantes conhecida por sua noz-moscada, o Congresso Nacional Democrático, no poder, foi varrido pelo novo Partido Nacional. Dirigido pelo ex-primeiro-ministro Keith Mitchell, esse partido conquistou os 15 assentos do Parlamento durante a consulta organizada nesta terça-feira (19).

A reportagem é de Jean Michel Caroit, publicada no jornal Le Monde e reproduzida pelo Portal Uol, 24-02-2013.

Na quinta, 21, na ilha vizinha de Barbados, o Partido Trabalhista Democrático do primeiro-ministro de saída, Freundel Stuart, conservou o poder por uma pequena vantagem de 16 assentos dos 30 do Parlamento. Essa ilha de 300 mil habitantes, que vive principalmente do turismo, sofreu uma redução da ocupação de seus hotéis devido à crise nos EUA e no Reino Unido, de onde vem a maioria de seus visitantes.

O marasmo que atinge a região ampliou a indiferença dos eleitores pelos governos em exercício. Tanto Granada, cujo índice de desemprego ultrapassa 30%, como Barbados, estão entre os países sobrecarregados por "níveis de dívida insustentáveis", segundo o Banco Caribenho de Desenvolvimento.

Apelidada de "a Grécia do Caribe", a Jamaica é o país mais ameaçado pela crise. A dívida dessa ilha de 2,8 milhões de habitantes representa mais de 140% do Produto Interno Bruto, um dos índices mais elevados do mundo.

Segundo a primeira-ministra jamaicana, Portia Simpson, 55% das despesas públicas estão destinadas ao reembolso da dívida e 25% aos salários dos funcionários públicos, o que limita drasticamente a capacidade de intervenção do Estado em setores como educação, saúde ou segurança.

Depois de longas negociações entre a Jamaica e o Fundo Monetário Internacional, foi anunciado um acordo em meados de fevereiro que permitirá a Kingston receber US$ 750 milhões em dinheiro novo. O acordo é condicionado a uma redução das despesas públicas, sobretudo os salários, e um reescalonamento da dívida.

A Jamaica é um dos países mais afetados pela explosão da violência, muitas vezes ligada ao narcotráfico, que afeta o conjunto da região. Segundo a ONU, o custo da insegurança representa 3% do PIB jamaicano.

O combate à criminalidade foi o principal ponto na ordem do dia da cúpula da Comunidade do Caribe (Caricom), a organização regional que reúne os países de língua inglesa da região e o Haiti, realizada pela primeira vez em Porto Príncipe (Haiti) em 18 e 19 de fevereiro. Os chefes de Estado e de governo pediram ao ministro da Justiça dos EUA, Eric Holder, convidado para a cúpula, que contenha o tráfico de armas leves.

Eles também reclamaram uma melhor coordenação na expulsão de criminosos condenados nos EUA para suas ilhas de origem. Ao longo dessas conversas, que ele qualificou de "francas e diretas", Holder se comprometeu a dar "tantas informações quanto possível antes de deportar essas pessoas dos EUA".

Preocupado com o desenvolvimento do tráfico de drogas na região, o governo do presidente Barack Obama lançou em 2009 a Iniciativa para a Segurança na Bacia do Caribe (CBSI na sigla em inglês): US$ 203 milhões foram gastos desde 2010 para reforçar a segurança marítima e aérea, melhorar a capacidade das polícias e dos tribunais da região e realizar operações de prevenção, sobretudo entre os jovens ameaçados.

O governo Obama orçou US$ 59 milhões para prosseguir essas ações em 2013. Há pouco tempo Washington mobilizou discretamente aviões teleguiados, primeiro nas Baamas e depois na República Dominicana, para detectar as embarcações dos narcotraficantes que utilizam as ilhas como plataforma de baldeação da cocaína sul-americana destinada aos mercados norte-americano e europeu.

Durante a cúpula de Porto Príncipe, que adotou o francês como segunda língua de trabalho da Caricom, ao lado do inglês, os países membros deram seu "pleno apoio" ao pequeno arquipélago de Antígua e Barbuda, em conflito com os EUA a respeito de jogos e apostas online. Antígua e Barbuda ganhou a causa junto à Organização Mundial do Comércio, mas Washington se recusa a respeitar essa decisão.

Os países da região também denunciaram as subvenções dadas aos produtores de rum de Porto Rico e das ilhas Virgens Americanas, o que prejudica suas empresas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crise, dívida e narcotráfico fragilizam as economias do Caribe - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV