Igrejas fecham, igrejas abrem espaços à comunidade gay

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Bergoglio, ao Santo Sínodo Ortodoxo: “Façamos do Chipre uma ponte entre o céu e a terra”

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Janeiro 2013

Atento aos protestos de setores católicos londrinos, que chegaram a reclamar junto ao Vaticano, o arcebispo de Westminster, Vincent Nichols, cancelou a celebração da missa quinzenal reservada a lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros (LGBT).

A missa era realizada na Igreja de Nossa Senhora da Assunção, no bairro de Soho, em Londres, há seis anos.

A informação é publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 11-01-2013.

Em declaração ao site do jornal Catholic Herald, Nichols lembrou que "o uso correto da nossa faculdade sexual é dentro do matrimônio, entre um homem e uma mulher, aberto à procriação e ao cuidado de uma nova vida humana."

Embora a celebração da missa esteja cancelada, Nichols assegurou que o cuidado pastoral da comunidade para com homossexuais, lésbicas, bissexuais e transexuais continuará.

Já em Washington, a Igreja das Comunidades Metropolitanas (ICM), igreja alinhada com o protestantismo tradicional, criada em 1968, deu início às celebrações ao público LGTB em espanhol.

A tendência, informa a BBC Brasil, é um sinal da tendência de latinos assumirem sua sexualidade de forma mais aberta quando se encontram nos Estados Unidos, enquanto no seu país de origem essas pessoas procuram ocultar sua opção sexual na tradicional vida familiar. Muitos latinos "saem do armário em inglês, mas não em espanhol", apontam organismos de apoio ao povo LGTB.

Pesquisa do Instituto Pew Religion mostra que mesmo entre os hispânicos católicos residentes nos Estados Unidos a aprovação do casamento gay é maioria, 52% favoráveis e 34% contrários.

Também em Londres, editora da capital editou Bíblia organizada por ativistas gays, eliminando qualquer referência homofóbica do texto, como em Gênesis 19,5, Levítico 20,13, a carta de Paulo aos Romanos, capítulo 1, versículos 26 e 27, e de I Coríntios 6, 9 e 10.

Os editores argumentam que a palavra "homossexual" não aparece no texto antes de 1946 e que o termo não existe em nenhum verso dos manuscritos originais. "Você não pode escolher a sua sexualidade, mas pode escolher Jesus. Agora também pode escolher uma Bíblia", propagam os editores.

A visão dos editores da Bíblia gay foram duramente contestados. O pastor e teólogo Augustus Nicodemus, ao rebater em entrevista ao The Christian Post o argumento de que dentre milhares de versículos só oito falam do homossexualismo, perguntou "quantos versículos precisamos para reconhecer que alguma coisa aborrece a Deus?"

Disse que a passagem de Levíticos 18, que diz "com homem não te deitarás, como se fosse mulher, é abominação", só pode ser interpretado como uma condenação à homossexualidade.

"Que os ativistas gays travam uma batalha contra aquilo que a Bíblia diz a respeito de suas práticas, todo mundo já sabe", afirmou o colunista do Gospel +, André Sanchez. Mas agora, com a edição da Bíblia gay, foram bem ousados, manipulando textos para encaixar sua filosofia e ficar com a consciência tranquila.

"A iniciativa dos ativistas gays abre um longo caminho para que qualquer pessoa faça a sua própria tradução da Bíblia, conforme suas convicções", concluiu.

Nas Bahamas, declarações ao jornal Tribune, o ex-líder da Igreja Batista Nova Aliança, bispo Simeon Hall, alvoroçou a comunidade cristã. Ele acredita que dos 133 pecados listados na Bíblia, se um pastor se dedica a falar apenas a respeito de um deles, referindo-se à homossexualidade, "pode muito bem ser que ele tem esse problema, se não na prática, então talvez de forma adormecida", disse.

A "demonização" dos homossexuais é o maior obstáculo para qualquer diálogo positivo ou esforços que a igreja possa estabelecer com eles.

O catolicismo e o judaísmo são as duas manifestações religiosas que mais desafiam a questão dos direitos gays, escreveu o historiador e jornalista italiano Ernesto Galli Della Loggia no jornal Corriere della Sera.

Loggia reportou-se a documento trabalhado pelo grão-rabino da França, Gilles Bernheim, uma autoridade do judaísmo europeu, intitulado "Matrimônio homossexual, homoparentalidade e adoção".

"Naturalmente, as páginas mais densas do documento são aquelas em que, opondo-se à ideia cada vez mais difundida de que o sexo, longe de ser um fato natural, representa uma construção cultural, o grão-rabino, fortalecido com o relato do Gênesis, afirma, ao invés, 'a complementaridade homem-mulher como princípio estruturante do judaísmo', correspondendo ao plano mais íntimo da criação, escreve o jornalista.

O grão-rabino afirma que "a dualidade dos sexos pertence à construção antropológica da humanidade" e é desejada por Deus também como "um sinal da nossa finitude".

Veja também:

Ponto de ruptura. Fim das missas para gays
Reino Unido: arcebispo cancela as ''missas gay''
Encontro do arcebispo de Londres com frequentadores da Missa para gays
Gays cristãos escrevem ao Papa: "Denuncie a homofobia"

As religiões que desafiam o conformismo sobre os gays

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igrejas fecham, igrejas abrem espaços à comunidade gay - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV