Construtoras lideraram a lista de doações eleitorais

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • EUA. Padre é suspenso por celebrar a missa rejeitando Francisco como Papa

    LER MAIS
  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Novembro 2012

Nas eleições municipais, 739 empresas ou pessoas fizeram doações às direções nacionais dos partidos. Sozinhas, três construtoras respondem por quase um quarto do total investido.

Juntas, as empreiteiras Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e Camargo Corrêa investiram R$ 151,7 milhões dos R$ 637,3 recebidos pelas siglas.

A reportagem é de Paulo Gama e publicada no jornal Folha de São Paulo, 29-11-2012.

Esses recursos, que representam a maior fatia do financiamento eleitoral, são usados pelos partidos para abastecer as campanhas de seus candidatos pelo país -procedimento conhecido como doação oculta. Como há a intermediação da sigla, fica impossível estabelecer relação entre doador e candidato.

PT, PMDB e PSDB -partidos que mais elegeram prefeitos em outubro- foram os principais beneficiados pelo grupo das empreiteiras: ficaram com R$ 100 milhões.

Considerando todas as doações, o cenário é semelhante: as direções nacionais das três siglas receberam R$ 383 milhões. A legenda com a maior arrecadação foi o PT: R$ 177 milhões.

Os partidos repassaram recursos para 1.153 candidatos -o PT transmitiu doações a 436 candidatos, o PMDB, a 309, e o PSDB, a 408.

As campanhas em São Paulo foram as principais beneficiadas. Fernando Haddad, eleito na capital paulista, foi o segundo petista que mais recebeu do PT nacional: R$ 13,7 milhões, atrás somente de Patrus Ananias.

Derrotado em Belo Horizonte por Marcio Lacerda (PSB), que se reelegeu com apoio do senador Aécio Neves (PSDB), Patrus declarou ter recebido R$ 14,1 milhões da direção nacional.

SERRA E CHALITA

O adversário de Haddad no segundo turno da disputa paulistana, José Serra, foi o tucano que mais conseguiu recursos da direção nacional do PSDB: R$ 12,6 milhões. Gabriel Chalita, quarto lugar na disputa, ficou com R$ 10,2 milhões, maior valor repassado pelo PMDB a um candidato.

Mas não só candidatos do próprio partido receberam das direções. O PT, por exemplo, investiu em aliados do PMDB, do PSB, do PC do B e do PDT.

O PSDB chegou a repassar recursos até para o PT: deu R$ 3.000 para o comitê financeiro do partido em São Thomé das Letras, cidade do interior de Minas Gerais em que as siglas se aliaram.
As três construtoras que mais doaram também pulverizaram o investimento.

A Andrade Gutierrez, que lidera a lista com R$ 72,1 milhões, doou a 17 legendas -principalmente ao PT, que recebeu R$ 18,5 milhões.

Até o recém-criado PPL aparece na lista: recebeu R$ 100 mil da construtora.

Uma subsidiária da mineradora Vale na área de produção de fertilizantes é a única entre as seis maiores doadoras fora da construção. Doou R$ 29 milhões.

O setor bancário é o segundo mais presente no topo da lista de doadores: Bradesco, BMG e Santander investiram juntos R$ 18 milhões.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Construtoras lideraram a lista de doações eleitorais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV